Após a crise, petróleo deve perder espaço no mercado de combustíveis, mas manterá protagonismo pelo seu alto valor agregado

Publicado em 06/04/2020 16:29 e atualizado em 09/04/2020 10:25 2077 exibições
Flávio Gualter Inácio Inocêncio - Prof. de Direito de Petróleo e Gás da Universidade Nova de Lisboa
Segundo professor da Universidade de Lisboa, os preços altos do passado atraíram muitos players para a exploração petrolífera. Com os atuais preços, os menores da história, competitividade no mix de combustíveis fica muito complexa

 

Podcast

Após a crise, petróleo deve perder espaço no mercado de combustíveis, mas manterá protagonismo pelo seu alto valor agregado

Download

 

LOGO nalogo

Veja todos os vídeos do especial clicando aqui

Em questão de meses, o petróleo teve uma grande flutuação de preços, saindo de patamares entre US$ 60 / 70, para os atuais US$ 20/30. A maior explicação para tamanha diferença é o coronavírus e o isolamento social como forma de diminuir o contágio pela doença. Com menor movimentação de pessoas, menos automóveis nas ruas. Além disso, na maioria dos países, é permitido apenas o trânsito de itens essenciais para a sobrevivência da população, o que significa uma drástica diminuição na logística global. Veja um breve resumo dessa história recente da commodity:

 


 

Segundo Flávio Inocêncio, professor especialista em gás e petróleo da Universidade Nova Lisboa, em Portugal, a grande variação de preços criou dois momentos distintos. Quando muito alto, atraiu a atenção de diversos investidores, o que não é necessariamente um ponto positivo já que são esses mesmos investidores que são prejudicados no atual momento de queda.

Além disso, o preço baixo atual torna a competição entre o mix de combustíveis muito complexa, o que irá moldar o futuro da commodity. "Após a crise, o petróleo deve perder o seu marketshare, que hoje é cerca de 30%. No entanto, continuará sendo um investimento atrativo, já que o petróleo possui alto valor agregado, como é o caso das indústrias de plástico e de insumos agrícolas", disse.

Com relação ao etanol de milho, Flávio diz que o biocombustível nunca foi muito competitivo, dependendo de auxílio do governo dos Estados Unidos para ter relevância. O mesmo não ocorre com o etanol brasileiro, que é produzido a partir da cana-de-açúcar e é mais competitivo devido ao posicionamento das usinas. "Acredito que o mercado de combustíveis terá um novo cenário daqui pra frente, com o petróleo se direcionando para outros setores e restabelendo seu valor agregado".

Tags:
Por:
Ericson Cunha
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário