Soja fecha em alta em Chicago nesta 6ª feira com mercado especulando sobre acordo China x EUA

Publicado em 16/11/2018 18:38
609 exibições

Depois de testar os dois lados da tabela e de operar boa parte do dia com estabilidade, os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago voltaram a operar em campo positivo e fecharam o dia com pequenas altas no pregão desta sexta-feira (16). As especulações sobre um acordo entre China e Estados Unidos deram espaço para os ganhos, mesmo ainda sem nada efetivamente acertado. 

Os preços encerraram a sessão subindo pouco mais de 3 pontos, com quase todos os vencimentos acima dos US$ 9,00 por bushel. A exceção ficou por conta do janeiro/19, que agora é a primeira posição, com encerrou dia com US$ 8,92 por bushel. 

São crescentes as especulações desde que representantes dos dois países voltaram a conversar nestes últimos dias. Nesta sexta-feira, inclusive, os preços da soja voltaram a subir na Bolsa de Chicago e deram um bom repique depois das informações e das colocações de Trump em sua conta no Twitter. 

Trump estaria disposto a colocar a soja em qualquer combinado que seja firmado com Xi, segundo a declaração de uma autoridade de Washington no final desta semana. Como explicou o Secretário de Agricultura dos EUA, Steve Censky, Trump tem se esforçado para garantir o acordo, garantindo que nossas vendas para a China sejam retomadas". A commodity, afinal, foi um dos principais alvos da disputa comercial. 

Leia mais:

>> China e EUA voltam a conversar e aumentam especulações sobre um acordo

Os traders mantêm-se atentos ainda ao desenvolvimento da colheita nos EUA, que mostra algum atraso e a chegada da neve em alguns pontos preocupa. Ao mesmo tempo, observam o acelerado plantio no Brasil e as preocupações com a Argentina, onde o excessso de chuvas causa um cenário de bastante incerteza. 

Suporte vindo também das vendas semanais. Apesar de o acumulado na temporada estar bem abaixo do mesmo período do ano passado, as vendas subiram na semana e ficaram dentro das expectativas do mercado. 

Na semana encerrada em 8 de novembro, as vendas somaram 470,4 mil toneladas, contra expectativas que variavam de 400 mil a 700 mil toneladas. A Holanda foi a principal compradora e, no período, a Argentina comprou 114,9 mil toneladas. No acumulado da temporada, as vendas americanas contabilizam 22.241,5 milhões de toneladas, contra mais de 32 milhões do mesmo período do ano anterior. 

Esse é um dos mais baixos ritmos de comercialização dos EUA dos últimos anos, segundo relatam analistas e consultores internacionais. E depois da revisão para baixo dos números para a safra 2018/19 em seu último boletim mensal de oferta e demanda, o USDA estima agora as exportações de soja do país em apenas 51,71 milhões de toneladas. 

Mercado Brasileiro

No Brasil, em função do feriado comemorado nesta quinta no Brasil, o mercado foi limitado e a oscilações, pontuais. Colaborou para a pouca movimentação, a queda de 1,12% do dólar frente ao real nesta sexta, fechando com R$ 3,73. 

"Há bom humor em função da confirmação do Mansueto no Tesouro e a escolha do Roberto Campos Neto para presidência do BC", afirmou o superintendente da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva à Reuters. 

Veja mais:

>> Dólar recua ante real com definição de Campos Neto no BC e sinais do Fed

Assim, Paranaguá fechou o dia estável, com R$ 85,00 por saca no disponível e R$ 79,00 para a safra nova. Já em Rio Grande, queda de 1,72% no spot, com R$ 85,50, e de 1,70% no dezembro/18, para R$ 86,50 por saca. 

No interior, a maior parte das principais praças de comercialização encerrou a semana sem grandes movimentações também em função do feriado. 

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário