Produtores entram na "guerra midiática" contra as invasões de terras no sul do Pará

Publicado em 30/11/2016 12:48 e atualizado em 01/12/2016 17:25
2094 exibições
Guerra eletrônica contra as invasões de terras no sul do Pará
Confira a entrevista de Marcelo Freitas - Produtor Rural

Na região de Eldorado dos Carajás (PA), o produtor Marcelo Freitas enfrenta uma situação complicada, que representa a violência que se emprega no sul do estado a respeito da disputa de terras. Freitas teve sua fazenda invadida no último dia 28 de outubro, na qual ocorreu queima da sede e de veículos e morte dos animais, fruto de uma ação de guerrilha.

Ontem, os invasores retornaram a fazenda e atiraram à distância contra os pedreiros que estão invadindo a sede. A fazenda, segundo o proprietário, tem como atividade principal a pecuária e já estava com a área preparada com o milheto para iniciar o primeiro plantio de soja do município.

Consternados com a situação, Marcelo e outros produtores resolveram iniciar uma ação midiática, com um vídeo em formato de comercial, com 30 segundos, para distribuir a todas as redes eletrônicas do Brasil, relatando a situação ocorrida no estado e procurando iniciar uma "guerra ideológica". O produtor aponta que os produtores "não querem guerra, querem a paz".

Invasão

O produtor descreve os invasores como "guerrilheiros" e "tudo, menos produtores rurais sem-terra". "O produtor rural trabalha e não tem tempo de fazer o que eles estão fazendo. Eles atacam, roubam e estão prejudicando a produção do estado", diz.

Marcelo conta que os animais roubados estão sendo abatidos ilegalmente e suas carnes estão sendo vendidas para os açougues sem inspeção sanitária e sem controle, trazendo problemas também para o setor produtivo do Pará, que se vê pronto para ser certificado como livre de Febre Aftosa.

No período entre 8 de agosto, quando a fazenda foi invadida pacificamente e o produtor entrou com uma liminar de reintegração de posse e 28 de outubro, quando a sede foi invadida com armamentos, o gado de Marcelo vinha sendo roubado.

Ele descreve que na última invasão, foram sequestrados funcionários e pessoas, entre elas deficientes e crianças de colo, foram humilhadas e ameaçadas com revólveres na cabeça. Houve também a explosão feita com bananas de dinamite, que foram recolhidas pelo exército na propriedade.

Chegou, também, a informação de que um funcionário do exército estaria envolvido com os guerrilheiros - o que justificaria a presença de armas que não são permitidas aos cidadãos. O produtor comunicou o Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, que respondeu que iria averiguar a situação. Ele entrou também em contato com o Exército em Brasília, mas não obteve resposta.

Situação atual

Ele relata que o clima na região de Eldorado dos Carajás continua "muito tenso", com grupos de invasões continuando a agir em outras fazendas depois do dia 28 de outubro. A situação segue amedrontando os produtores, que são recebidos com telefonemas de números desconhecidos que fazem ameaças a respeito da posse das fazendas.

A fazenda de Marcelo, assim como várias outras, foram adquiridas diretamente do governo estadual. "É um título do estado, 100% documentado, que cumpre o estatuto social", conta.

Invasão de terras no sul do Paraná

Invasão de terras no sul do Paraná

Invasão de terras no sul do Paraná

Invasão de terras no sul do Paraná

Invasão de terras no sul do Paraná

Invasão de terras no sul do Paraná

Invasão de terras no sul do Paraná

Por: João Batista Olivi e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário