Do Grão à Barra #41 - A economia por trás da comercialização global de cacau

Publicado em 27/04/2022 07:53 e atualizado em 27/04/2022 08:24
Do Grão à Barra -
Apesar de movimentar bilhões de dólares, concentração de renda fica nas mãos de poucos indivíduos, gerando desigualdade social e situações complexas dentro do setor

Podcast

Do Grão à Barra #41 - Valter Palmiere Junior - Strong Business School

Logotipo Notícias Agrícolas

Cacau e chocolate: desigualdade no universo alimentar, por Valter Palmieri Junior

Pesquisador da Strong School analisa produção de chocolates em países pobres e ricos

O cacau é o principal insumo na fabricação de chocolates e o mais caro também. Não existe chocolate sem o cacau. O chocolate brasileiro é obrigado a ter 25% de cacau na sua composição, esse percentual passou a 27% em 2020, porém a indústria terá 10 anos para se adequar a nova resolução da Anvisa, depois do projeto de lei aprovado na Câmara dos deputados naquele ano. Já o chocolate europeu recebe 35% de cacau mínimo na sua composição. Não é à toa que ele é mais saboroso, macio e mais vendido no mundo inteiro. O mercado de cacau e chocolates aumentou no mundo inteiro nos últimos 20 anos. Em 2000 foram comercializados 7,14 bilhões de dólares em chocolates, em 2020, essa marca passou para 28,6 bilhões. Um aumento de 400%. Claro, não se faz chocolate sem cacau que passou de 2,37 bilhões em 2000 para 8,54 bilhões de dólares em 2020, um aumento de mais de 350% na produção. O Brasil é o 7º produtor de cacau do mundo.

Maior demanda, maiores os valores também. O preço do chocolate em barra e bombons teve uma elevação de 11,6% no último ano, segundo o pesquisador professor Valter Palmiere, da Strong Business School.

Mas o professor vai além de uma análise de mercado e afirma que o cacau e o chocolate são indicadores do distanciamento social e a desigualdade alimentar entre os países no mundo. Valter Palmiere analisou que países mais ricos, principalmente os europeus comercializam e exportam mais o chocolate, produto final do uso do cacau, já países mais pobres, incluindo o Brasil exportam mais o insumo.

Enquanto a Europa exporta o 75% do chocolate pronto, a África apenas 1,4% da produção mundial. O Brasil por exemplo, vende cacau puro para a Suíça por U$3,95 o quilo e importa chocolate suíço a U$7,44/KG.

O professor da Strong explica que matéria prima barata, sem processamento, que não dinamiza a economia interna, com mão de obra barata (há cerca de 2,1 milhões de crianças trabalhando nas plantações de cacau na Costa do Marfim e denúncias frequentes de trabalho escravo), é um dos fatores pelos quais a África e parte menor da América Latina exportam mais cacau.

A África, por exemplo exporta 74% do cacau usado nas fábricas de chocolate do mundo inteiro e 12% é exportado pela América do Sul. Já a Europa, exporta apenas 5,4% da sua produção de cacau. O professor traduz isso em dólares. Enquanto a África, principalmente Gana e Costa do Marfim, exportam 6,32 bilhões de dólares, a Europa exporta 21,43 bilhões de dólares em chocolates. Ou seja, o mercado produtor europeu processa e cria valor agregado a partir de insumos baratos comprados dos países subdesenvolvidos. O cacau é um dos alimentos mais valorizados da natureza. Para os botânicos: um mineral milagroso com a sua alta carga de magnésio. Para os médicos, um aliado no bom funcionamento do coração e do cérebro, além do fortalecer os ossos e um antidepressivo natural. Fez parte da alimentação dos Maias, 900 anos A.C. Foi e ainda é usado como estimulante para os amantes, foi cultuado em religiões, usado como moeda pelos astecas e hoje, é um dos alimentos mais valorizados em qualquer casa. O professor da Strong Business School, evidencia: “o chocolate é maravilhoso e será cada vez mais com a criatividade do ser humano, mas os problemas de desigualdade no universo da alimentação, esse sim, temos que enfrentar “.

WhatsApp Image 2022-04-26 at 19.08.04

 O setor de cacau está passando por um revolução de mercado, muito similar ao que aconteceu com o setor de cafés especiais há alguns anos atrás. A cacauicultura brasileira, que sofreu com grandes perdas devido à doença vassoura de bruxa, vem se reinventando para conquistar novos mercados e dessa forma competir com o mercado internacional.

Nesse contexto, os termos "bean to bar" (do grão à barra) e "tree to bar" (da árvore à barra) se tornaram duas grandes vertentes de marketing que demonstram essa evolução. Assim como no café, o estímulo do "faça você mesmo" tem trazido novos interesses para o mercado de cacau e também novos olhares para o setor de chocolates.

O objetivo do podcast "Do Grão à Barra" é mostrar as histórias por trás desses avanços e assim, mostrar também como os produtores de cacau e o setor de chocolates está crescendo no Brasil. A cacauicultura brasileira é recheada de histórias de conquistas coletivas, de avanços sociais e de crescimento em busca pela sustentabilidade, já que o cacau é uma planta nativa da Amazônia e pode representar o Brasil em pautas relacionadas ao agronegócio ambientalista. 

Tags:
Por:
Ericson Cunha
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário