Impacto econômico de desastre no Japão pode chegar a US$ 200 bi

Publicado em 16/03/2011 13:52 873 exibições
O devastador terremoto que abalou o Japão e a intensificação da consequente crise nuclear no país podem resultar em uma perda de até 200 bilhões de dólares para a terceira maior economia do mundo, mas o impacto global continua incerto cinco dias após o enorme tsunami que atingiu a costa nordeste japonesa.

Enquanto as autoridades locais procuram evitar uma catástrofe em uma usina nuclear a 240 quilômetros de Tóquio, economistas contabilizam os danos do terremoto na construção, na produção econômica e no consumo.

O desastre deve causar um grande prejuízo à produção japonesa nos próximos meses, mas economistas alertam que pode haver uma desaceleração mais profunda se a escassez de energia for prolongada, atrasando ou até interrompendo a recuperação em forma de "V" que seguiu o terremoto de Kobe, em 1995.

A maioria acredita que o impacto econômico direto será de 10 a 16 trilhões de ienes (de 125 a 200 bilhões de dólares), resultando em uma contração do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre, mas o investimento na reconstrução do país deve gerar uma forte retomada no segundo semestre de 2011.

"O custo econômico do desastre será grande", disseram economistas do JP Morgan. "Houve perdas substanciais de recursos econômicos, e a atividade econômica será impedida por danos em infraestrutura (como escassez de energia) nas próximas semanas ou nos próximos meses."

A bolsa de valores do Japão teve a pior série de dois dias desde a crise de 1987 na segunda e na terça-feira, perdendo 626 bilhões de dólares, antes de recuperarem 5,7 por cento nesta quarta-feira, com fundos de hedge cobrindo posições vendidas.

Mas os operadores continuavam nervosos, influenciados por cada novo acontecimento na usina nuclear de Fukushima e alertas a sinais de empresas e seguradoras japonesas que podem vender grandes quantias de ativos estrangeiros e repatriar fundos para cobrir os custos da crise nuclear, do tsunami e do terremoto.

RISCO DO IENE

Embora os danos em infraestrutura sejam severos, alguns dos maiores riscos à economia do Japão podem vir de consequências indiretas geradas pelo desastre nos mercados, como a alta do iene.

A moeda japonesa alcançou a máxima histórica frente ao dólar após o terremoto de Kobe, em 1995, com as empresas repatriando fundos. O dólar caiu 3 por cento ante o iene desde o desastre da semana passada e agora está perto da mínima atingida em 1995.

A direção do iene pode ter um grande impacto sobre montadoras de automóveis japonesas como Toyota, Nissan e Honda, que fabricam de 22 a 38 por cento dos carros no Japão.

O desastre já está prejudicando a rede manufatureira mundial, afetando especialmente as empresas de tecnologia. O Japão é responsável por um quinto da produção mundial de semicondutores.

A dívida pública do Japão é o dobro da economia de 5,3 trilhões de dólares, a maior proporção entre os países desenvolvidos. Mas, ao contrário de outros países altamente endividados, como a Grécia, apenas 5 por cento da dívida japonesa é mantida por investidores estrangeiros, portanto os riscos de uma crise de financiamento são limitados.

Ainda assim, em sinal de que os líderes europeus podem estar nervosos sobre as chances de que uma crise de dívida chegue ao Japão após o terremoto, a França convocou uma reunião dos ministros das Finanças e banqueiros centrais do G7 para responder ao desastre, mencionando possíveis compras de bônus japoneses.

Fonte:
Reuters

1 comentário

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Este assunto 'Tragédias naturais' expõem perda da nossa noção de limite. O que está ocorrendo no Japão merece uma reflexão que, infelizmente, não

    está presente na mídia em geral. O que vemos, via de regra, é uma cobertura

    sensacionalista, fragmentada e acrítica. Falta um olhar que analise a nossa

    relação com esses fenômenos naturais (terremotos, tsunamis, vulcões,

    enchentes, etc) e como as escolhas que fizemos ao longo do nosso processo

    civilizatório contribuíram para agravar seus impactos. O abobalhamento midiático é enorme, por culpa dos que se deixam enganar.

    0