Brasil já embarcou 130 mil t de carne bovina na parcial de setembro e tem potencial para superar as 142 mil de 2020, mesmo com embargo

Publicado em 22/09/2021 12:12 e atualizado em 22/09/2021 17:05 1510 exibições
Thiago Bernardino de Carvalho - Pesquisador do Cepea
Cepea minimiza risco de desova de estoques de carne bovina no mercado interno. Se os estoques fossem tão grande, frigoríficos já estariam realocando oferta para o mercado interno, avalia pesquisador

Podcast

Entrevista com Thiago Bernardino de Carvalho - Pesquisador do Cepea sobre o Mercado do Boi Gordo

Logotipo Notícias Agrícolas

Os embarques de carne bovina brasileira seguem com bom desempenho apesar dos casos atípicos de encefalopatia espongiforme bovina (EEB), conhecida como doença da ‘vaca louca’. O volume exportado atingiu 130,5 mil toneladas até a terceira semana de setembro, sendo que o total embarcado em todo mês de setembro do ano passado foi de 142 mil toneladas. 

O Pesquisador do Cepea, Thiago Bernardino de Carvalho, destacou que ainda restam 9 dias úteis para encerrar o mês de setembro e podemos bater o recorde do volume exportado ou ter uma desaceleração dos embarques por conta da suspensão da China. “Os chineses são muito pragmáticos para negociar e podemos ver eles tentando renegociar os preços da tonelada da carne”, disse ao Notícias Agrícolas.

Com relação aos estoques, o pesquisador aponta que alguns frigoríficos contam com produtos estocados à espera da retomada da China às compras. “Eu acredito que temos um estoque, mas que não deve impactar a dinâmica no mercado doméstico. A indústria vai trabalhar com o estoque para o aguardo da retomada dos embarques para a China e para minimizar os prejuízos”, relatou. 

Algumas indústrias frigoríficas que têm operações em outros países já sinalizaram que não iam sofrer com os estoques excedentes de carne bovina e que iriam exportar para outros países, como é o caso dos Estados Unidos. “Por mais que a China é a cereja do bolo para o mercado brasileiro e as empresas estão buscando diversificar os parceiros comerciais. Com isso, os Estados Unidos está crescendo como um novo parceiro do Brasil”, comentou.

Por:
Aleksander Horta e Andressa Simão
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Raone Cotrim Formosa

    A conversa já começou a mudar. Aí vem mais um recorde de exportação em setembro, só quem perde é o pecuarista que caiu em mais essa conversa fiada de embargo Chinês. Amigo pecuarista, vamos ser mais racionais e parar de operar notícias. O mercado do boi é muito firme, depois de tanto marteralar o boi, os frigoríficos só conseguiram tirar R$ 15,00 por @ e isso é muito positivo. Se realmente tivesse muito boi o mercado teria desabado.

    1
    • Eduardo Ferraz Pacheco de Castro Cuiabá - MT

      Perfeito seu comentário, Raone Cotrim. Nós Pecuaristas, já estamos precificando a alta que virá agora em Outubro, Novembro e Dezembro. Vamos pra Cima !!

      2
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Concordo com o senhor. Não tem saída, alcançamos o patamar das melhores carnes bovinas do planeta, com melhor qualidade em conjunto com produção sustentável, a pasto, do jeito que o consumidor mundial quer, além de que, finalmente, reconheceram e confirmaram, o que todos nós já sabíamos, a verdadeira importância dessa fonte de proteína para a saúde humana. Confirmando um sistema produtivo, mais em sintonia com a natureza, "Free Ranger" palavra em inglês usada para o nosso sistema criado, solto e a pasto. Enquanto países de primeiro mundo procuram se enquadrar nesse sistema ‘caipira produtivo, a atividade bovina já trabalha com ele desde seus primórdios, que utiliza o sistema "Free Ranger" na maior parte do ciclo produtivo da carne, quando muito, utilizamos sistemas de semi confinamento ou confinamento nos últimos 3 meses de finalização da carcaça. Portanto, o mundo possui poucos países com características para esse tipo de criação da bovinocultura. "Estamos bem na fita!" e precisamos nos orgulharmos disse para continuarmos nosso luta constante para produzir carne de qualidade com sustentabilidade.

      Nossa empresa, UNAP Agropecuária, de Unai, foi reconhecida como propriedade produtora de pecuária sustentável com uso e manejo sustentáveis. Recebemos o diploma de unidades de divulgação de tecnologia sustentáveis, com o uso de ferramentas técnicas de IPF, com uso de Eucalipto e árvores nativas do cerrado. E como nós, sabemos que tantos outros seguem essa meta e projeto para se tornarem fazendas de produção sustentável com produtividade, buscando o sistema de produção regenerativo na pecuária de corte brasileira....

      5
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      Para finalizar, é isso aí, precisamos nos orgulhar de nossa Agropecuária e nos mantermos firmes na busca constante por novas tecnologias de manejos mais sustentáveis, produtivos, com critérios de manejos menos agressivos e mais racionais possíveis com os animais. É isso que o mundo quer e necessita. Essa é a nova ordem mundial eminente e não podemos virar as costas para ela, quando queremos valores diferenciados para nosso produto de qualidade. Muitos países importadores de nossa carne ainda não usam esses critérios com análise de compra, mas usarão, não podemos fugir disso, e os que melhor pagam pela carne, usam a risca esses critérios, sus sociedade já cobram esses requisitos como essenciais pera consumir esse produto.

      5
    • Aloísio Brito Unaí - MG

      para parâmetro de consumo desse produto*

      5