Doux reduz dívida com produtor em mais de 60%

Publicado em 25/05/2011 08:39 256 exibições
 Doux Frangosul informou, por meio de comunicado, ter cumprido a última etapa do acordo firmado em 18 de abril com seus mais 2,2 mil produtores integrados, com novos pagamentos realizados na última sexta-feira (dia 20). "Com esse novo aporte, o grupo diminuiu consideravelmente o período em atraso, em mais 10%. Desde abril, a companhia reduziu sua dívida com os produtores em mais de 60%", disse a empresa, no comunicado, ressaltando que está "empenhada em regularizar os prazos com os integrados no menor possível."

Procurada pela Agência Estado, a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Fetag-RS) confirmou os depósitos. Na época do acordo, que foi registrado no Cartório de Montenegro (RS), onde fica a sede da companhia, e que evitou uma mobilização dos produtores, os atrasos chegavam a mais de 160 dias. A empresa não informa o valor total referente aos pagamentos, mas estima-se que os débitos devidos aos integrados seriam de R$ 10 milhões a R$ 15 milhões. A Doux fez pagamentos em 26 de abril, amortizando os atrasos em mais de 50%, e outros na sexta-feira.

"Com esse último aporte, foram pagos todos os lotes entregues até 15 de fevereiro. Hoje, os atrasos estão em 47 dias, sem contar os 45 dias que a empresa tem para realizar os pagamentos quando da entrega dos lotes", explicou o assessor de política agrícola da Fetag, Airton Hochscheid, à Agência Estado. Segundo ele, a Fetag está em contato com a Doux para realizar uma reunião ainda nesta semana para estabelecer novos cronogramas de pagamento para solucionar os atrasos. "Ainda não resolvemos todos os problemas, o produtor ainda está angustiado, a intenção é normalizar essa situação ainda no segundo semestre", afirmou Hochscheid.
A Doux Frangosul, com dez unidades no Brasil, tem enfrentado problemas no País, com atrasos no pagamento de fornecedores desde o início de 2008, em consequência da crise econômica mundial. No final de outubro, a empresa conseguiu um empréstimo no Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul) e pagou somente parte dos débitos com produtores integrados de frangos e suínos. Em junho do ano passado, e empresa vendeu seus ativos de peru à Marfrig Alimentos por R$ 65 milhões. A operação, com capacidade de abate de 30 mil aves por dia, representava 6% do abate total da empresa no Brasil.
Fonte:
G1.com

0 comentário