Soja obedece volatilidade de sessão antes do USDA e volta a recuar em Chicago nesta 6ª

Publicado em 12/08/2016 08:29 e atualizado em 12/08/2016 12:02
1083 exibições

O mercado da soja na Bolsa de Chicago, obedecendo a volatilidade típica de dias de divulgação de relatórios do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), passa a operar em campo negativo na sessão desta sexta-feira (12). Perto de 11h30 (horário de Brasília), as posições mais negociadas perdiam entre 6,75 e 8 pontos, levando o novembro/16, que é referência para a safra americana, a ser negociado a US$ 9,76 por bushel. Mais cedo, o mercado subia e levou a posição a se aproximar, novamente, dos US$ 9,90. 

A movimentação do mercado reflete, como explicam analistas e consultores, a busca dos traders por um bom posicionamento antes da chegada dos novos número do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) em seu reporte mensal de oferta e demanda. E as expectativas são grandes. 

"Os fundos e traders aguardam ansiosamente pelo boletim que será divulgado hoje às 13h", diz a analista de mercado Andrea Cordeiro, da Labhoro Corretora. "O mercado especula fortemente sobre o aumento na produtividade do milho e da soja, considerando as boas condições das lavouras com relação ao passado. O mercado espera também por um aumento nos números de exportação, já que as alterações irão repercutir nos estoques finais", completa. 

As informações de produtividade são as primeiras dessa temporada baseadas em pesquiss de campo, e as de demanda, depois das fortes notícias de compras da China e demais importadores nos últimos dias. 

No entanto, Andrea lembra ainda que, historicamente, o USDA mostra alguma cautela sobre mudanças nos índices de rendimento durante este mês, e assim, as alterações mais expressivas podem ser observadas, geralmente, enrre setembro e outubro, quando já uma melhor definição das safras. 

Confira as expectativas do mercado: 

>> USDA: Expectativas indicam robusta safra de milho dos EUA e estoques globais de soja ajustados

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário