USDA surpreeende e aumenta produção e produtividade do milho dos EUA; Chicago despenca

Publicado em 12/08/2019 13:19 e atualizado em 12/08/2019 16:32
14234 exibições

LOGO nalogo

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) surpreendeu com os números do milho e as cotações despencam mais de 6% na Bolsa de Chicago nesta segunda-feira (12). 

O boletim mensal de oferta e demanda de agosto trouxe um aumento na produção norte-americana do cereal para 353,1 milhões de toneladas, enquanto o mercado esperava uma redução expressiva para 335,12 milhões de toneladas. 

A produtividade foi revisada para cima e ficou em 177,31 sacas por hectare, contra a expectativa média de 172,49 sacas. 

A área plantada veio em 36,42 milhões de acres e a colhida em 33,18 milhões. A média esperada pelos traders era de 35,61 milhões. 

Milho USDA Agosto

SOJA

Para a soja, os números foram reduzidos. A produção norte-americana caiu de 104,64 para 100,15 milhões de toneladas, enquanto a produtividade foi mantida em 54,35 por hectare. 

As áreas plantada e colhida foram também reduzidas e ficaram em, respectivamente, 31,04 e 30,72 milhões de hectares. Há um mês, o boletim mostrava 32,38 e 32,09 milhões.  

Soja USDA Agosto

Dreyfus vê repetição de exportação atípica de soja do Brasil na 2ª metade do ano

SÃO PAULO (Reuters) - A trading global de commodities Louis Dreyfus Company está preparada para uma repetição de um atípico forte fluxo de exportação de soja do Brasil na segunda metade do ano, desta vez com a Argentina também aproveitando a oportunidade, em meio à continuação da disputa comercial entre os Estados Unidos e a China, disse à Reuters o principal executivo da empresa no país.

Dreyfus, que forma com ADM, Bunge e Cargill o grupo ABCD das maiores tradings globais de commodities, foi aquela que mais se beneficiou do fluxo anormal no ano passado quando chineses deixaram de comprar a soja norte-americana e focaram em peso no produto brasileiro.

Normalmente, o Brasil exporta mais soja na primeira metade do ano, com os Estados Unidos dominando os negócios na segunda metade, devido aos períodos distintos das colheitas nos dois hemisférios.

"Caso a guerra comercial continue, deve acontecer uma coisa parecida este ano. A soja dos EUA ficará menos competitiva, então o Brasil deverá sim exportar volume maior, provavelmente mais do que a gente esperava e projetava", disse à Reuters Murilo Parada, presidente-executivo da Dreyfus no Brasil.

Para ele, a Argentina, que no ano passado não pôde se aproveitar da oportunidade da guerra comercial porque uma seca afetou severamente sua produção, neste ano deverá se beneficiar igualmente.

Segundo uma compilação de dados de movimentação nos portos feita pela Reuters, a Dreyfus foi a que mais elevou os volumes de exportação de soja no Brasil no ano passado, com ganhos de 28 por cento.

Parada disse que o cenário continua imprevisível, principalmente porque a guerra comercial EUA-China adquiriu um viés não somente técnico. "No fundo, a guerra comercial é uma questão política. O que está por trás é componente político muito grande, por isso é difícil saber o que vai acontecer."

Mas ele afirmou que a empresa está preparada para reagir rapidamente, ajustando os fluxos de embarques, principalmente após os grandes investimentos feitos no Brasil nos últimos anos que elevaram a capacidade da empresa de operar no chamado Arco Norte, onde estão novas rotas de exportação de grãos.

A empresa investiu quase 1 bilhão de reais em armazenagem e logística no Norte do Brasil. Ela agora opera 64 barcaças e possui uma estação de transbordo no Rio Tapajós. Também tem expandido a capacidade no porto de Itaqui, no Maranhão, em uma joint venture com as tradings Amaggi e ZEN-NOH.

 

DEMANDA CRESCENTE

Parada, um engenheiro agrônomo formado na Esalq/USP que assumiu as operações brasileiras da Dreyfus em 2017 após um período de trabalho pela empresa na China, diz que independentemente da questão comercial a Dreyfus vê um cenário positivo para o Brasil no longo prazo.

A empresa já concentra no Brasil um terço de seus ativos globais.

"Quando a gente olha pro futuro, acreditamos que a demanda por alimentos vai continuar crescendo no mundo. O grosso desse crescimento não vai ser no Brasil, vai ser na Ásia, mas pra atender essa demanda crescente, essa produção será fundamentalmente brasileira, então o país é 'core' pra a empresa", afirma.

"Essa é uma visão que a empresa já tinha há algumas décadas, ela foi muito verdade nos últimos 10 anos, e é verdade quando a gente olha o plano da empresa para o futuro", acrescentou.

Questionado sobre algumas críticas de grupos ambientalistas sobre o potencial de maior produção agrícola no Brasil causar aumento do desmatamento, o executivo afirmou que existem áreas agricultáveis suficientes no país para elevar a produção sem que seja necessário avançar sobre florestas.

"Seria possível quase triplicar a área de agricultura sem tocar em florestas", afirmou, referindo-se à possibilidade de conversão de áreas de pastagens degradadas em áreas agricultáveis.

Parada diz que a trading mantém um código de conduta rígido com seus agricultores parceiros, exigindo que respeitem integralmente a legislação local tanto na questão ambiental como social.

Tags:
Por: Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja
Fonte: Notícias Agrícolas/Reuters

0 comentário