“La Niña” pode afetar o cultivo de soja em grande parte de América do Sul

Publicado em 22/09/2010 17:27
1052 exibições
Os setores afetados pelo fenômeno climático seriam a zona núcleo agrícola argentina, Mesopotâmia, Paraguai e os estados do sul do Brasil. Assim alertou Anthony Deane (Weather Wise).

O fenômeno denominado La Niña não gerou, até o momento, nenhum impacto climático nas regiões produtivas argentinas. Mas o mesmo não pode ser descartado no momento de desenhar a estratégia produtiva de grãos do ciclo 2010/2011.

Neste cenário, o titular da consultora Weather Wise Argentina, Anthony Deane, advertiu nesta quarta-feira (22) ao Infocampo.com.ar que os efeitos de La Niña afetarão seriamente as produções de soja de segunda na maior parte do setor da América do Sul.

O fenômeno (associado a chuvas inferiores às habituais) incluirá vários setores da zona núcleo agrícola argentina, Mesopotâmia, Paraguai e os estados do sul do Brasil até São Paulo, alertou Deane.

Se o cultivo de soja de segunda se salvar de um golpe de calor em dezembro, muito provavelmente uma geada o afete em meados de abril quer dizer, de uma ou outra forma tem grandes possibilidades de fracassar (a semeadura de soja de segunda), disse Deane.

Nesse sentido, o titular da Weather Wise recomendou, na medida do possível, evitar semear soja de segunda no setor leste da região pampeana e do litoral. Quem fizer seguramente perderá dinheiro porque esta é uma campanha na qual se favorecerá quem semear precocemente, disse Deane.

No entanto, outro cultivo que correrá riscos é o milho. Neste caos tem uma questão muito delicada pela possível presença de geadas tardias, já que é muito provável que sejam registradas rajadas de ar frio na primeira quinzena de novembro, projetou Deane.

Por outro lado, durante a presente campanha 2010/2011, sobre os setores de NOA e sul da Bolívia seriam registrados os efeitos contrários: um regime de chuvas superior ao habitual.

Deane explicou que os principais centros climáticos internacionais indicam que o evento Niña nesta campanha 2010/2011 é moderado, e este conceito não deve ser extrapolado de maneira direta no âmbito dos impactos agronômicos promovido por esse efeito climático.

O que deve se levado em conta é que o fenômeno vai ser incrementado de acordo com o passar das semanas, então não tem possibilidade de que a semeadura de soja de segunda não fracasse, completou o titular da Weather Wise Argentina.

A possibilidade de um fracasso na colheita de soja sul-americana no ciclo 2010/2011 é um dos fatores que nas últimas jornadas impulsionaram os preços da oleaginosa no mercado de Chicago (CME Group).
Tags:
Fonte: E-campo.com

1 comentário

  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Chuvas? Nos ultimos 15 dias em toda região do cerrado estamos vendo o florescimento da "cagaita" - Diz o dito popular que a sua fruta não cai no pó... Explico, após maduro este fruto despenca e leva em média de 35 a 45 dias para se formar [maduro]. Portanto está aí a dica, deve chover neste período. Nome Popular: Cagaita. Nome Científico: Eugenia dysenterica DC. Família Botânica: Myrtaceae Origem: Brasil – Cerrado. Características da Planta: Árvore de porte médio que pode atingir de 3 a 4 m de altura, com ramos tortuosos. Folhas verdes, brilhantes e quando jovens verde-claras, chegando a ser ligeiramente translúcidas. Flores brancas e aromáticas. Fruto: Globoso e achatado, de coloração amarelo-pálida, com 1 a 3 sementes brancas envoltas em polpa de coloração creme, de sabor acidulado. Cultivo: Ocorre de maneira silvestre em regiões de cerrado.

    0