Dólar fecha a R$ 1,76; Bovespa perde 0,60%

Publicado em 14/07/2010 16:47 178 exibições

O mercado de câmbio doméstico, que ameaçou ontem romper o "piso" de R$ 1,75, teve um repique nesta quarta-feira, principalmente após a piora das Bolsas com a divulgação da ata do "Fed" (O Federal Reserve, o banco central dos EUA).

O BC americano revisou para baixo sua projeção de crescimento da economia local, pela primeira vez em um ano. A notícia serviu de contraponto negativo à boa repercussão do balanço da Intel (divulgado ontem à noite), que apontou fortes lucros para o período do segundo trimestre e indicou um aumento das vendas para os próximos meses.

Nesse cenário, o dólar comercial foi vendido por R$ 1,764, em alta de 0,62%, nas últimas operações. Os preços da moeda americana oscilaram entre R$ 1,769 e R$ 1,757. Nas casas de câmbio paulistas, o dólar turismo foi cotado por R$ 1,880, em um avanço de 0,53%.

Ainda operando, a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) perde 0,60%, aos 63.300 pontos. O giro fiannceiro é de R$ 4,2 bilhões. Nos EUA, a Bolsa de Nova York cai 0,35%.

O Banco Central abriu hoje os números sobre fluxo cambial e suas intervenções no mercado de dólar à vista. Nas duas primeiras semanas de julho, as saídas de dividas superaram as entradas por US$ 1,2 bilhão, segundo o BC. No semestre, o saldo ainda é positivo, em US$ 2,127 bilhões, mas abaixo do fluxo registrado no mesmo período de 2009 (US$ 3 bilhões).

O BC também informou que em julho (até o dia 9) suas compras diárias no mercado de "dólar pronto" somaram US$ 518 milhões. Em junho, essas intervenções foram de US$ 1,9 bilhão, e em maio, de US$ 4,1 bilhões.

O retorno da taxa cambial ao nível de R$ 1,75 renovou os temores entre os profissionais do segmento sobre uma possível intervenção mais agressiva do BC, seja por meio de compras de lotes maiores no mercado à vista, ou pelo uso dos notórios "swaps" cambiais (equivalentes a operações no mercado futuro).

Ainda de acordo com a autoridade monetária, os bancos mantinham posições vendidas (que ganham com a queda das cotações) de US$ 9 bilhões até junho.

Juros futuros

No mercado futuro de juros, que serve de referência para o custo dos empréstimos nos bancos, as taxas projetadas voltaram a ceder, com exceção dos contratos para 2011.

No contrato para outubro deste ano, a taxa prevista retraiu de 10,95% para 10,93%; no contrato para janeiro de 2011, a taxa projetada recuou de 11,25% para 11,21%; e no contrato para janeiro de 2012, a taxa prevista avançou de 11,77% para 11,81%. Esses números são preliminares e estão sujeitos a ajustes.

Fonte:
Folha Online

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário