Aumentar o consumo é o principal desafio para os moinhos de trigo de São Paulo em 2019

Publicado em 04/04/2019 16:24
129 exibições
Alta do câmbio e aumento da matéria-prima pressionaram o setor, que não repassou os custos para o mercado

A moagem de trigo no estado de São Paulo em 2018 não apresentou grande crescimento em relação ao volume produzido no ano anterior, segundo números divulgados pela Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo). O levantamento mostrou que o setor fechou o ano passado com o volume estimado de 1,65 mi toneladas, pouco acima de 2017 quando a moagem total foi de 1,62 mi toneladas.

“Não constatamos uma evolução no volume da moagem de trigo no estado. O ano foi marcado por uma elevação significativa da matéria-prima, muita dependência do trigo importado, estoques altos, além da greve dos caminhoneiros. Neste cenário, os moinhos não conseguiram repassar toda a necessidade de aumento de custo”, afirma o presidente do Sindicato da Indústria do Trigo no Estado de São Paulo (Sindustrigo), Christian Saigh.

Segundo ele, os resultados financeiros do ano passado foram catastróficos e refletiram o momento da economia nacional, onde o aumento do desemprego influenciou diretamente o consumo. “O movimento nas padarias, por exemplo sofreu uma queda muito forte, que não pode ser compensanda”, destaca ele.

“Nós do Sindustrigo temos trabalhado arduamente nos últimos anos em busca de melhorar o cenário produtivo e fiscal do setor moageiro de São Paulo, por meio de ações que envolvem toda a cadeia produtiva, como a Câmara Setorial, e também movimentações junto ao governo estadual buscando a equalização de alíquota de ICMS. Essas iniciativas auxiliam no desenvolvimento do setor e também na melhora do produto que é fornecido ao mercado”, ressalta o presidente.

Ao longo dos últimos anos a Câmara Setorial promoveu uma união da cadeia produtiva, visando a homogeneidade do grão produzido no estado, fator que auxiliou na melhora na rentabilidade e na qualidade do trigo entregue aos moinhos. “São Paulo é o maior mercado consumidor do Brasil e nossa indústria é dependente do trigo importado, pois não temos um volume produtivo que atenda a demanda dos moinhos. Esse é o nosso foco de trabalho, garantir um aumento da produção com a qualidade exigida pelo mercado”, enfatiza Saigh.

Primeiro trimestre

O primeiro trimestre de 2019 não foi muito positivo para o setor de moagem de São Paulo, principalmente pela contínua retração do mercado em relação ao consumo. O volume baixo de comercialização, impactado pela alta do preço do trigo e do câmbio, gerou aumento de custos aos moinhos que não foram repassados em sua totalidade ao preço de venda.

“O mercado não absorve mais preços acima dos que estão sendo praticados e esse cenário para a indústria é muito ruim, pois a margem está muito comprimida, em alguns momentos até negativa”, destaca Saigh.

Segundo ele, os meses de janeiro e fevereiro, devido às férias e o carnaval foram ainda piores, mas o mês de março apresentou uma leve melhora “Março foi um pouco melhor em termos de preço. Conseguimos reajustar nossos produtos em 5%, aquém da necessidade e com volume ainda reduzido. Além disso, registramos uma leve melhora nas padarias, com a volta do movimento, o que representa que o consumidor voltou a comprar”, analisa ele.

“Acredito que o nosso maior desafio neste ano será conseguir vender os produtos a preços que justifiquem a reposição dos estoques. Com a melhora da economia e uma possível redução nos números de desempregados no país, temos uma tendência de aumento de consumo, o que gera um cenário mais positivo para as indústrias moageiras”, finaliza o presidente do Sindustrigo.

Por: Sindicato da Indústria do Trigo no Estado de São Paulo

Nenhum comentário