Concorrência com as demais proteínas, recuo na renda das pessoas e deterioração das pastagens podem pressionar @ do boi

Publicado em 09/04/2020 13:13 e atualizado em 13/04/2020 09:02 3566 exibições
Thiago Bernardino de Carvalho - Pesquisador do Cepea
Pressão ficaria mais evidente na segunda quinzena de abril ou início de maio

Podcast

Mercado do Boi Gordo - Entrevista com Thiago Bernardino de Carvalho - Pesquisador do Cepea

Download

LOGO nalogo

Os impactos da pandemia na demanda interna por proteínas animais vão aparecer a partir da segunda quinzena de abril. Os preços da carne bovina seguem firmes, mas da carcaça suína e do frango resfriado tem registrado desvalorizações nas duas últimas semanas. 

De acordo com o Pesquisador do Cepea, Thiago Bernardino de Carvalho, o mercado está agitado com as incertezas do consumo por parte dos frigoríficos e os pecuaristas estão caminhando para o final da safra. “Esse ajuste entre oferta e demanda está mais para o baixa disponibilidade de animais e uma demanda firme do atacado e varejo”, relata.

No comparativo realizado pelo o Cepea destaca que os valores para a carne bovina ficaram estáveis devido a oferta restrita e das exportações dos últimos meses. “A partir da segunda quinzena de abril vai mostrar o reflexo de toda essa pandemia no setor de carnes. Os valores das carnes de frango e suínos estão mais atrativos ao consumidor se comparado com a carne bovina”, afirma. 

Confira o Gráfico que mostra a relação entre os preços das carnes

Gráficos entre as carnes - Cepea

Os indicadores para o boi gordo estão firmes em função dos preços no atacado seguirem sustentados no estado de São Paulo. Outro fator que possibilita às indústrias a pagarem valores melhores, é o volume exportado de carne bovina in natura no primeiro trimestre com o câmbio favorável às exportações.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário