Parada prevista do JBJ leva pecuaristas do Vale do Araguaia a fecharem com Minerva Cepea+bônus; @ R$ 146/147

Publicado em 28/03/2019 12:31 e atualizado em 28/03/2019 15:32
842 exibições
Fora o boi comum, o Europa vai a R$ 150. Escalas médias para 3/4 dias. Pastos ajudam segurar animais e melhorar a compra da reposição mais a frente. JBJ vai parar a planta de Santa Fé (GO) para reforma, mas pode não voltar a operar. Unidade do Minerva de Palmeira de Goiás tem Programa de Eficiência de Carcaça.
Marcelo Marcondes - Nelore Marcondes

Podcast

Entrevista com Marcelo Marcondes - Nelore Marcondes sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Na região do Vale do Araguaia/GO, os pecuaristas estão preocupados com a paralisação prevista da planta da indústria frigorífica JBJ, em Santa Fé, para uma reforma. Diante desse cenário, muitos produtores rurais vão ter que negociar com a Minerva e as associações garantem que terá a premiação sobre a arroba.

De acordo com o Gerente da Nelore Marcondes, Marcelo Marcondes, o contrato entre a Associação dos Produtores do vale do Araguaia (Aprova) e a JBJ vai até o dia 30 de março e que garantia um valor mais sobre a arroba. “Nós conseguimos um plus no cota hilton, no boi com RG e no Boi Europa pela a quantidade de abate por dia”, destaca.

No caso do Bezerro, os preços para um animal de 220 kg estão em torno de R$ 1.500. “Um bezerro um pouco mais leve vai custar aproximadamente R$ 1.300. Atualmente, as referências para o mercado do boi gordo estão firmes com escalas de abate para o próximo dia 03 de abril. “Os preços do boi comum estão girando ao redor de R$ 146,00/@ a R$ 147,00/@ e o boi Europa está ao redor de R$ 150,00/@. Como as pastagens estão verdes, os produtores estão retendo os animais na propriedade”, comenta.

Com relação aos avanços tecnológicos, Marcondes ressalta que os pecuaristas estão em busca de genética para ter um animal mais precoce para o abate. “Então, a nossa região está fazendo bastante semi-confinamento e confinamento e isso está crescendo do ano passado para cá”, afirma.

Por: Giovanni Lorenzon e Andressa Simão
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário