Crédito pendente de 4 frigoríficos junto aos pecuaristas de MT chega a R$ 150 milhões

Publicado em 21/12/2010 14:31 708 exibições
Aproximadamente 80% dos pecuaristas matogrossenses ainda não receberam o pagamento do valor devido pelos frigoríficos Arantes, Quatro Marcos, Independência e Frialto. A estimativa é da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) que calcula que esses credores tenham créditos pendentes na ordem de R$ 150 milhões com as 4 empresas que atuam no Estado. O valor estadual é praticamente a metade do total do débito existente, que inclui pecuaristas de outros estados. De acordo com o assessor jurídico da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Armando Biancardini Candia, o setor está cada vez mais pessimista quanto ao recebimento das dívidas.

"Iremos encerrar o ano de 2010 menos esperançosos se comparado a dezembro de 2009, quando as perspectivas para o pagamento dos valores eram iminentes". Ele revela que o frigorífico Arantes é o que mais preocupa os produtores. A empresa, que teve o Plano de Recuperação Judicial (PRJ) aprovado por 66% dos credores em 19 de janeiro de 2010, mas até agora não efetuou nenhum pagamento aos credores. Os pecuaristas aprovaram o pagamento da dívida de R$ 20 milhões em até 12 meses. Em Mato Grosso o débito do Arantes chega a R$ 13 milhões com pecuaristas. Com os produtores de Cachoeira Alta (GO), Imperatriz (MA) e Unaí (MG), o montante é de R$ 7 milhões. A dívida do frigorifico com demais fornecedores é de mais de R$ 30 milhões e com os trabalhadores cerca de R$ 10 milhões. A maior fatia, no entanto, é junto a 22 instituições bancárias no valor de R$ 1,1 bilhão. O advogado da Acrimat diz que a esperança está na reunião que ocorrerá hoje (21), em São Paulo. "Iremos discutir o atraso no pagamento dos débitos".

Em situação não muito diferente encontra-se o frigorífico Quatro Marcos que conseguiu pagar somente 7 parcelas de uma dívida total de R$ 427,8 milhões. Desse valor R$ 35,7 milhões são com pecuaristas, sendo que 273 são produtores de Mato Grosso, que precisam receber R$ 26 milhões do frigorífico. O Plano de Recuperação da empresa foi aprovada em 24 de março de 2010, após 7ª tentativa de negociação. O acordo previa que a dívida com os pecuaristas fossem pagas em 12 parcelas. Biancardini ressalta que desconhece os motivos que levaram a suspensão dos pagamentos. "O que sabemos é que a empresa tem posto em leilão as unidades frigoríficas". O Quatro Marcos foi alvo de protestos no ano passado quando pecuaristas ameaçaram, sem sucesso, fechar a unidade de Alta Floresta que havia sido arrendada pela JBS/Friboi. Esse grupo arrendou as 5 plantas do Quatro Marcos que estavam desativadas em Mato Grosso (Juara, Alta Floresta, Colíder, Cuiabá e São José dos Quatro Marcos) que abatiam 4,025 mil animais/dia.

O assessor jurídico da Acrimat ainda lembra que o frigorífico Independência também não quitou seus débitos junto aos pecuaristas. Ele explica que a empresa, conforme previsto no primeiro Plano de Recuperação (aprovado em 6 de setembro de 2009), pagou todos os pecuaristas que tinham créditos de até R$ 100 mil (totalizando R$ 152,4 milhões). "Com isso, 80% da dívida foi paga, mas as parcelas restantes, que deveriam ser pagas em até 24 meses, foram canceladas pelo Independência". Vale lembrar que em 6 de junho de 2010 o grupo, formado Independência S/A e Nova Carne Indústria de Alimentos Ltda, pediu a modificação do plano, que foi aprovado novamente no dia 22 de junho de 2010.

A empresa tem uma dívida total de R$ 194 milhões. O financeiro do Independência Luiz Carlos de Souza conta que a empresa resolveu desativar todas as 16 unidades espalhadas pelo país - dessas 5 estão em Mato Grosso. De acordo com ele, o grupo deverá continuar no dia 31 de janeiro de 2011 a assembleia com credores iniciada em 22 de novembro deste ano. "A intenção é discutir no próximo encontro a opção de que investidores aportem capital de giro para a retomada da indústria". Souza acrescenta que não há previsão para a retomada das unidades.

O Frigorífico Frialto é o último da lista que teve o Plano de Recuperação Judicial aprovado pelos credores, na quinta-feira (16), em Sinop, após 4 tentativas de negociação. O texto do plano aprovado foi diferente do apresentado na última Assembleia Geral de Credores (AGC) que previa o pagamento em 5 anos com parcelas trimestrais. Depois de reivindicações por parte dos pecuaristas, o frigorífico reduziu para 4 anos o prazo para pagamento, com parcelas mensais. O Frialto tem uma dívida de cerca de R$ 94 milhões com quase 2 mil pecuaristas, localizados em 3 estados (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Rondônia). Só em Mato Grosso a dívida chega a R$ 45 milhões junto a aproximadamente 1,1 mil criadores. A reportagem entrou em contato com o representantes do Arantes mas não obteve retorno. Os diretores do Quatro Marcos não foram localizados.

Fonte:
A Gazeta

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

3 comentários

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Meu prezado Bolinha aí de Anastácio (MS), pode ter certeza os velhos tem razão. Dinheiro não aguenta desaforo. Eu era agricultor e empresário e sucumbi no tempo do FHC ainda com a malfadada "maxi" do dólar em 13/01/1999 fui remando, sofri tanto que me deu um infarto do coração em 2006. Cuide-se. Collor deixou uma dívida de 62 bilhões para o Itamar; Itamar deixou uma divida de 92 bilhões para o FHC que por sua vez deixou uma dívida de 647 bilhões para o Lula que vai deixar uma divida 2.200 bilhões (2,2 trilhões). Eles admitem 1.700 bilhões, mas é porque "pensam" que um dia Estados e Municipios pagarão seus débitos com a União e que atualmente superam 500 bilhões... Estamos cresvendo que nem rabo de cavalo. Um dia chega no chão... é tudo "ôco" (Crescemos com dinheiro emprestado). Temos que pagar R$ 500 milhões POR DIA corrido só de juros para sustentar esta divida. Pode ser que um dia não encontremos mais ninguém interessado em nos emprestar...

    0
  • Valmir Dias Rodrigues ( Bolinha) Anastácio-MS - MS

    Quando uma empresa grande esta prestes a quebrar, o BNDS socorre, ou a Caixa Economica Federal compra,(banco panamericano). Quando um pequeno produtor ou pequena empresa quebra, o primeiro que te cobra é o governo, os impostos são prioridades e o terorismo começa pela receita federal e procuradoria da união. E ainda tem um muita gente desinformadas, que nem sequer sabe o que é BNDS e o que é Divida Ativa, que acha este governo ótimo ou bom.Vamos ver até quando vai durar esta festa com o dinheiro público. Dizem os mais velhos que dinheiro não aguenta desafouros.

    0
  • Valmir Dias Rodrigues ( Bolinha) Anastácio-MS - MS

    Gostaria muito se alguem da procuradoria da união,(receita federal) tivesse a oportunidade de ler este artigo.Sou sócio proprietario de uma pequena empresa de transporte e credor do frigorifico independencia.Recentemente recebi uma notificação da receita, me intimando a pagar impostos sobre fretes que não sequer recebi, incluiu o nome da empresa na dívida ativa da união e meu nome no SERASA e CPC, agora estou com a empresa falída e sem créditos nos bancos, no comércio e tambem desempregado.E o presidente Lula diz que " este é um país de todos". Deve ser de "Tolos".

    0