Com mundo sem soja, mercado brasileiro tem momento de cautela e escalada de preços em Chicago

Publicado em 20/11/2020 17:34 e atualizado em 22/11/2020 06:18 3986 exibições
Mercado internacional já busca alcançar e romper os US$ 12 por bushel apoiado na relação apertada de oferta e demanda global

LOGO nalogo

Desde a última sexta-feira (13), o contrato janeiro/21 da soja subiu 3,51% ara fechar a sessão desta sexta (20) com US$ 11,81 por bushel. O mesmo fechamento foi registrado pelo contrato março que, no intervalo, acumulou um ganho de 2,87%. A semana, mais uma vez, foi cheia para o mercado da oleginosa, com os fundamentos - embora a notícia pareça repetitiva - fortes mantendo firmes os pilares que sustentam as cotações na Bolsa de Chicago, sinalizando que a escalada de preços é certa e continua. 

O objetivo mais próximo - e nítido - dos futuros da oleaginosa agora é o patamar dos US$ 12,00 por bushel. Rompendo este nível, como explica Vlamir Brandalizze, consultor de mercado da Brandalizze Consulting, é buscar os US$ 12,20. Na sequência, segundo sua análise, serão necessárias notícias novas para manter o ímpeto do avanço das referências. 

Durante a semana, o mercado fez ma nova trajetória positiva acompanhando dois principais fatores: a oferta limitada e a demanda muito latente no mercado global. Além dos baixos estoques nas principais origens, as novas safras - que agora se desenvolvem na América do Sul - continuam ameaçadas pelo clima adverso, e já estão bastante comprometidas. A comercialização antecipada aconteceu, principalmente, no Brasil, onde devemos chegar a janeiro com quase 70% da safra 2020/21 já vendida. 

"Os estoques mundiais divulgados pelo USDA de 20 milhões de toneladas no Brasil, 27 milhões na Argentina e 27 milhões na China, e que somam 74,0 milhões inexistem. Então, se descontar esse total do estoque mundial divulgado pelo mesmo USDA de 88 milhões, sobrariam apenas 14,0 milhões como um estoque mundial realista, e suficiente para apenas 14 dias do consumo", explica o especialista no complexo soja e diretor do SIMConsult, Liones Severo, 

O consumo diário mundial de soja, como relata Severo, cresceu em 2020 para mais de 1 milhão de toneladas da oleaginosa. Na China, maior consumidor da commodity, seu esmagamento semanal passa a ser de mais de 2 milhões de toneladas. Enquanto isso, se registram problemas nas atuais temporadas de Brasil, Argentina e Paraguai, que juntos somam, aproximadamente, 56% da oferta global de soja. 

+ Mundo não tem estoques de soja e cenário é de escassez global soberana, diz Liones Severo

+ 1/4 do Brasil produtor de soja e milho se encontra sob estresse hídrico, diz Commodity Weather Group

+ Argentina ainda sofre com seca em áreas importantes de soja e tem apenas 7% da safra 2020/21 vendida

+ Paraguai espera por chuvas regulares para nova safra de soja, mas ainda não fala em perdas

Com altas além grão, os derivados da soja também registram momentos de preços historicamente elevados e de uma demanda recorde. A oferta é tão limitada, consequentemente, quanto a da matéria-prima. "Neste momento, a soja não tem uma valorização somente pelo cenário de oferta e demanda do grão, mas também pelos derivados, que estão contribuindo bastante", diz Eduardo Vanin, analista de mercado da Agrinvest Commodities. 

Para Vanin, o "complexo soja está blindado", mesmo com com incertezas marcando a retomada das economias mundo a fora, e que os preços dos três produtos deverão continuar nesta escalada. 

+ Com altas históricas do farelo e do óleo de soja, complexo está 'blindado' e continua escalada de preços

MERCADO NACIONAL

Embora o dólar tenha registrado uma alta considerável nesta sexta-feira frente ao real, na semana o saldo acumulado é de um recuo de 1,61%, com a moeda valendo R$ 5,38. E parte deste movimento pesou sobre as cotações da soja no mercado brasileiro. Ainda assim, o pouco produto disponível segue registrando indicativos acima dos R$ 160,00 por saca nos portos e o da safra nova, acima dos R$ 140,00. 

A força do mercado, todavia, já não é tão expressiva. Algumas indústrias, ainda como relata Brandalizze, já começam a parar de esmagar, as cotações do farelo e da soja já apresentam algum recuo e frente aos elevados preços da matéria-prima, as operações começam a se mostrar inviáveis, sem oferecerem margens positivas, como vinha acontecendo há alguma semanas.

"E na safra nova não conseguimos evoluir porque nossos prêmios ainda estão mais altos do que os americanos e assim nossa soja fica mais cara", explica o consultor da Brandalizze Consulting. Assim, temos uma estabilidade dos valores em reais, porém, com poucos novos negócios sendo efetivados. 

"Conforme o clima for se movimentando (na América do Sul), o comprador vai sendo mais ou menos voraz, e o produtores voltaram ou não às vendas. O Brasil deve chegar a fevereiro com 75% da soja comprometida, sobrando 25% para cobrir os compromissos até dezembro (de 2021). E as indústrias, por medida de segurança, devem carregar mais estoques no ano que vem. E caso os preços caiam, as origens vendedoras se retraem e isso é altista para Chicago", explica Ênio Fernandes, consultor da Terra Agronegócios. 

+ Clima na América do Sul vai ditar ritmo de compra e venda da soja e o tempo que deve levar para patamar dos U$12 se consolidar

"2020/21 está definido, para quem colher está completamente seguro, terá a rentabilidade assegurada. Supondo que o câmbio venha a R$ 4,00, juntando isso com 60% já negociado, teríamos margem para fazer todos os pagamentos e ainda sobraria uma margem líquida enorme. Assim, as empresas, em algumas culturas, já não querem mais abordar o ano 2020/21, mas só 2021/22", complementa Carlos Cogo, o sócio-diretor da Cogo Inteligência em Agronegócio. 

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário