Grãos: Mercado opera com leve alta em Chicago nesta 5ª feira

Publicado em 17/10/2013 07:46
1201 exibições

Na manhã desta quinta-feira (17), a soja dá continuidade ao movimento positivo registrado ontem e opera com ligeiros ganhos na Bolsa de Chicago. Por volta das 7h30 (horário de Brasília), os futuros da oleaginosa subiam pouco mais de 2,50 pontos. Milho e trigo também operam em campo positivo. 

A demanda pela soja norte-americana, principalmente por parte da China, tem sido um importante fator de sustentação para as cotações. A nação asiática, segundo explicou o analista de mercado Carlos Cogo, da Consultoria Agroeconômica, tem aproveitado a falta de informação e a estabilidade do mercado para efetivar posições mais longas de compras. Rumores que circulam no mercado são de que a China já teria comprado, nos últimos dias, mais de 1 milhão de toneladas de soja. 

Ao mesmo tempo, o mercado ainda não exibe um movimento muito expressivo, nem de alta e nem de baixa, haja vista que ainda não há informações oficiais sobre o andamento da nova safra dos EUA que possam dar um direcionamento mais certo ao mercado. Nesta quarta (16), o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) informou que deverá decidir até o final dessa semana se irá cancelar ou não seu boletim mensal de oferta e demanda de outubro. As informações coletadas no final de setembro estão desatualizadas e o departamento já deve iniciar as pesquisas para o relatório de novembro. 

Trigo - Já no mercado do trigo, as altas são justificadas, também, por problemas climáticos e com os estoques do grão na América do Sul, segundo informações da agência internacional Bloomberg. 

Os futuros do cereal sobem pela primeira vez em três dias diante da preocupação de que os estoques sulamericanos poderiam diminuir em função do clima frio prejudicando a safra da Argentina e das chuvas excessivas podendo atrasar a colheita do Brasil. 

 

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

2 comentários

  • Liones Severo Porto Alegre - RS

    Caro Vilson Ambrozi, sua análise é perfeita e realista. É imperceptível para os analistas que a demanda por soja avançou de forma estupenda, superando a capacidade da oferta mundial. Sucessivas crises de escassez pontuais se tornaram abrangentes e crônicas e o resultado é esse que você mencionou. É a primeira vez na história que existem filas de navios esperando mais de 20 dias para carregar soja e milho, nos portos norte-americanos. Quanto aos estoques de soja simplesmente não existem. abraços

    0
  • Vilson Ambrozi Chapadinha - MA

    Prova que os estoques de soja estão curtos,é a de que até 2011,todos os países produtores exportavam e concorriam nos preços em todos os meses do ano.À partir de 2012 acabou a concorrência.,só exportam em suas respectivas colheitas.Ao invés dos navios estarem distribuídos em várias origens estão na CORRIDA MALUCA. Seis meses todos no norte, seis meses todos no sul,e não é somente com soja ,trigo e milho disputam espaço nos carregamentos. PORTANTO,pra que vender fora de hora,hora de vender é aquela que somos donos do mercado e por aqui será de març a set.Como não teremos grandes exportações de milho,e nossos portos melhoraram os embarques, acho que em final de julho já levaram toda a soja.Isto provocaria o primeiro vácuo onde nem América do Sul nem América do Norte teriam soja.Com a palavra professor Liones Severo.

    0