Açúcar recua nas bolsas de NY e Londres nesta 6ª feira, mas segue em 18 cents/lb

Publicado em 24/06/2022 14:45 e atualizado em 24/06/2022 17:13
Mercado do adoçante segue pressionado pelo avanço da safra brasileira, além do financeiro; perda semanal de 2,50%

Logotipo Notícias Agrícolas

Os contratos futuros do açúcar caíram nas bolsas de Nova York e Londres nesta sessão de sexta-feira (24), estendendo as perdas semanais, mas ainda se mantiveram em cerca de 18 cents/lb. O mercado sente pressão do avanço da safra brasileira, além do financeiro.

O vencimento mais negociado do açúcar bruto na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) caiu 0,27% no dia, cotado a 18,31 cents/lb, com máxima de 18,37 cents/lb e mínima de 18,15 cents/lb. Em Londres, o primeiro contrato recuou 1,34%, a US$ 543,60 a tonelada.

Na semana, o principal vencimento do adoçante em NY perdeu 2,50%.

O mercado do açúcar voltou a cair na sessão desta sexta-feira acompanhando o avanço da safra brasileira 2022/23 do Centro-Sul. Além disso, também há pressão no financeiro, principalmente do câmbio nesta sessão, já que o mercado do petróleo avança forte no exterior.

O mix das usinas do Centro-Sul considera esses dois indicadores, já que há decisão entre a opção do açúcar ou do etanol.

"O mal-estar macro mais amplo está infectando o açúcar", disse para agência de notícias Reuters nesta sexta-feira o analista Tobin Gorey, do Commonwealth Bank of Australia. Além disso, também há alguma influência de movimentação técnica por conta da expiração de contratos.

Apesar de avanço da safra do Brasil nas últimas semanas, também há atenção dos operadores para a sanção do presidente Jair Bolsonaro nos combustíveis, o que pode ter impacto sobre a demanda por etanol. Além disso, há muita atenção com a qualidade da colheita até o momento.

Ainda como fator de suporte, a Índia anunciou que irá impor um teto às exportações de açúcar na próxima temporada.

MERCADO INTERNO

A safra brasileira 2022/23 de cana-de-açúcar avança no Centro-Sul do Brasil e contribui para recuo dos preços internos, apesar de altas pontuais. No último dia de negociação, o Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar, cor Icumsa de 130 a 180, mercado paulista, subiu 0,46%, negociado a R$ 126,75 a saca de 50 kg.

"As quedas de preços são atribuídas ao fato de algumas usinas terem reduzido os preços, principalmente do produto Icumsa 180, porque sua oferta é maior no mercado spot. Já a oferta de Icumsa 150 é mais limitada e os preços são firmes. Com relação às compras, a inflação e os juros altos vêm desestimulando o setor", destacou o Cepea em nota.

Já nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, o açúcar ficou cotado a R$ 152,19 a saca - estável, segundo dados levantados pela consultoria Datagro. O açúcar VHP, em Santos (SP), tinha no último dia de apuração o preço FOB a US$ 19,31 c/lb e queda de 0,38%.

» Clique e veja as cotações completas de sucroenergético

Por:
Jhonatas Simião
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário