USDA reporta nova venda de 500 mil t de soja pelos EUA e total na semana passa de 1 mi de t

Publicado em 05/06/2020 12:14 e atualizado em 05/06/2020 13:16 2304 exibições

LOGO nalogo

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) anunciou mais uma venda de soja nesta sexta-feira (5) e dessa vez foram 588 mil toneladas. Foram informadas duas vendas, sendo a primeira de 330 mil toneladas - sendo 196 mil da safra atual e 134 mil da nova. A segunda foi de 258 mil toneladas, com 60 mil da safra velha e 198 mil da safra nova. Em ambos os casos, o volume foi para destinos não revelados. 

Todas as vendas feitas pelo país no mesmo dia, para o mesmo destino e com volume igual ou superior a 100 mil toneladas devem sempre ser informadas ao departamento. E a semana foi de informes diários, que somam 1,026 milhão de toneladas, entre volumes para a China e os 'destinos não revelados' somente entre os totais reportados entre terça (2) e sexta-feira. 

Durante os últimos dias, os olhos todos do mercado estiveram sobre as relações comerciais entre China e Estados Unidos, em meio a um acirramento das tensões entre os dois países e, ao mesmo tempo, uma necessidade crescente da nação asiática pela soja norte-americana. 

E segundo um consultor chinês de mercado ouvido pela agência internacional de notícias Bloomberg, "os importadores comerciais da China vão, provavelmente, continuar comprando soja dos EUA, apesar das tensões bilaterais". Afinal, como o Notícia Agrícolas já vem adiantando há algumas semanas, a o país asiático ainda precisa de ao menos 8 milhões de toneladas de soja por mês para estar adequadamente abastecida. 

"As plantas de esmagamento ainda não compraram suprimentos suficientes, considerando que a criação de suínos deve se recuperar (após os graves surtos de Peste Suína Africana) e a demanda por farelo de soja, portanto, deve aumentar", diz, também à Bloomberg, a Shangai JC Intelligence Co. "Os processadores precisarão de, pelo menos, mais 20 milhões de toneladas para cobrirem seus compromissos". 

E esse volume grande será preciso mesmo com a chegada intensa de soja brasileira à China entre os meses de maio a julho, como também o Notícias Agrícolas trouxe em 19 de maio. Relembre:

>> China deverá receber volumes recordes de soja brasileira entre maio e julho

O recuo do dólar frente ao real também contribuiu para o movimento. De acordo com a agência de notícias Reuters, a moeda americana perdeu 4,76% somente nos três primeiros pregões de junho. Em 11 sessões, as baixas chegam a US$ 11,71%. Assim, a divisa se aproxima muito mais dos R$ 5,00 do que dos R$ 6,00 no momento. 

A valorização do real frente ao dólar vai fazendo com que a soja americana se torne cada vez mais atrativa para os importadores, o que justifica essa movimentação positiva de Chicago em reação à queda do câmbio no Brasil.

O gráfico abaixo, da Bloomberg, mostra os preços da soja brasileira já superando o da norte-americana. 

Preços de soja BR x EUA - Bloomberg

Tags:
Por:
Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário