Justiça proíbe uso do glifosato a pouco mais de um mês do início da safra

Publicado em 06/08/2018 13:59
66264 exibições
Sem o glifosato é impossível fazer plantio da próxima safra; 90% da soja utiliza o produto

Podcast

Bartolomeu Braz Pereira, Presidente da Aprosoja Brasil fala sobre a proibição do glifosato

Download

LOGO nalogo

Bartolomeu Braz Pereira, presidente da Aprosoja Brasil, conversou com o Notícias Agrícolas a respeito da proibição da comercialização e do uso do glifosato, medida pedida pelo Ministério Público Federal (MPF), até que a  Anvisa ( Agência Nacional de Vigilância Sanitária) conclua os procedimentos de reavaliação toxicológica do produto.

Segundo Pereira, hoje é impossível fazer o plantio de soja sem o glifosato, que é diretamente utilizado por 90% das lavouras com a oleaginosa do Brasil. Ele também destaca que o plantio direto só é possível por conta do herbicida.

A Aprosoja, agora, deve tomar medidas para reverter essa liminar. No momento, as revendas que possuem estoque não podem comercializar, bem como os produtores que já adquiriram o produto não podem utilizar. O presidente salienta que este é o produto de menor impacto ambiental e que o agronegócio evoluiu no país porque absorveu essa tecnologia.

O primeiro insumo a ser aplicado na lavoura é o herbicida, que não é utilizado somente na soja e no milho, mas também em outras culturas. Com o final do vazio sanitário se aproximando, a situação pode se transformar em uma "catástrofe" se não for rapidamente resolvida.

Para ele, a Anvisa terá de buscar uma saída para a situação, bem como as pesquisas em torno de novas alternativas têm de ser continuadas para viabilizar a agricultura numa eventual falta do glifosato.

Justiça suspende produtos que tenham glifosato e outros agroquímicos

LOGO REUTERS

SÃO PAULO (Reuters) - A juíza federal substituta da 7ª Vara do Distrito Federal, Luciana Raquel Tolentino de Moura, determinou que a União não conceda novos registros de produtos que contenham como ingredientes ativos glifosato, abamectina e tiram, presentes em agroquímicos, em processo movido pelo Ministério Público.

Na decisão tomada na última sexta-feira, a juíza determinou ainda que a União suspenda, no prazo de 30 dias, o registro de todos os produtos que utilizam essas substâncias até que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária conclua os procedimentos de reavaliação toxicológica.

A decisão envolve companhias como a Monsanto, que comercializa, por exemplo, a soja transgência resistente ao herbicida glifosato, plantada em larga escala no Brasil, o maior exportador global da oleaginosa.

No Brasil também há autorizações para plantio de milho e algodão resistentes ao glifosato.

Não foi possível obter uma resposta imediata da Monsanto e de representantes da indústria de agroquímicos sobre o assunto.

A Monsanto, contudo, afirma em seu site que o produto é seguro, segundo avaliação de cientistas das agências regulatórias mais exigentes do mundo.

O glifosato é um dos herbicidas mais usados no mundo, por mais de 40 anos e em mais de 160 países.

Representantes da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) lamentaram a decisão.

"Acho que a juíza está equivocada e que a decisão será revogada de algum modo. É impossível fazer agricultura sem esses produtos", afirmou o diretor da Abag Luiz Lourenço.

A Abag também chamou a atenção para o fato de os produtos serem importantes para que o produtor realize o chamado plantio direto, uma prática agrícola importante em termos de produtividade e sustentabilidade.

"A gente está brincando com o que não conhece... O grande orgulho do Brasil é o plantio direto, a integração lavoura-pecuária, que depende de alguns insumos", afirmou o presidente da Abag, Luiz Carlos Corrêa Carvalho.

A juíza ainda determinou que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária priorize o andamento dos procedimentos de reavaliação toxicológica de abamectina, glifosato e tiram, os quais devem ser concluídos até 31 de dezembro de 2018, sob pena de multa diária de 10 mil reais.

(Por Roberto Samora e José Roberto Gomes)

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas + Reuters

19 comentários

  • Caio César Vieira Sampaio

    É preciso rastrear todos os envolvidos na elaboração desta lei, conferir se foram democraticamente eleitos pela população, denunciá-los um a um em todos os canais independentes de comunicação e é claro, passar por cima deles o quanto antes. É possível que esta ação tenha carácter ideológico. Esse presidente da APROSOJA, pedir para os Agricultores ficarem quietos é sinal de que ele é um incompetente por completo ou um criminoso.

    7
  • antonio carlos pereira Jaboticabal - SP

    Cada louco com sua mania, Uma juiza inresponsavel,tem que dar uma enxada pra ela ! Essa é igual ao Moro, gosta de aparecer. Moro deu uma entrevista na Roda Viva, teve muitos erros elementar de Português, como esse cara passou em um concurso para juiz ? Como essa louca parassou também se não entende nada de Agricultura, o certo é mandar ela plantar, Tem pessoas que precisam serem demetidas a bem do serviço publico !

    35
    • carlo meloni sao paulo - SP

      KKKKKKKKKKK Acho que o Moro cometia erros de português porque o teu português e' o correto KKKKKKKKKKKK

      1
  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Vivemos ou não vivemos uma Ditadura do Judiciário no país?

    Veja esta outra noticia> https://portaldobitcoin.com/stj-julga-caso-do-mercado-bitcoin-e-itau-decisao-pode-deixar-corretoras-sem-acesso-a-bancos/

    4
  • Gilmar dias Tupaciguara - MG

    Lamentável, voltaremos ao plantio convencional utilizando uma gama maior de agroquímicos. Dá entender que barrando glifosato abrirá espaço comercial para outros produtos, então, será que os envolvidos com a lei teem parceria com outras multinacionais de agro químicos?

    2
  • Lucas Altarugio Piracicaba - SP

    É REALMENTE INACREDITÁVEL!

    2
    • geraldo emanuel prizon Coromandel - MG

      Certamente a Juíza Substituta, Luciana Raquel Tolentino de Moura, sequer tem noção dos efeitos colaterais de sua decisão. Caso fosse banido o glifosato estaria sob risco o sistema do plantio direto brasileiro com danos incalculáveis ao meio ambiente e, sob risco também, a oferta de alimentos a nível global. Como pode prosperar uma aberração jurídica dessas...?

      5
    • carlo meloni sao paulo - SP

      Nunca a justiça funcionou 100%, mas ultimamente assistimos a uma esculhiambaçao total ------NAO SERIA TAREFA DO MINISTERIO DA JUSTIÇA ESTABELECER REGRAS PARA EVITAR ESSES DISPARATES ???------

      3
  • thiago ladeia janning Sapezal - MT

    Nosso país esta realmente uma vergonha, isso prova mais uma vez como Bolsonaro precisa ganhar esta eleiçao para colocar a Nação no rumo certo; As pessoas não têm a minima noção do impacto de uma açao destas..., hoje nao existe no mercado um produto que substitua o glifosato com mesma eficiencia num amplo espectro de ervas controladas...., para fazer o serviço do glifosato teriamos que utilizar 2 ou mais produtos para obter um controle, alguns destes quais suas misturas nao podem ser realizadas -- sendo necessario que seja feito em 2 aplicaçoes, com evidente aumento custo... hoje glifosato é indispensavel, sua proibiçao implicara em prejuizos inimaginaveis.

    12
  • Virgilio Andrade Moreira Guaira - PR

    Provavelmente alguma piada de mal gosto,,, coisa de quem não tem o que fazer !

    2
  • João Marcelino Brandolise Tietê - SP

    O glifosato é barato, eficaz e tem baixa toxicidade... Resta saber a quem interessa isso: a sociedade como um todo (saúde), àqueles que já não tem lucros por não existir mais patente, àqueles que não dominam a transgenia???. Sobram este questionamento a nós, mortais, e dependentes de de tantos interesses...

    2
  • sandro roberto lautert condor - RS

    Por que nao proibem o alcool, que mata muito mais???. Nas estradas, nas famílias.. O Bolsonaro tem razao... tudo é uma bobagem.

    7
  • Roberto Calzolari Nova Canãa do Norte - MT

    Acredito ser este um caso semelhante ao do desembargador plantonista que tentou soltar o Lula... Está juíza(subitituta) se aproveitou da situação para julgar com interesses pessoais envolvidos... Isto deveria ser investigado.

    4
  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Porque o espanto?

    Todos dizem o óbvio: Que a juíza não entende do assunto! Isso é malhar em ferro frio.

    Devemos perguntar: Por que ela tem esse poder?

    Aí, estaremos entrando de cara no problema. Vivemos num país onde o número de "leis & normas" ultrapassa o óbvio, aí vivemos de espanto em espanto.

    Quando alguma sentença nos atinge diretamente, vamos procurar nos defender. Mas, nos defendemos de quem? Não é do Estado?

    Espera aí, o Estado não tem a função de nos defender do inimigo externo? Por que ele nos ataca internamente?

    Veja que "alguma coisa" está errada. Até quando vamos viver de "espanto em espanto"?

    5
  • WELLISTON FRANK TEIXEIRA DOUTOR CAMARGO - PR

    Sistema jurídico brasileiro está completamente aos avessos..., nossa Constituição Federal precisa ser mudada urgentemente, colocar cada um em seu devido lugar. Como pode um Juíz(a) decidir algo tão sério em nosso país? Tá vergonhoso o judiciário do nosso país!

    1
    • Heber Marim Katuete - PY - PI

      Caráter, honestidade e dignidade infelizmente são mensurados em dólares...

      2
  • Homil Abdala Abdo Ituverava - SP

    Vamos voltar a gradear, nivelar, plantar e cultivar a soja como antigamente, já que eles acham que o impacto ambiental será menor...

    1
    • Ernani A. Weiss Santa Cruz do Sul - RS

      O que se salva da decisão é forçar a Anvisa a trabalhar... A multa cair sobre o(s) funcionário(s ) e não sobre a instituição. Não concebem os atrasos nas avaliações, senão para se valorizar pela burocracia. Um burocrata não se valoriza se não complicar???

      Por outro lado, e óbvio que não concordo com a decisão , que mostra claramente ou um viés ideológico ou um total desconhecimento sobre o Brasil. Ela deveria se perguntar de onde vem o seu salário ? Será que o agronegócio não contribui com nada?

      Um juiz deveria . estudar bem a situação antes de decidir.

      Mas , seca sua intenção foi exatamente chamar a atenção para o que está sendo tratado no Congresso que é, no fundo, a inconcebível morosidade da Anvisa e do Ibama nas a análises. Levam quatro ou mais anos para analisar laudos concedidos pelos melhores e credenciados laboratórios do mundo.

      O Brasil precisa do agronegócio, mas é, sem dúvida, o país que mais sofre com as demoras nas liberações de agroquímicos

      1
  • Será que Renan tinha razão e sua triste declaração. Isto não é assunto para primeira instância. Isso deve ser analisado por esfera superior e em casos excepcionais...

    2
    • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

      Otavio... você lembrou bem, o Renan estava certo ....mas o povo foi na onda do Jjudiciário....MPF..etc que iam ter que prestar conta de seus atos...agora e só chorar.. um dia aprendem a não ir na onda.. e deixar de ser trouxa..

      12
  • carlo meloni sao paulo - SP

    Alguem sabe o valor da multa de trangressao??

    2
    • Heber Marim Katuete - PY - PI

      Ah!, deve ser cadeia e perda da propriedade... Afinal isso sim é crime... Enquanto isso... Colarinhos brancos voam livremente...

      1
  • Angelo Miquelão Filho Apucarana - PR

    Calma pessoal, daqui a pouco a magia acontece, uns milhões de motivos aparecem para ela e tudo se resolve. Essa gente não é da terra, só pode ser alienígena retardado!

    2
  • ERIC JULIANO DA FONSECA unai - MG

    Pode uma coisa dessa..! Arnaldo?

    esse Brasil está cheio de mimimi mesmo, toda hora aparece um querendo virar notícia, querendo um momento holofote. Para ajudar, não aparece ninguém, mas se for para atrapalhar e da palpite errado, aí sim..! o sujeito sai de dentro do oco do pau, do buraco do tatu, "dos quintos do inferno".

    Isso não passa de ser obra dos ecochatos, petistas, comunistas.

    Com todo o respeito, mas a magistrada dessa vez errou feio, deu uma dedada nos "zoio", pegou bem na canela. Só para lembrar; o arroz,feijão,milho,soja,trigo,etc, são produzidos na terra, e não em prateleiras de supermercados, e nem em indústrias, e muito menos, em rede de televisão, e todos eles dependem de vários defensivos, e herbicidas, inclusive do glifosato.

    Façam os protestos da maneira correta, e de forma inteligente, e lembrem-se que o mundo tem bilhões de bocas para serem alimentadas todos os dias.

    Fica a dica..!!

    5
  • Elton Szweryda Santos Hortolândia - SP

    Juiza subsituta, muito doida, petista, com muita raiva dos produtores rurais, proibiu o uso do glifosato no Brasil... completamente maluca, ecologista, ativista, militante de esquerda, igual o desembargador do pt. Com certeza será derrubada esta decisão absurda!! Mas demostra o que esta acontecendo em nosso país, uma pessoa dessa jamais poderia ser juiza nem de jogo de dama!! Demissao/Exoneraçao JÁ!!!

    8
    • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

      Caro Elton...lembras quando o Renan era presidente do senado e quando foi apertado pelo judiciário ele ameaçou dar andamento num projeto de lei de abuso de autoridade?????a maioria dos idiotas brasileiros foram contra por alegarem estar querendo barrar a lava jato ou impedir o livre arbítrio de juizes...trouxa este povo...a lei de abuso de autoridade visava penalizar decisões judiciais tipo esta e outras...então senhores da outra vez aprendam entender o que se passa e não o querem que entendemos...

      40
  • Charles Tharcy Stürmer Chapadão do Sul - MS

    Retrato de um país semi-comunista. Uma Juíza, incentivada pelo MPF (e que provavelmente não sabe o que é meia vida, inativação, intoxicação aguda, crônica, degradação, fotossensibilidade, classe toxicológica, ingrediente ativo, inertes etc. etc).... dá uma canetada dessas. Apenas para aparecer na mídia, assim como todos esses que não entendem do assunto, e de meio ambiente e muito menos de produtos químicos, segurança alimentar e poderia ficar dissertando até amanhã sobre o assunto. Então é o Brasil que teima em andar para trás. Como é difícil. (por Eng. Agro. Charles Tharcy Sturmer).

    7
    • CASSIO HENRIQUE C. DA SILVA Jaguariúna - SP

      Um produto usado no mundo há mais de 40 anos, por uma empresa idonea como a Monsanto, e aí uma Juíza vem justamente agora proibir o uso do glifosato???..., concordo com os demais comentários que ela não entende do assunto..., além de termos tantos outros problemas mais crônicos nesse País para proibir e não fazem nada infelizmente.

      5
    • Cesar Augusto Rodrigues Dos Santos Penápolis - SP

      Será que vamos ter que ficar em uma guerra constante contra o governo para podermos conseguir produzir?? Ao invés de facilitar para o produtor, ficam criando impecilios, não dá pra entender !! O mesmo acontece com o caso dos javaporcos, o Brasil é mesmo uma piada...

      4
    • Luiz Dias Salvador - BA

      Há anos temos compartilhado os fatos cientificos e as provas que são encobertas pelas produtoras de agrotóxicos. As pessoas não sabem que o glifosato na verdade é o mesmo agenda laranja usado na guerra do vietnam que matou milhares de pessoas e até hoje mais de 60 anos após a guerra, continua causando transtornos genéticos na população vietnamita. O site http://www.glifosato.com.br/ o perigo do glifosato e o que você pode fazer para evitar a exposição, e realizar teste para ter certeza que está livre de contaminação.

      Guerra ao glifosato, que a ANVISA libera sem nenhum estudos, e sempre, de acordo com os fabricantes, os únicos estudos validos são os estudos deles. Sabia que o advogado de uma das fabricantes foi o diretor da FDA dos EUA (Equivalente da ANVISA no Brasil)?

      1