Após forte alta no início da semana, grãos realizam lucros na CBOT

Publicado em 29/12/2011 11:32 755 exibições
A soja voltou a recuar no mercado internacional. Nesta quinta-feira, os futuros da oleaginosa fecharam o pregão noturno em baixa dando continuidade ao movimento de realização de lucros depois dos fortes ganhos registrados no início da semana. O vencimento maio/12, referência para a safra brasileira, fechou o pregão US$ 12,09, com baixa de 8,50 pontos, ainda mantendo o patamar do US$ 12. 

Na terça-feira, a soja fechou a sessão regular com quase 40 pontos de alta em seus principais vencimentos. O motivo da alta é o clima seco que castiga as lavouras na América do Sul, principalmente no Brasil e na Argentina. 

Os estados da região Sul do Brasil e importantes regiões produtoras na Argentina sofrem há dias com um déficit hídrico bastante sério. No Rio Grande do Sul, um dos principais estados produtores de grãos, a estiagem já gera estimativas de perda de até% nas culturas de verão.  A Emater-RS deverá divulgar os números do resultado dessa seca nas primeiras semanas de janeiro.

As lavouras gaúchas de milho e do feijão estão com entre 40% e 50% nas fases de floração e enchimento de grãos, consideradas críticas quanto à presença de umidade no solo, fator indispensável para se garantir uma boa produtividade. Essa situação trará reflexos na produção total desta safra, uma vez que os danos em termos de diminuição do potencial produtivo podem ser considerados irreversíveis em 50% da área projetada. 

No Paraná, o que já se sabe é que as condições do clima em janeiro serão determinantes para a definição do tamanho da safra no estado. Caso o tempo continue seco, as perdas podem alcançar 30% na soja e no milho.

A irregularidade e a escassez das chuvas estão relacionadas ao La Niña, teoricamente mais fraco que o do último verão. Os problemas começaram a ser sentidos no início de dezembro e foram atenuados nos últimos dias, com o tempo nublado e as precipitações isoladas. O temor geral é que já tenham ocorrido danos irreversíveis, uma vez que dois terços das lavouras es­­tão em períodos decisivos, co­­mo floração e frutificação. 

Milho e trigo - Essas mesmas condições climáticas adversas na América do Sul permitem a alta do milho e do trigo no mercado internacional. No entanto, os futuros dos grãos também realizaram parte dos lucros nesta quinta-feira. 

O milho fechou o pregão noturno com ligeiras altas, de quase um ponto nos contratos mais próximos e o trigo ficou no vermelho. As duas commodities também registraram fortes ganhos no início da semana em função da seca no Brasil e na Argentina, mas agora, caminhando na esteira de realização de lucros da soja, também operam com leves baixas. 
Tags:
Por:
Carla Mendes
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário