Soja: Estados Unidos devem ficar com fatia maior do mercado

Publicado em 21/12/2010 07:47
Com melhores condições logísticas do que o Brasil, os Estados Unidos tendem a assumir maior fatia do mercado suprido pela Argentina em uma eventual quebra de safra. Para o ciclo 2010/11, a meta dos norte-americanos é exportar 43,3 milhões de toneladas de soja, volume 6% maior do que os 40,8 milhões embarcados na temporada anterior, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Além disso, os estoques finais dos norte-americanos, que já estão em um patamar considerado muito abaixo do normal, podem ficar ainda mais apertados do que o previsto.

O ritmo acelerado das exportações de soja neste ano já sinaliza que os Estados Unidos podem ficar com a maior parte das vendas externas da Argentina, avalia Jack Scoville, analista da Price Futures Group, de Chicago (Centro-Oeste dos EUA). Para ele, a China já comprou mais soja do que o normal por duas razões. Primeiro, devido ao atraso no plantio do Brasil. E, segundo, porque o país asiático ainda tem receios sobre a logística brasileira, especialmente na primeira fase da colheita.

Por outro lado, se a quebra da Argentina se confirmar, o analista acredita que os produtores brasileiros poderão aproveitar para negociar a melhores preços do que os americanos. “O Brasil vendeu somente o suficiente para cobrir os custos e ainda tem muito produto a ser comercializado, diferente dos EUA, onde o porcentual vendido é maior”, lembra.

O relatório de exportações de soja do Departamento de Agri­cultura norte-americano mostra que o país já comprometeu 18 milhões de toneladas da safra 2010/11 para o mercado internacional. Somente a China comprou 12,6 milhões de toneladas, cerca de 70% do total. Ano passado, o país asiático registrava participação de 66% nas vendas norte-americanas de soja.

Tags:
Fonte:
Gazeta do Povo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário