Controle de nematoides exige atenção. Sintomas podem ser confundidos e sem manejo adequado, prejuízos são crescentes

Publicado em 18/01/2017 13:31
1305 exibições
Entre as ações de controle, medidas integradas como rotação de culturas, manejo biológico e controle químico são fundamentais para garantir eficiência dos resultados
Confira a entrevista de João Giraldi - Gerente de Produtos Adama

Os nematoides, que fazem parte das principais pragas da agricultura brasileira, podem ter seus sintomas bastante confundidos. Eles atuam não somente nas grandes culturas, mas também nas culturas do dia-a-dia, como batata, cenoura, cebola e até mesmo na cultura de algumas frutas como a goiaba, a acerola e a laranja. A dificuldade na identificação dos sintomas pode dar-se por eles danificarem o sistema radicular das plantas e atrapalharem a absorção de nutrientes e abrirem a porta para a entrada de alguns fungos.

Com isso, os agricultores podem pensar que deficiência hídrica, falta de nutrientes, entre outros fatores, são problemas ligados diretamente aos sintomas dos nematoides. João Giraldi, gerente de produtos da Adama, lembra que o manejo do nematoide sempre passa pelo manejo integrado. Algumas ferramentas utilizadas também vão ajudar no sintoma secundário. Por isso, é importante que os produtores mapeiem o problema, procurem por um especialista para identificar a presença dos nematoides na área e qual é a espécie de nematoide que está presente na área para saber qual é o melhor manejo a ser adotado.

As espécies de nematoides são muitas. No Brasil, 6 gêneros são os mais relevantes, mas a quantidade é bastante numerosa. "Identificar quais são as culturas que cada espécie ataca é fundamental para saber qual nematoide está na área", aponta Giraldi.

A falta de identificação do nematoide por parte do produtor pode ocasionar em grandes perdas para a lavoura. Um estudo da Sociedade Brasileira de Nematologia identificou que cerca de metade da produtividade pode ser perdida com a presença da doença na lavoura.

Os nematoides não podem ser completamente exterminados, mas dá para controlar. Vários tipos de ações podem ser feitas para realizar o manejo integrado - o ideal é que o produtor trabalhe com mais de uma opção de manejo. O gerente aponta a rotação de culturas, o condicionamento do solo e os manejos biológicos com fungos e bactérias como algumas dessas técnicas que podem ser utilizadas pelos produtores.

Além disso, a ferramenta química também pode ser uma opção, com produtos que já existem no mercado e também com produtos que estarão vindo nos próximos anos como novas ferramentas. A Adama, inclusive, prepara um produto que o produtor poderá aplicar no pré-plantio, em faixa ou em suco, que ainda está em fase de registro, mas todos os testes e ensaios já foram realizados e, em breve, deverá ser disponibilizado para os agricultores.

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário