Brasil pode economizar US$ 100 milhões na produção de cana-de-açúcar

Publicado em 15/03/2010 17:52 665 exibições

O Brasil pode economizar e ainda obter vantagens ambientais com a utilização de novas tecnologias na produção de cana-de-açúcar.

Essa é a expectativa com o resultado das novas pesquisas voltadas para o uso e utilização de bactérias em plantas capazes de captar o nitrogênio do ar.

Além de minimizar o impacto para o aquecimento global, o processo reduz a necessidade de adubo químico, apontado em estudos como importante poluente e insumo de custo elevado.

Pesquisas lideradas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) avançaram nas informações sobre as características (mapeamento do genoma) da bactéria Gluconacetobacter diazotrophicus e na sua relação com a cana-de-açúcar. “Identificamos todas as vias metabólicas dessa bactéria.

Agora será possível entender de que maneira ela interage com a planta e o que é transferido para o vegetal”, conta Paulo Ferreira, professor do Instituto de Bioquímica Médica (IBqM) e coordenador do projeto.

A G. diazotrophicus foi descrita pela primeira vez nos anos 80. Ela foi encontrada na cana-de-açúcar por Joana Dobëreiner, pesquisadora de agrobiologia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

A ênfase do trabalho da cientista foi procurar e selecionar bactérias capazes de transferir o nitrogênio do ar para o vegetal. A partir da sua constatação, vários grupos de pesquisa passaram a estudar a relação entre a bactéria e a planta. 

Vantagem ambiental
O nitrogênio é o principal adubo usado na agricultura e esse uso envolve custos elevados, pois há dificuldades para extraí-lo da atmosfera.

A amônia é a base para a elaboração de fertilizantes nitrogenados, já que tem o elemento na composição química. “A bactéria dentro da planta elimina o intermediário do solo.

Ela transfere para o vegetal o nitrogênio fixado. E a planta, isso não se conhece tão bem, provavelmente, transfere uma forma de energia para a bactéria, ou seja, uma troca” avalia o professor da UFRJ.  

Ferreira descreve as vantagens ambientais com a metodologia. De acordo com ele, o nitrato presente no adubo é transformado em uréia, que é tóxica. A substituição pela ação dos microorganismos pode evitar agressões ao meio ambiente. “Quando o adubo é colocado no solo, apenas uma pequena parte é aproveitada pela planta.

O restante é levado pela chuva e pode afetar toda a cadeia marinha, desde as algas aos peixes”, argumenta. 

Outras bactérias ainda podem transformar os fertilizantes nitrogenados em gases que contribuem para o aquecimento global. As avaliações demonstraram também que a bactéria G. diazotrophicus tem capacidade sanitária. “Ela cresce dentro da planta e combate outras bactérias patogênicas”, esclarece.

Ferreira também é bolsista em produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCT).

Ele diz que a finalidade de mapear o genoma da bactéria é possibilitar o conhecimento, mas o objetivo final é a aplicação na produção agrícola. Isso já é possível de ser feito com resultados positivos confirmados em testes da Embrapa.

A expectativa agora é de avançar nas pesquisas. “O atual estágio em que estamos é para entender o relacionamento com a planta, mas no futuro será possível modificar essa bactéria e ser mais eficiente no combate a outros micróbios, na fixação do nitrogênio e no crescimento”, prevê o pesquisador.  

Ele lembra que no Brasil, toda a soja é plantada sem adição de adubo de nitrogênio no solo. A implantação foi feita por meio de uma bactéria diferente a partir de pesquisas também desenvolvidas na Embrapa Agriobiologia e aperfeiçoadas na Embrapa Soja no Paraná. No caso da cana, as avaliações indicaram que a metodologia tem potencial de fornecer até 70% do adubo nitrogenado que a planta precisa.

Ferreira destaca ainda as vantagens econômicas e competitivas da medida para o Brasil. "Só a economia com cana-de-açúcar está na faixa de US$ 100 milhões por ano. O objetivo é chegar a um momento em que se possa pegar a cana e outras plantas próximas, como milho ou arroz, e se substituir o máximo de adubo químico nitrogenado pelo cultivo com essas bactérias", afirma.

Integração científica
O artigo de publicação da pesquisa, lançado no primeiro semestre de 2009, ganhou notoriedade na conceituada revista científica inglesa BMC Genomics. O trabalho foi realizado por meio de uma grande integração científica; com envolvimento de mais de 50 autores, sete instituições de pesquisa, técnicos e estudantes secundários.

A pesquisa é financiada pelo CNPq. A agência investiu R$ 1,4 milhão por meio do Projeto Genoma. Os estudos contaram ainda com recursos, na ordem de R$ 4 milhões, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).


Fonte:
Fatima News

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Climaco Cézar de Souza Taguatinga - DF

    Desculpem-me, mas acho que as pesquisas brasileiras da cana estão no caminho errado. Tais spiriluns podem reduzir o custo da cana, mas quase nada ampliam na produtividid. (média de apenas 95 t/ha em SP ante até 250 t/ha em sistemas fertirrigados e mais stress hidrico)e no rend. industr. Recente, na India (vide meus artigos neste site), constatei que nossa pesquisa tem que se voltar muito mais para extração e rendimento ATR do que para produções de cana. Na conferencia, vi experimentos finais de produçao de até mais 70% de etanol a partir de bagaço da cana hidrolisado por bacterias GMO (comedoras de sangue)e mais micro algas e, além disso, mais produções reais de até mais 30% de etanol em biorefinarias em que se captura o altissimo nivel de CO2 gerado p/fermentação a expelir e mais bacteris também GMO (outros tipos) e mais microalgas. Assim, da extração de 75 litros/t na moenda e de 85 litros no difusor, poderiamos até triplicar e com custo proximo a zero, para ambos.VIVA A TECNOLOGIA.

    0