Procafé identifica maior incidência de corda de viola em regiões com colheita mecanizada; novo mico-herbicida é estudado

Publicado em 24/04/2020 17:01 e atualizado em 26/04/2020 12:34 1303 exibições
José Braz Matiello - Engenheiro Agrônomo Fundação Procafé
Entrevista com José Braz Matiello - Engenheiro Agrônomo Fundação Procafé

Podcast

Entrevista com José Braz Matiello - Engenheiro Agrônomo Fundação Procafé

Download

A corda de viola (Ipomea sp) é uma erva daninha duplamente prejudicial em lavouras de café. Além de crescer junto aos cafeeiros, com suas raízes concorrendo pela extração de água e nutrientes com os cafeeiros, o seu habito trepador, ao cobrir as plantas de café, reduz a luz sobre as folhas dos cafeeiros e, assim, fica reduzida sua atividade fotossintética. 

Nos últimos anos, a infestação da corda de viola em cafezais vem crescendo muito, em função dos tratos e da colheita mecanizados. Como quase não se usa enxada, na capina junto às linhas de cafeeiros, as sementes da corda de viola germinam e crescem junto e entre plantas de café, as ervas ali não sendo atingidas pelos equipamentos de controle mecânico, como a roçadeira ou trincha, nem pelo controle químico com herbicidas.

Procafé - Corda de viola
Detalhes das lesões na parte superior das folhas da corda de viola(esq)
e pústulas amareladas de ferrugem na parte inferior(centro) e na comparação de fls sadias e doentes(dir)

Por outro lado, na colheita mecanizada do cafezal, tanto a do pé como a do chão, os equipamentos usados contribuem para espalhar as sementes da corda de viola. O controle da corda de viola com herbicidas é efetivo quando a erva ainda é jovem e ainda não subiu nas plantas de café. Depois disso só é possível controle manual, com enxada, pois aplicações de herbicidas sobre a erva também atingem e prejudicam a folhagem dos cafeeiros.

Neste ano foi observada, na Fazenda Experimental de Varginha, a ocorrência de forma severa de uma doença fúngica sobre plantas de corda de viola, que cresciam sobre cafeeiros.

As folhas da erva atacada se mostravam amareladas, muitas secando ou caindo, tornando a erva fraca, quase morrendo. Ao se fazer uma observação mais detalhada das plantas doentes, verificou-se a presença, na parte inferior das folhas, de grande número de lesões, de cor amarelo claro, de um tipo de ferrugem, a qual representava uma forma de controle biológico da corda de viola.

Essa constatação de ferrugem atacando a erva corda de viola, com efeito severo, abre caminho para estudo de produção de um mico -herbicida, tipo de produto que já existe em outros países, para controle de outras ervas, No Brasil não existe nenhum mico-herbicida registrado.

Para a corda de viola já foi pesquisado, no país, o uso de cercospora como agente de controle biológico, porém sem resultados promissores. Com o desenvolvimento de um mico-herbicida, com base no tipo de ferrugem agora constatado, seria possível fazer sua aplicação, para controle nas plantas de corda de viola, mesmo nas que já se instalaram sobre as plantas de café. 

 

Por:
Virgínia Alves e Procafé
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário