China bloqueia novas compras de soja nos EUA e amplia vantagem do Brasil

Publicado em 30/05/2019 11:32 e atualizado em 30/05/2019 13:38
10873 exibições
Prêmios seguem fortes e tendem a se valorizar; China responde por 70% das exportações brasileiras

LOGO nalogo

A guerra comercial entre China e Estados Unidos continua e o novo movimento foi feito pela nação asiática que suspendeu novas compras de soja no mercado norte-americano. De acordo com fontes familiarizadas com o assunto e que deram entrevista à agência internacional Bloomberg, a medida foi adotada na medida em que as tensões entre os dois países se intensifica. 

Com chineses e americanos ainda em desacordo, os compradores da China interromperam as ordens de aquisição de soja dos EUA e a retomada das operações não está prevista até que seja firmado um acordo entre os dois. 

A disputa já dura mais de um ano e esse tem sido um dos principais fatores de atenção do mercado não só da oleaginosa, mas das commodities de uma forma geral, além de causar um impacto severo sobre o mercado financeiro e de promover uma tensão cada vez maior sobre o crescimento da economia mundial. 

No início de maio, os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago registraram suas mínimas em 10 anos diante de um acirramento da guerra comercial e de uma demanda quase nula da China pela soja dos EUA. A recuperação se deu em função das adversidades climáticas que atrasam severamente o plantio da safra 2019/20. 

Leia:

>> Soja opera estável após 4 sessões de fortes altas, mas mantém foco no clima dos EUA

>> USDA confirma pouco avanço do plantio e um dos maiores atrasos da história dos EUA

Com as últimas atitudes, a China estaria agora somente embarcando alguns volumes de soja já adquiridos. Faltariam cerca de pouco mais de 7 milhões de toneladas, como explica o diretor do SIMConsult, Liones Severo. "É somente isso que está acontecendo", diz. 

Representantes das estatais Cofco e Sinograin ainda não se manifestaram. E a notícia da Bloomberg afirma também que a China não pretende cancelar as compras já feitas anteriormente. 

Em meio à disputa, o governo Donald Trump anunciou um novo pacote de ajuda aos produtores americanos da ordem de US$ 16 bilhões, co US$ 14,5 bilhões em pagamentos diretos. Mais detalhes, como o valor pago a cada cultura, ainda não foram divulgados. 

Saiba mais:

>> USDA confirma ajuda de US$ 16 bi a produtores dos EUA; US$ 14,5 bi em subsídios

PARA O BRASIL

Para o Brasil, a notícia, que já é conhecida, acaba sendo positiva, uma vez que a demanda pela soja nacional segue aquecida. O foco do maior comprador mundial está concentrado sobre a América do Sul, em especial o Brasil. Tal movimento, inclusive, já promoveu uma escalada dos prêmios no mercado brasileiro nas últimas semanas. 

Com a forte procura dos compradores pela soja brasileira e os produtores reticentes em efetivarem novas vendas, os valores dos prêmios seguem acima dos 100 pontos, ou US$ 1,00 sobre as cotações praticadas na Bolsa de Chicago. Entre os vendedores, os prêmios pedidos variam entre 140 e 170 pontos, principalmente nas posições um pouco mais distantes.

"O mercado comprador joga um bônus um pouquinho maior para tentar trazer lotes, já que o mercado vendedor está bem resistente, sem querer fazer novas vendas. O mercado está segurando tanto que da safra 2020 no Rio Grande do Sul foi comercializada somente algo entre 4,5% e 5%, contra cerca de 15% de anos anteriores", explica a diretora da De Baco Corretora, Rita De Baco. 

Somente nas primeiras trê semanas de maio, as exportações de soja do Brasil somam 8,2 milhões de toneladas, de acordo com números da Secex (Secretaria de Comércio Exterior). "E temos fôlego para chegar as 10,5 milhões de toneladas no fechamento do mês", acredita o consultor de mercado Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. 

No acumulado do ano, as vendas brasileiras já acumulam 35,5 milhões de toneladas, contra pouco mais de 32 milhões de 2018, neste mesmo período, e a China responde ainda por 70% do total exportado pelo Brasil. 

"O ritmo forte dos embarques da soja do Brasil dá sinais que a frente pode ter pouco para ser negociado e abrir espaço para importações para cobrir a demanda interna", completa Brandalizze.

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário