Brasil desponta como potência científica no setor agropecuário diante da nova economia

Publicado em 13/07/2011 09:26 333 exibições
A pesquisa em agricultura e pecuária no cerrado brasileiro é capaz de contribuir para o desenvolvimento do meio rural nas regiões tropicais do planeta, em consonância com os anseios de organizações e instituições internacionais, que defendem um novo modelo econômico baseado na baixa emissão de carbono para a atmosfera, no suprimento de energia limpa e renovável e na preservação de recursos naturais, o que, em síntese, costuma-se chamar de “economia verde”.

Esse ponto de vista foi destacado pelo diretor-presidente da Embrapa, Pedro Antonio Arraes Pereira, na conferência “Cerrado, Água, Alimento, Energia e Pesquisa Agropecuária”, realizada na segunda-feira (11 ) na 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), evento que está acontecendo na Universidade Federal de Goiás (UFG) até sexta-feira(15) e que reúne pesquisadores e estudantes do país e do exterior, além de autoridades políticas.

De acordo com Pedro Arraes, algumas tecnologias desenvolvidas no país e que o tornaram referência em agropecuária tropical para o mundo vão ao encontro da “economia verde” e podem ser levadas para outras regiões do planeta. “O cerrado, ou savanas, estão presentes não só no Brasil e nós temos como contribuir para fazer nosso conhecimento emergir para locais como Colômbia, Venezuela e interior da África”, disse Pedro Arraes.

Dentre as tecnologias passíveis de disseminação para outros países e que se encaixam nos preceitos de uma economia com menos impactos negativos ao meio ambiente, Pedro Arraes citou o sistema plantio direto e o aprimoramento do manejo do solo; o controle integrado de pragas, que conjuga o combate de insetos nocivos às culturas com seus predadores naturais; e a integração lavoura, pecuária e floresta, que aumenta a produtividade por unidade de área e auxilia a reduzir o desmatamento.

Contudo, Pedro Arraes observou que a pesquisa ainda não possui todas as respostas para equacionar plenamente questões colocadas no esforço por um desenvolvimento menos poluente, mas que o Brasil é um dos países, cujo peso da atividade econômica agropecuária e o conhecimento científico podem servir ao mundo.

“É preciso debater, como na Rio+20 (Conferência das Nações Unidas sobre meio ambiente em 2012), quais  são os princípios para a mudança ambiental e energética e talvez o Brasil seja o país que possa conseguir fazer isso”.
 
Cerrado Brasileiro

Em sua conferência na SBPC, Pedro Arraes fez um panorama da evolução da agropecuária no cerrado brasileiro, a partir de meados do século passado, com a transição do paradigma da produção tradicional para a moderna, orientada por ganhos de produtividade, e dos fatores desse processo relacionados a políticas públicas, a arranjos institucionais e a investimentos para geração de conhecimento científico.

O balanço desse empenho feito pelo dirigente da Embrapa foi que a incorporação do cerrado ao sistema produtivo fez com que o bioma também contribuísse para que o agronegócio brasileiro avançasse a quase 30% de impacto em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) e à geração de empregos no país, bem como à redução do preço de alimentos nas cidades e à presença marcante da agricultura familiar no abastecimento do mercado interno.

Ainda como resultado desse panorama, Pedro Arraes citou o passivo causado sobre o meio ambiente no meio rural e a necessidade atual de se avançar nesse aspecto, conciliando a agricultura como provedora igualmente de serviços tanto sociais quanto ambientais.

“No contexto das políticas públicas pretendemos elevar o meio rural  como mola propulsora de descarbonização de toda a agricultura; no
passado, trabalhamos apenas visando o potencial econômico, mas hoje se  faz necessário trabalhar também o social e o ambiental, entre eles, por
exemplo, as questões de energia alternativa, biomassa, energia eólica e  outros tipos de energia alternativas que precisam ser desenvolvidas”,  observou.

Em sua exposição final Pedro Arraes, concluiu que existe a necessidade de  valorizarmos o meio rural, com foco nos espaços de diálogos e convívios  e voltados para uma perspectiva de pesquisa agrícola sustentável.

Fonte:
Embrapa

0 comentário