Safra 2019/20: USDA traz plantio do milho em 2% nos EUA, dentro do esperado

Publicado em 08/04/2019 17:21
1997 exibições

LOGO nalogo

Nesta segunda-feira (8), o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) trouxe seu primeiro boletim de acompanhamento de safras com o andamento dos trabalhos de campo da safra 2019/20. 

De acordo com o reporte, há 2% da área de milho já plantada nos EUA, número que fica em linha com as expectativas do mercado - de 1% a 2% - com o mesmo período do ano passado e da média dos últimos cinco anos, que registravam o mesmo índice. 

Nem todos os estados estão com seu plantio iniciado ou um percentual que possa ser contabilizado, em partes em função das adversidades climáticas e em partes porque o período de início é, de fato, diferente de região para região. Neste momento, o estado mais adiantado é o Texas, com 53% da semeadura concluída. Em 2018, o índice era de 58% e a média é de 51%. 

O Kansas, Kentucky, Missouri e a Carolina do Norte também já deram início ao plantio e já tem 2% da área semeada. 

O USDA informou também que o plantio do algodão foi concluído em 6% da área, contra 7% de 2018 e 5% de média. Já o trigo de primavera está com a área apenas 1% semeada, contra 2% do ano anterior e bem aquém dos 5% de média plurianual para esta época do ano. 

O início dos trabalhos de campo nos EUA tem enfrentado algumas dificuldades dadas as condições climáticas adversas e as inundações que acometeram diversos estados do Corn Belt nas últimas semanas. Há muitos campos ainda alagados ou sofrendo pela satuação da umidade que não poderão ser semeados, segundo especialistas internacionais. 

E as previsões para os próximos dias continuam mostrando muitas chuvas, temperaturas abaixo da média para esta época do ano, e até mesmo a incidência de neve durante este início de primavera nos EUA. 

Veja mais:

>> EUA terão chuva em excesso e frio intenso nos próximos 15 dias

No entanto, é importante lembrar que - mesmo que não na mesma intensidade - o começo da temporada 2018/19 também foi marcado por muitas chuvas, porém, foi compensado pelo forte ritmo de recuperação do produtor americano. O quadro é diferente este ano, de fato, e por isso irá exigir monitoramento diário, principalmente sobre as decisões do produtor americano sobre sua área plantada. 

Tags:
Por: Carla Mendes
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário