China: Importações de soja no acumulado da temporada têm alta de 2,6%

Publicado em 13/10/2016 15:11 e atualizado em 13/10/2016 16:36
321 exibições

A China importou, em setembro, 7,19 milhões de toneladas de soja. O volume, apesar de ser 1% menor do que o registrado no mesmo período de 2015, superaram as expectativas do mercado que eram de 6 milhões. Além disso, o volume importado no acumulado do ano comercial, de janeiro a setembro - 61,19 milhões de toneladas - apresenta uma alta de 2,6% em relação ao mesmo intervalo da temporada anterior. 

Os dados partem da Administração Alfandegária da China. E uma situação semelhante foi registrada nas compras de outras commodities, como petróleo, carvão e ferro. Para outubro, a projeção é de que as compras alcancem as 6,5 milhões de toneladas. 

Os dados mostram, mais uma vez, que a demanda chinesa pela commodity segue bastante firme, apesar das especulações sobre a saúde da economia chinesa que ainda ganha a atenção das manchetes internacionais e dos especialistas. 

"Acredito que a demanda segue bem firme, bem sustentada, sem nehnhum percalço. E precisamos acompanhar os embarqes nos EUA, agora que a safra nova já está sendo disponibilizada, o que pode resultar em uma aceleração nos embarques", explica Camilo Motter, economista e analista de mercado da Granoeste Corretora de Cereais. 

Há ainda um bom momento para as margens de esmagamento no país, o que acaba por ser mais um fator de suporte para a demanda. A nação asiática tem buscado, afinal, aumentar cada vez mais suas compras de matéria-prima - como a soja em grão - ao invés de produtos terminados, como farelo e óleo. Números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) mostram que da temporada comercial 2014/15 para a atual - 2016/17 - o processamento da oleaginosa na China já registra um aumento superior a 16%, passando de 74,5 milhões para 86,5 milhões de toneladas. 

Como explicam ainda analistas da Agrinvest Commodities, outro movimento que vem sendo observado com atenção no cenário da economia chinesa é a situação da moeda local, que continua se desvalorizando frente ao dólar. 

"A consequência direta é o encarecimento de produtos importados, como a soja. Por enquanto a desvalorização da moeda não tem sido sentida por importadores chineses, que nesse momento desfrutam de boas margens de esmagamento pela queda no processamento", explicam os analistas no blog da consultoria.

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário