G20 discute reação à alta de commodities em clima de divergência

Publicado em 15/04/2011 11:03 435 exibições
Em meio à alta volatilidade dos preços das commodities e a posições divergentes sobre como abordar o tema, ministros da Fazenda e presidentes de Bancos Centrais do G20 se reúnem a partir desta sexta-feira, em Washington, para discutir como resolver a questão. O G20 é o grupo das principais economias avançadas e em desenvolvimento, do qual o Brasil faz parte.

O aumento dos preços globais das commodities - que, segundo dado divulgado na quinta-feira pelo Banco Mundial, estão 36% mais altos que há um ano - é apontado como fator de risco à recuperação da economia mundial, mas os países divergem sobre as formas de combater o problema.

Enquanto alguns defendem a regulação do mercado, os grandes exportadores, como o Brasil, são contra. Na quinta-feira, véspera do encontro, o assunto foi tema de uma conversa prévia entre o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e a ministra de Economia da França, Christine Lagarde, que têm visões divergentes sobre o tema.

"Somos contra regulação direta impactando o funcionamento dos mercados", disse uma autoridade do governo brasileiro. A fonte afirmou, porém, que o Brasil é contra o controle da oferta ou dos preços, mas não se opõe a estudar o impacto dos mercados de derivativos sobre as commodities. Segundo a autoridade brasileira, o governo acredita que o nível de liquidez global, "hoje extraordinário" está afetando os preços da commodities.

Especulação
No discurso que fará no sábado ao Comitê Monetário e Financeiro Internacional (IMFC, na sigla em inglês), órgão que tem o papel de assessorar do conselho de governadores do FMI e recomendar a adoção de políticas, Mantega deverá dizer que o aumento dos preços reflete "uma mistura de fatores cíclicos e financeiros" e que as influências de demanda e oferta são "exacerbadas pela liquidez abundante, apreciação do dólar e falta de regulação dos mercados de derivativos e futuros".

Em entrevista ao Wall Street Journal, na quinta-feira, Mantega atribuiu a alta dos preços à especulação no mercado de derivativos de commodities e disse que iria instar os países do G20 a adotar restrições sobre derivativos e fundos hedge em nações ricas como maneira de reduzir pressões inflacionárias.

A França, que atualmente preside o G20, defende a implementação de um sistema que "elimine a especulação" no mercado de commodities e permita intervenção em caso de excessos. "Precisamos de um mecanismo que realmente ajude os produtores a antecipar quedas nos mercados", disse a ministra francesa, antes da conversa com Mantega.

Lagarde negou, porém, que a proposta de seu governo seja a de fixar os preços das commodities. Segundo a ministra, há uma interpretação equivocada sobre a posição francesa. "Essa não é de jeito algum nossa proposta", disse.

"Acho que é uma preocupação de todos nós a volatilidade excessiva dos preços, que torna tanto produtores quanto consumidores vulneráveis a altos e baixos", afirmou Lagarde, ao citar o comunicado conjunto divulgado na quinta-feira após a reunião dos líderes do grupo Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), na cidade chinesa de Sanya.

O documento final do encontro na China cita o risco da volatilidade excessiva dos preços das commodities para a recuperação global e faz uma vaga menção de apoio aos esforços internacionais em busca de estabilidade, mas não traz uma posição de consenso entre os países do bloco.

Controle de capitais
O outro grande tema da reunião em Washington - que ocorre durante a reunião de primavera no hemisfério norte do FMI e do Banco Mundial - será o do controle de capitais.

No discurso de sábado, Mantega deverá dizer que o Brasil se opõe à imposição de "códigos de conduta" que tentem restringir, "direta ou indiretamente", as políticas adotadas pelos países para responder ao fluxo de capitais.

O fluxo excessivo de capital estrangeiro é um problema para mercados emergentes, como o Brasil, onde provoca a valorização do real frente ao dólar e acaba reduzindo a competitividade das exportações e aumentando as pressões inflacionárias.

O assunto ganhou destaque na semana passada, quando o FMI divulgou um relatório em que, pela primeira vez em sua história, recomenda o controle de capitais.

Mantega dirá no discurso que o Brasil recebeu bem o fato de o FMI ter reconhecido o controle de capitais como opção para combater o problema. Deverá ressaltar, porém, a preocupação com propostas recentes de criação de um código de conduta sobre o tema.

O ministro deverá dizer que o Brasil "está fazendo e vai continuar a fazer o que considerar necessário e adequado às suas circunstâncias para enfrentar os desafios criados por grandes e voláteis fluxos de capital".

"Ironicamente, alguns dos países que são responsáveis pela crise mais profunda desde a Grande Depressão, e que ainda têm de resolver seus próprios problemas, estão ansiosos para prescrever códigos de conduta para o resto do mundo, inclusive para países que estão sobrecarregados com os efeitos colaterais das medidas adotadas por eles", diz o texto do discurso.

O texto não traz menção a nenhum país em particular, mas parece ser um recado aos Estados Unidos. A política monetária americana é muitas vezes apontada por críticos como um dos fatores que impulsionam a entrada excessiva de capital nos mercados emergentes.

No discurso, o ministro cita preocupações com os riscos associados às políticas adotadas pelos países avançados "para tentar exportar sua saída de situações econômicas difíceis". Mantega diz que o principal gatilho para os problemas econômicos atuais são "políticas monetárias ultraexpansionistas adotadas por alguns países".

Fonte:
BBC Brasil

0 comentário