Café: Expectativa é que preços fiquem estáveis em NY, mas quedas expressivas podem acontecer em dias de aversão ao risco

Publicado em 22/04/2020 17:42 1944 exibições
Eduardo Carvalhaes - Analista de Mercado do Escritório Carvalhaes
Tendência é consumo doméstico continue em alta, ajudando a também manter os preços tanto no mercado externo como no mercado físico

Podcast

Entrevista com Eduardo Carvalhaes - Analista de Mercado do Escritório Carvalhaes sobre o Mercado do Café

Download

LOGO nalogo

O mercado futuro do café arábica teve um dia de pregão tranquilo e recuperando parte das perdas dos dois primeiros da semana, quando os preços foram pressionados pelo petróleo junto com as demais commodities agrícolas. Apesar das baixas dos últimos dias, o café, quando comparado com outros mercados, ainda tem um bom desempenho em meio à pandemia do Coronavírus. 

Eduardo Carvalhaes, do Escritório Carvalhaes, afirma mais uma vez que diante da pandemia o mercado do café, assim como todo o setor financeiro, precisa ser avaliado dia após dia. "A queda do petróleo como foi, por exemplo, pegou todo mundo de surpresa, atingiu outros setores, inclusive o café", comenta. Ainda de acordo com o analista, apesar das baixas dos dois últimos dias, o cenário ainda é positivo para o café. 

Carvalhaes destaca que se falando em fundamento, o mercado do café tem tudo para se manter estável, mas não está livre de dias de aversão ao risco como observado várias vezes desde que o Coronavírus tomou grandes proporções. A falta de café no mercado, o consumo sendo mantido mesmo com cafeterias e padarias fechadas ao redor do mundo, são fundamentos que podem ajudar na valorização dos preços em Nova York. 

O analista destaca ainda que apesar de não serem registrados problemas com os embarques, enquanto a pandemia estiver em evidência as incertezas continuarão sondando o mercado. Eduardo comenta ainda que a situação nos demais países produtores de café é ainda mais preocupante, principalmente pela falta de estrutura para enfrentar uma pandemia.

Confira a entrevista completa no vídeo acima

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário