Restrição de animais é a única variável de alta esperada para a @ em agosto, cuja tendência é se manter freada pelo consumo

Publicado em 20/07/2018 15:30 e atualizado em 01/08/2018 11:46
1239 exibições
A firmeza pelo lado da oferta, com confinamento menor inclusive, poderá ser maior do que o mercado vem realizando em julho, mas a demanda – incerta e com indicadores em baixa – poderá permanecer até outubro, pelo menos. SP, @ R$ 142/143 (negócios acima com o europa), escalas 5 dias; MS, R$ 133, 7/10 dias; MG, R$ 137.
Caio Toledo Godoy - Consultor em Gerenciamento de Riscos da INTL FCStone

Podcast

Entrevista com Caio Toledo Godoy - Consultor em Gerenciamento de Riscos da INTL FCStone sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Com um período da entressafra baseado na oferta restrita de animais, a demanda não tem contribuído para a valorização da arroba no primeiro mês deste segundo semestre. Em relação ao confinamento, a expectativa é que tenha menos animais no segundo giro.

De acordo com o Consultor em Gerenciamento de Riscos da INTL FC Stone, Caio Toledo Godoy, os indicadores do Cepea divulgam dados através das informações que são repassadas o instituto e o sistema de preços são diferentes dos valores de balcão dos frigoríficos. “Desde julho, nós estamos observando a arroba trabalhar em São Paulo na faixa dos R$ 142,00. Porém, somente agora, o indicador foi sinalizado sobre essa referência”, afirma.

Os dados econômicos indicavam que teria uma reação do lado do mercado doméstico. “As nossas expectativas estão se tornando frustração a cada mês, sendo que esperávamos que no mês de julho a demanda se aqueceria e que o clima mais frio ajudasse na venda de dianteiros”, destaca.

O consultor ainda aponta que pode ter um aumento nos preços da arroba nos próximos meses. “Acredito que vai ter boas oportunidades para os pecuaristas que utilizam as ferramentas para fazer algum tipo de trava ou seguro. Além disso, é preciso fazer uma analise interno sobre os custos de produção para realizar a venda da melhor forma”, comenta.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário