Rabobank acredita em preços do café sustentados por oferta restrita, frio no BR e queda dos estoques, mas não descarta volatilidade em NY

Publicado em 01/07/2022 16:30 e atualizado em 01/07/2022 18:22
Guilherme Morya - Analista do Rabobank
Colheita atrasada no Brasil trava novos negócios e mês de julho chega acentuando preocupação com o frio

Podcast

Café tem semana intensa e encerra com forte recuo, mas ainda com colheita, estoques e oferta global restrita

Logotipo Notícias Agrícolas

Após uma semana intensa para os preços, o mercado futuro do café arábica encerrou as negociações desta sexta-feira (1º) com queda e ajustes nos preços na Bolsa de Nova York (ICE Future US). 

Setembro/22 teve queda de 545 pontos, negociado por 224,65 cents/lbp, dezembro/22 teve queda de 555 pontos, valendo 221,50 cents/lbp, março/23 tinha baixa de 545 pontos, cotado por 218,70 cents/lbp e maio/23 teve desvalorização de 545 pontos, cotado por 216,95 cents/lbp. 

A semana foi marcada pela queda nos estoques certificados da ICE, que atingiram o menor nível nos últimos 22 anos. O volume chama atenção do mercado, já que a queda acontece em um momento em que as principais origens produtoras enfrentam problemas na oferta do produto. 

No Brasil, a colheita da safra 22 está atrasada e de acordo com Guilherme Morya, analista do Rabobank, diante deste cenário, o mercado está travado, sem muitos negócios. Outro ponto que chama atenção é que muitos produtores vêm relatando menos café do que o previsto anteriormente, aumentando as preocupações com a oferta de café. Além do Brasil, têm problemas na produção Colômbia e Honduras. 

Na Bolsa de Londres, o café tipo conilon também encerrou o dia com desvalorização. Setembro/22 teve baixa de US$ 27 por tonelada, negociado por US$ 2006, janeiro/23 registrou queda de US$ 25 por tonelada, valendo US$ 2006, janeiro/23 registrou baixa de US$ 21 por tonelada, valendo US$ 2002 e março/23 teve desvalorização de US$ 18 por tonelada, cotado por US$ 1999. 

No Brasil, o mercado físico acompanhou e encerrou a semana com ajustes nas principais praças de comercilização do país. 

O tipo 6 bebida dura bica corrida teve queda de 1,08% em Guaxupé/MG, negociado por R$ 1.375,00, Poços de Caldas/MG registrou queda de 0,74%, valendo R$ 1.340,00, Varginha/MG teve baixa de 1,41%, cotado por R$ 1.400,00, Campos Gerais/MG registrou desvalorização de 0,70%, valendo R$ 1.425,00 e Franca/SP teve queda de 1,41%, cotado por R$ 1.400,00. 

O tipo cereja descascado teve queda de 1,02% em Guaxupé/MG, negociado por R$ 1.450,00, Poços de Caldas/MG registrou baixa de 0,68%, valendo R$ 1.450,00, Varginha/MG teve desvalorização de 1,35%, negociado por R$ 1.460,00 e Campos Gerais/MG teve baixa de 0,67%, valendo R$ 1.485,00. 

Por:
Virgínia Alves
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário