Café: Brasil bate recorde de exportação no ano-safra e expectativa é de números expressivos no 2º semestre

Publicado em 15/07/2020 16:25 e atualizado em 15/07/2020 17:22 862 exibições
Nelson Carvalhaes - Presidente Cecafé
Só no mês de junho, o Brasil exportou 2,8 milhões de sacas de cafá. Para presidente do Cecafé, Brasil tem capacidade para exportar até 4 milhões de sacas com a entrada da nova safra

Podcast

Entrevista com Nelson Carvalhaes - Presidente Cecafé sobre as Exportações de Café

Download

LOGO nalogo

No ano-safra 2019/20 (julho de 2019 a junho de 2020), o Brasil exportou um total de 40 milhões de sacas de café, considerando a soma das exportações de café verde, solúvel e torrado & moído, segundo balanço do Cecafé - Conselho dos Exportadores de Café do Brasil. O volume representa o segundo recorde histórico de exportações brasileiras de café para o mundo e foi i no período e teve como destaque o crescimento de 22,7% nas exportações de café robusta, na comparação com o ano-safra 2018/19.

Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé, destaca que o número positivo já era esperado pelo setor após as altas nos preços entre outubro e novembro do ano passado. "Devido a boa demanda que nós tivemos e as boas vendas antecipadas e apesar de todos os problemas da pandemia, felizmente tudo caminhou bem e nós tivemos um semestre muito bom e um cafeeiro muito bom", afirma. 

Segundo o Cecafé, o volume representa o segundo recorde histórico de exportações brasileiras de café para o mundo e foi i no período e teve como destaque o crescimento de 22,7% nas exportações de café robusta, na comparação com o ano-safra 2018/19.

Nelson destaca ainda que as expectativas para o segundo semestre de 2020 se mantém positiva, mas reforça que o setor ainda aguarda para saber qual será o impacto da pandemia para o consumo do café. "O Brasil cada dia fortalece mais com o mercado internacional e a procura pelo café brasileira está cada vez maior", comenta.

Só no mês de junho, o Brasil exportou 2,8 milhões de sacas de cafá. "Nós temos uma capacidade de colocar de 4 milhões para mais no mês. Eu não duvido que neste próximo semestre nós tenhamos embarques que venham nos surpreender", afirma. 

Principais destinos 

Entre os dez principais destinos, o México se destacou no período ao registrar aumento de 111,8% nas compras de café do Brasil. Nelson destaca que o café brasileiro estava e ainda mais competitivo no mercado, tanto para questões do preços quanto para quantidade e por isso, até mesmo países produtores garantiram números tão positivos para a exportação brasileira. 

A Federação Russa também registrou crescimento na aquisição de café brasileiro, de 24,6%, comparado ao ano-safra 2018/19. Outros países que apresentaram aumento no consumo foram a Espanha (6,7%); EUA (3,5%) e Alemanha (1,7%).

Os principais destinos do café brasileiro foram, na ordem: os Estados Unidos, com a exportação de 7,8 milhões de sacas (19,6% dos embarques totais no período); Alemanha, com a exportação de 6,8 milhões de sacas (17%); Itália, com 3,3 milhões de sacas (8,4%); Bélgica, com 2,7 milhões de sacas (6,8%); Japão, com 2 milhões de sacas (5%); Federação Russa, com 1,2 milhão de sacas (3,1%); Turquia, com 1,2 milhão de sacas (2,9%); México, com 1,1 milhão (2,8%); Espanha, com 901,8 mil sacas (2,3%) e Canadá, com 869,5 mil sacas (2,2%).

Cafés Diferenciados

O Brasil exportou, no ano-safra 2019/20, 6,8 milhões de sacas de cafés diferenciados, que representaram 17% de participação no volume das exportações no período. Os dez principais destinos de cafés diferenciados no período, que representam 78,7% dos embarques do tipo de café, foram: Estados Unidos (1,5 milhão de sacas), Alemanha (880,8 mil sacas), Bélgica (640,4 mil sacas), Itália (640 mil sacas), Japão (610,7 mil sacas), Reino Unido (241 mil sacas), Canadá (218,8 mil sacas), Espanha (201,7 mil sacas), Finlândia (188,3 mil sacas) e Suécia (186,5 mil sacas).

 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário