Rossi garante que produtores terão segurança jurídica para produzir

Publicado em 19/04/2011 14:29 e atualizado em 19/04/2011 16:56 716 exibições
O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, afirmou hoje que os produtores terão segurança jurídica para produzir respeitando os recursos naturais. Segundo ele "as radicalizações de um lado e de outro não impedirão o consenso". O ministro participou ontem de mais uma reunião ministerial para debater o tema, com representantes da Casa Civil, do Meio Ambiente, do Desenvolvimento Agrário e da Integração Nacional. Também participou do encontro o relator do projeto, Aldo Rebelo (PCdoB-SP). 

O ministro se mostrou incomodado com algumas repercussões de que a Agricultura estaria cedendo espaço nas negociações para o Meio Ambiente. "Disseram em blog que a Agricultura aceitou tudo; vocês verão que não. Tem questões que vocês vão se surpreender", disse. Ele salientou que há respeito grande por parte do governo de que algumas decisões competem ao Congresso Nacional. "Em nenhum ponto não houve avanço e pouquíssimos pontos serão levados a votos", considerou. Rossi ressaltou que as posições da Agricultura têm sido levadas em conta, pois o governo não quer matar sua "galinha dos ovos de ouro". "Os radicalismos muitas vezes estão fora do Congresso. Muita gente que tinha papel protagonista e agora não tem mais."

Rossi já adiantou que não haverá mais a necessidade de o produtor ir a cartório declarar as condições de suas áreas em relação à preservação de mata nativa, conhecida como averbação. Isso porque, segundo ele, este seria um procedimento extremamente complicado para o produtor de menor porte que teria de se deslocar até a cidade para regularizar sua área e arcar com as despesas.
Fonte:
Notícias Agrícolas

3 comentários

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Meu caro Paulo Roberto Rensi, eu já perguntei aqui neste site e em outras oprtunidades, dezenas de vezes: - Onde estavam os nossos representantes quando o FHC editou e reeditou a Medida Provisória 2.166 de 1996 durante 67 meses? São mais de 5 anos e meio e o que nós fizemos para impedir a vogência daquele arremedo de normas? Eu sei o porque da nossa inoperância, a principal mudança foi aumentar o desmatamento do CERRADO na região da famigerada Amazônia Legal de 50 para 65% mas em compensação reduziu o desmatamento da MATA de 50 para 20% - isto deixou muita gente enebriada, só que mais tarde foi lá o IBGE classificar as matas.... e não tinha tanto Cerradão assim, colocando muita gente na ilegalidade. Esta MP tornou-se LEI sem nem nunca ter sido votada por ninguém e foi elaborada pela turma do Zequinha Sarney, chefes do maior ATRASO existente no Brasil, chamado Maranhão, apesar de ser o unico Estado com quatro (4) Senadores. Onde estava a nossa turma que não reclamou na época?

    0
  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Sr. João Olivi, esta noticia me leva a "TRISTE" recordação, à Portaria nº 478 , de 30 de junho de 2010, editada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento , redução do preço mínimo do TRIGO. Devemos acreditar, agora, na assertiva do ministro, ou devemos esperar o próximo dia "TRINTA DE JUNHO " ???. ...." E VAMOS EM FRENTE ! ! ! ' ....

    0
  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Sr. João Olivi, fico matutando, analisando os "movimentos" dos legisladores, ao "assunto" código florestal , e concluo que : a minha "inteligência" não "alcança" o porquê, das atitudes dos NOBRES deputados e deputadas. Só me resta aguardar as "novidades" que vêm por aí !!. Só uma pergunta AOS NOBRES DEPUTADOS E DEPUTADAS, quando foi feito os "enxertos"( MEDIDA PROVISÓRIA ) no código florestal, QUAIS FORAM AS ATITUDES QUE TOMARAM NA ÉPOCA ??. .... " E VAMOS EM FRENTE ! ! ! " ....

    0