Dilma quer agricultura forte contra volatilidade

Publicado em 23/08/2011 14:34 641 exibições

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira (23) que é necessário fortalecer a agricultura brasileira para proteger o setor da volatilidade dos preços das commodities.

"Precisamos fortalecer nossa agricultura para fazer frente ao caráter volátil e muitas vezes especulativo dos preços das commodities, fazer face às intempéries, enfim, proteger a nossa agricultura e incentivá-la a ser cada vez mais forte", afirmou a presidente na posse do novo ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro.

Dilma aproveitou a cerimônia para defender o combate ao protecionismo e insistiu no uso dos órgãos globais para proteger os produtos brasileiros de ações prejudiciais do comércio mundial.

"Devemos lutar nos organismos internacionais contra o protecionismo e as práticas comerciais danosas ao Brasil", disse.

A presidente agradeceu a gestão do ex-ministro Wagner Rossi, que deixou o governo na semana passada após uma série de denúncias de irregularidades na pasta, que chegaram a atingi-lo pessoalmente.

"O ex-ministro Wagner Rossi deixa também uma herança de êxitos e bons resultados, expresso no plano agrícola e pecuário de 2011 e 2012 que irá aplicar um montante de 107,5 bilhões na agropecuária brasileira na atual safra, volume recorde de recursos", afirmou.

Rossi foi o quarto ministro a deixar o governo em cerca de dois meses em meio a denúncias, assim como Antonio Palocci, da Casa Civil, e Alfredo Nascimento, dos Transportes. Nelson Jobim também deixou o Ministério da Defesa após divulgação de uma entrevista na qual criticou colegas de governo.

Nesta terça-feira, o índice de commodities Reuters-Jefferies CRB, referência global para o setor de matérias-primas, subia 0,8 por cento.

Fonte:
Reuters

1 comentário

  • JUSTINO CORREIA FILHO Bela Vista do Paraíso - PR

    Reconhecer a importância da agropecuaria é positivo. Mas, precisamos é de um governo que considere de fato o setor agropecuário, como fundamental que é para o desenvolvimento do país.

    0