Suinocultor catarinense tem prejuízo entre R$ 200,00 a R$ 230,00 por animal vendido

Publicado em 27/05/2021 14:55 e atualizado em 27/05/2021 18:19 1294 exibições
Losivânio de Lorenzi - Presidente ACCS
Liderança afirma que há sobreoferta de carne suína no mercado interno que não consegue absorver a mercadoria na ponta consumidora

Podcast

Entrevista com Losivânio de Lorenzi - Presidente ACCS sobre o Mercado de Suínos

Download

LOGO nalogo

O principal Estado brasileiro produtor de suínos, Santa Catarina, está registrando prejuízos na suinocultura. O presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos, Losivanio de Lorenzi, afirma que com o atual patamar de R$ 5,70/kg do suíno vivo, o prejuízo por animal vendido pode variar entre R$ 200,00 a R$ 230,00. 

"Hoje o custo de produção para cada quilo de suíno é mais de R$ 8,00, puxado pela saca de 60kg de milho a R$ 106,00 e a tonelada do farelo de soja a R$ 2660,00. O produtor que não tem condição de armazenamento e que compra da mão para a boca está amargando estes preços altos", disse. 

De acordo com Lorenzi, além da pressão dos custos de produção, há uma sobreoferta de carne suína no Brasil e a ponta consumidora, descapitalizada, não consegue absorver. "Tem produtor vendendo matrizes para pagar as contas, diminuindo a produção, ou até pensando em fechar as portas", lamentou. 

Ele explica que, por mais que as exportações estejam em bom ritmo, a maior parte da produção de carne suína fica em solo brasileiro, e os preços nas gôndolas seguem altos, compatíveis com o pico de preços registrados para o animal vivo em novembro do ano passado. "Não houve recuo nos preços para o consumidor, mas a renda caiu, e aí essa mercadoria não tem giro. Aí acaba que os preços para o produtor caem", aponta.

A virada para o mês de junho, que deveria trazer melhores preços tanto pela entrada da massa salarial quanto pelo tempo frio, propício para o aumento no consumo da proteína, ainda é carregada de incertezas. "A gente não sabe como vai ser, porque os frigoríficos estão comprando menos animais, então quando os animais que estão nas granjas saírem para abate, estarão mais pesados, ou seja, levando mais carne para o mercado e podendo baixar ainda mais os preços. Também não sabemos como ficará o consumo, já que há muita gente ainda sem renda", afirma. 

Por:
Letícia Guimarães
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Tiago Pandolfo Balsas - MA

    Gostei quando ele disse que "Não houve recuo nos preços para o consumidor, mas a renda caiu, e aí essa mercadoria não tem giro". Portanto peçam aos governadores e prefeitos, que fecharam tudo, para subsidiar sua produção! Quando em 2017 pagamos para produzir milho ninguém veio nos subsidiar e nem nos deram essa mídia toda que estão dando para os produtores de suíno e aves. Lei de oferta e demanda.

    12