Brasil suspende taxa para importar milho, soja, farelo e óleo de soja

Publicado em 19/04/2021 18:32 e atualizado em 20/04/2021 07:46 6227 exibições

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - O governo brasileiro suspendeu novamente a alíquota de imposto de importação às compras de milho, óleo e farelo da oleaginosa vindos de países de fora do Mercosul, disse nesta segunda-feira ao Ministério da Agricultura, na tentativa de conter os preços internos, que marcam sucessivas altas mesmo diante de possíveis recordes na produção nacional de grãos.

Segundo o comunicado, a medida que zera a Tarifa Externa Comum (TEC) entra em vigor sete dias após a publicação da resolução, sendo válida até 31 de dezembro de 2021, conforme definição do Comitê Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex).

A redução na tarifa de importação tem potencial de beneficiário dos Estados Unidos, grandes globais globais de grãos, enquanto não começa a colheita da segunda safra de milho do Brasil, a principal do país.

No caso da soja, a indústria brasileira conta com grande oferta, uma vez que as principais regiões produtoras finalizaram recentemente a colheita.

Em outubro do ano passado, a Camex já tinha autorizado a suspensão de importação de importação para o milho até 31 de março deste ano e da soja até 15 de janeiro de 2021. A queda da TEC, contudo, não foi aproveitada anteriormente pelos importadores, que se concentraram mais em produtos do Mercosul, de onde já importam sem tarifa.

O Ministério da Agricultura disse que, quando foi anunciada a primeira isenção, uma expectativa era de que as cotações externas se estabilizariam e a safra de grãos 2020/21 teria uma produção suficiente para reequilibrar a oferta e a demanda.

Além da firme demanda das indústrias de carnes, que usam milho e farelo de soja para ração, o Brasil está com uma produção crescente de etanol de milho.

"Porém, as cotações internacionais tiveram comportamento de alta, pressionando ainda mais os preços internos", afirmou a pasta.

"Além do cenário de preços não ter se confirmado, apesar da safra recorde de 109 milhões de toneladas de milho e 135,5 milhões de toneladas de soja, os preços internos seguiram em alta em virtude da forte demanda externa e da manutenção da desvalorização do real frente ao dólar ", acrescentou o ministério citando projeções da estatal Conab.

No início do mês, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) recorreu ao Ministério da Agricultura para apoio junto ao governo a seu pedido de isenção da tarifa de importação de milho e criação de mecanismos que deem mais previsibilidade ao mercado, conforme reportagem da Reuters.

O objetivo da entidade era que as medidas ajudassem a indústria de carnes, na eventualidade de algum problema com a segunda safra de milho do Brasil.

Nesta segunda-feira, uma consultoria IHS Markit reduziu em 4,6 milhões de toneladas sua projeção para a produção total de milho no Brasil, a 104 milhões de toneladas --volume já mais pessimista que a estimativa oficial da Conab--, devido a uma revisão na segunda safra.

A redução na estimativa foi feita em meio à mudança de clima desfavorável nesta semana para o milho segunda safra, com a região centro-sul permanecendo predominantemente seca.

Rabobank eleva safra de soja do Brasil a 136 mi t; reduz estimativa para milho

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de soja do Brasil deve alcançar um recorde de 136 milhões de toneladas na temporada 2020/21, disse o Rabobank nesta segunda-feira, elevando sua estimativa de frente aos 132,5 milhões de toneladas acima, após melhora nas condições climáticas.

"Atualizamos nossa projeção ... dadas as chuvas que ocorreram de dezembro a fevereiro e favoreceram as lavouras", afirmaram os analistas do banco em nota.

Em relação à produção total de milho no Brasil em 2020/21, a estimativa do Rabobank atingiu 105 milhões de toneladas, corte de 2 milhões de toneladas em relação à previsão anterior, devido ao atraso no plantio e à irregularidade das chuvas nas regiões produtoras de milho "safrinha".

IHS Markit reduz em 4,6 mi t projeção de safra de milho 20/21 no Brasil

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A produção total de milho deve alcançar 104 milhões de toneladas na temporada 2020/21 do Brasil, estimou à Reuters uma consultoria da IHS Markit nesta segunda-feira, ao apontar uma redução de 4,6 milhões de toneladas em relação à projeção anterior, de fevereiro, puxada pelos problemas climáticos que atingem uma segunda safra.

O clima seco em regiões dos principais Estados produtores deixados o mercado apreensivo e motivou uma redução nas expectativas para uma "safrinha", disse o analista Gabriel Diniz Faleiros.

Com isso, a consultoria passou a estimar a produção da segunda safra em 79,45 milhões de toneladas, ante 85 milhões vistos em fevereiro. A estimativa para a área se manteve em 15,5 milhões de hectares.

"Estão precisando de chuvas no Mato Grosso do Sul, norte e oeste do Paraná, oeste de São Paulo, sul de Goiás e Triângulo Mineiro. São pontos de atenção em relação à obrigação para as próximas semanas", citou.

Ele admitiu que, caso as chuvas não venham, é provável que a consultoria faça novas revisões para baixo nas perto.

A área total de milho também ficou estável, em 19,8 milhões de hectares, acrescentou.

Tags:
Fonte:
Reuters

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Jarel Areomar

    É só a indústria de carne que paga imposto? Produtor rural nao paga imposto? Nao entendo esse favoritismo.

    20
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Nao e' favoritismo, o governo coloca o recolhimento do imposto no lugar mais apropriado para recolher e mais facil de controlar... Quem recolhe o funrural tambem e" a industria e o comerciante pelo mesmo motivo.

      0
    • Adilson Dilmar Dudeck Cascavel - PR

      Sr. Carlo Meloni, se é no lugar mais apropriado e mais facil de controlar, porque não é definitivo? Creio mais no lobismo da JBS que controla boa parte do Congresso e do STF. </p><p>Para insumos e máquinas agrícolas nunca houve essas benesses nem na pior crise gerada por intempéries.

      2
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sr. CARLO MELONI, se permite discordar? Vou usar esse direito! ... Desde que me conheço, por gente. Assisto, a venda das nossas riquezas, embutidos os impostos &amp; taxas, com responsabilidades de recolhimento do comprador &amp; não do vendedor. ... Quando compramos, UM PARAFUSO, em qualquer lugar, todos os impostos &amp; taxas o VENDEDOR INCLUI no preço que pagamos.... Onde está a lógica??? ... NA VISÃO DO ESTADO... SOMOS UM INADIMPLENTE EM POTENCIAL ??? ... OU ... SOMOS INCAPAZES ???

      2
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      ESSA VISÃO DO ESTADO DEVE SER MUDADA EM RELAÇÃO AO PRODUTOR RURAL !!! .... SOMOS PRODUTORES DE RIQUEZAS &amp; IMPOSTOS !!!

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      SOMOS CAPAZES DE PRODUZIR RIQUEZAS PARA O PAÍS ... &amp; ... SOMOS RESPONSÁVEIS PARA RECOLHER OS IMPOSTOS DA RIQUEZA PRODUZIDA ... NÃO PRECISAMOS TRANSFERIR ESSA RESPONSABILIDADE !!!!

      2
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      PENSO, ESSA É UMA DAS METAS A SER ALCANÇADA !!! Pois, quando as grandes empresas quebrarem, não vão levar &quot;MAIS&quot; essa riqueza do setor as calendas do judiciário... Há quanto tempo estamos assistindo esse &quot;filme&quot;? ... Sou um exemplo vivo dessa &quot;armadilha&quot; !!!

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Se você consultar... https://www.jusbrasil.com.br/processos/nome/44324377/paulo-roberto-rensi ... Vai ver 13 processos envolvendo meu nome ... Q

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      QUERO DEIXAR CLARO QUE NÃO SOU NENHUM &quot;PSICOPATA&quot; !!! Sou um idiota que tentei enfrentar o &quot;establishment&quot; ... &amp; ... como um BOM MATUTO ... ME DEI MAL !!!! KKKKK.... Em quase tudo, pois tenho um bom advogado e tenho alguns REAIS NA COLUNA DO CRÉDITO ... MAS, ainda tem o &quot;establishment&quot;!!!!

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      ATUALIZANDO... NÃO ME IMPORTO, MEU NETO É JOVEM !!!! ... CANALHAS !!!

      1
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Sr Paulo estou dizendo exatamente a mesma coisa do senhor ... quem paga e' O COMPRADOR quem vende' e' o pecuarista... O meu raciocino diz que um frigorifico compra bois de milhares de pecuarista e que portanto para a receita e' mais facil fiscalizar o frigorifico do que milhares de pecuaristas perdidos em estrada de terra.

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      NÃO !!! Sr. MELONI !!! ... ME DESCULPE!!! Mas de acordo com o &quot;olhar&quot; do fisco o produtor rural não merece confiança ...

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      VEJA BEM ... É UMA QUESTÃO FILOSÓFICA... SOMOS OU NÃO UMA CLASSE QUE MERECE SER DIGNA DE CONFIANÇA ???

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      QUANDO O FRIGORIFICO QUEBRA... QUE É UMA COISA NORMAL NO BRASIL... QUANTO DE IMPOSTOS NÃO RECOLHIDOS ESTÁ NA SUA CARTEIRA DE DÉBITOS? ... É SÓ &quot;ENXERGAR&quot; !!!

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      QUANDO FALO &quot;EMPRESA&quot; ... Ali está escondido todas as &quot;MÁS&quot; intenções possíveis. ... Isso é impossível ocorrer num circulo familiar de um produtor rural... Então o &quot;ESTADO&quot;, com certeza, vai ter muito menos prejuízo numa recuperação judicial de um CPF do que de um CNPJ... A &quot;PROFISSIONALIDADE&quot; é anos luz DIFERENTE!!!

      1
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Quando vendo a soja, eu emito uma nota de FUNRURAL, mas quem recolhe e se encarrega de pagar para a receita federal é a SECADORA DE GRAOS... nao sou eu, produtor, que faz as operaçoes contabeis--

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      TÁ ... MAS ELA DESCONTOU DE VOCÊ !!! E, SE ELA NÃO RECOLHER DE QUEM É O PREJUÍZO ??? É DO ESTADO, CERTO? ... MAS, SE VOCÊ FOSSE O RESPONSÁVEL ?/?

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Com certeza, o prejuízo do Estado seria menor, pois os fornecedores dessa empresa não iam &quot;quebrar&quot; todos ao mesmo tempo.

      1
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Sr Paulo ja' tive uma contadora que se suicidou porque recebia os impostos dos clientes e nao pagava para a receita... Essa e' uma discussão sem fim, como aquela do ovo e da galinha que ninguem sabe quem veio primeiro--

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sr. CARLO, eu o admiro... Mas, às vezes, fico incomodado. .... Veja o caso da JBS, que recebeu empréstimo da CEF e, em seguida apresentou um balanço negativo. Qual foi a saída?... A CEF ficou sócia da empresa!!! ... &amp;... &quot;mascarou&quot; o prejuízo!!! Estamos assistindo isso há muito tempo... e está na hora de darmos um BASTA a essa maneira de DIMINUIR O BRASIL !!!

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      SOMOS UMA SOCIEDADE MADURA &amp; QUEREMOS UM BRASIL LIVRE DE FALCATRUAS !!!

      2
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sr. CARLO, não tenho a mínima intenção em influir no caso do suicídio. Mas, tenho a certeza que o &quot;prejuízo&quot; que ela causou ao fisco é ínfimo ao qualquer &quot;pobrema&quot; de uma empresa que o Sr. está se referindo.

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Sr. CARLO, assisti e infelizmente fui levado a algumas das quebras de cerealistas e cooperativas agrícolas do Brasil nos últimos anos. Felizmente, apesar dos prejuízos, consegui me manter em pé .

      1
    • carlo meloni sao paulo - SP

      CONCORDO, mas nas conversas acima nao consideramos aqueles casos que o pecuarista vende para depois receber a 30 e a 60 dias----Se o frigorifico quebra o prejuizo do pecuarista e' muito maior do que o imposto nao recolhido-----Enfim tem muitas coisas que precisariam ser melhores, mas o comentario do sr Jarel reclamando que agricultor nao paga imposto e' uma balela porque quem paga funrural e icms e' ele o sr AGRICULTOR.

      0
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      Agora, de foro intimo... Sou um velho matuto, que aprendi com meu pai que a honestidade é a maior das virtudes de um ser humano e, desde sempre, pautei minhas atitudes nesse foco.... Então... Hoje sou um credor na área jurídica, que passa da casa do MILHÃO DE REAIS....Mas aguardo a 'justicia&quot; ... Então, não tenho pressa... pois, minha &quot;hombridade&quot; já se foi perdida no decorrer do processo... Agora... Essa &quot;merreca&quot; que os &quot;doutores&quot; do direito dizem que eu tenho o direito não significam nada para um velho matuto que sempre andou direito... ENTENDE? ... COMO O DIREITO É DIFERENTE PARA CONCEITOS DIFERENTES ???

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      DESCULPE-ME.... Mas, é um desabafo... Espero, que não seja o último... E, que não seja o SENHOR o &quot;ouvinte&quot; ...

      1
    • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

      O ridículo é vivenciar um &quot;Estado de Direito&quot; nessa era do ridículo ... Quando vamos rever o conceito CERTO ... ENTRE O &quot;CERTO &amp; ERRADO&quot; .... &amp; não me venha que dizer que a lei tal, é tal qual a lei não sei qual, não pode ser igual ... &amp; ... que não posso ter uma interpretação tal qual a jurisprudência anterior, ou posterior ao entendimento dessa egrégia corte Suprema... É assim, que se exprime, né?

      1
    • Jarel Areomar

      Apenas para deixar claro. Obviamente o produtor paga imposto, e muito! Meu comentário foi no sentido de reclamar do favoritismo do governo em relação à indústria, como no caso da matéria. Ambos pagam imposto, porem esse tipo de medida, a meu ver, demonstra um favoritismo do governo, como se apenas um pagasse. Foi isso que quis dizer, me expressei mal.

      0