Com aumento na oferta de animais, frigoríficos começam a testar novos patamares de preços para a arroba do boi

Publicado em 19/04/2021 12:26 e atualizado em 19/04/2021 17:48 2688 exibições
Hyberville Neto - Analista da Scot Consultoria
Segundo a Scot Consultoria houve recuo de R$1,00/@ em SP nesta segunda-feira (!9)

Podcast

Entrevista com Hyberville Neto - Analista da Scot Consultoria sobre o Mercado do Boi Gordo

Download

LOGO nalogo

Em entrevista ao Notícias Agrícolas, o analista da Scot Consultoria, Hyberville Neto, informou que houve um acréscimo de oferta de animais terminados e os frigoríficos estão aproveitando para testar o mercado. “Nós registramos um ajuste negativo no início desta semana, porém não podemos afirmar que o mercado perdeu a sustentação ou é um movimento de baixa que vai ficar”, relatou. 

Na última semana, as indústrias frigoríficas conseguiram alongar as programações de abate e estão em um patamar que permite a pressão de baixa. “Nós vamos ter um feriado na quarta-feira que vai tirar um dia de negociação, mas os frigoríficos podem ficar mais ativos nas compras no final desta semana”, comentou. 

Atualmente, a referência para o boi gordo com destino ao mercado doméstico está próximo de R$ 309,50/@ à vista e livre de funrural. “A queda observada foi de R$ 1,00/@ frente aos valores observados na semana anterior, mas não fica restrita apenas ao estado de São Paulo. De acordo com o levantamento da Scot Consultoria houve recuo em Dourados/MS, Rondônia e no Norte do Tocantins”, apontou. 

A expectativa é que as indústrias continuem testando o mercado por mais algumas semanas, já que tradicionalmente o mês de maio costuma ter um aumento da oferta de animais. “Eu acredito que tenha espaço para essa pressão do lado da oferta de animais, porém deve ajudar no escoamento do produto no mercado interno ainda mais com a retomada do auxílio emergencial”, destacou. 

Com relação aos preços da carne no atacado, o analista salientou que a carne bovina começa a ter mais competitividade com as demais proteínas. “A carne suína registrou um avanço de 26%, o frango teve um ganho de 6%, enquanto a carne bovina teve um aumento de 1%”, disse.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário