Citricultores aguardam divulgação de documentos do Cade, explicando funcionamento de Cartel, para buscar indenizações na justiça

Publicado em 05/03/2018 14:49
1201 exibições
Frauzo Ruiz Sanches - Coordenador da comissão especial de Citricultura da Faesp

LOGO nalogo

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) reconheceu a formação de cartel entre indústrias do setor citrícola no período de 1999 a 2006. O processo vem se arrastando desde 2006 com a Operação Fanta e trouxe uma situação instável para o setor, com muitos produtores abandonando a atividade nesse tempo.

Frauzo Ruiz Sanches, da comissão especial de citricultura da Faesp, considera que a finalização desse processo foi importante para o setor, embora tenha sigo "desgastante". Agora, os produtores aguardam pela publicação do histórico de conduta para saber como as indústrias se posicionaram em relação ao caso. Serão mais de R$300 milhões recolhidos das indústrias - que não voltarão para as mãos dos produtores.

O reconhecimento, segundo Sanches, abre um precedente para que todos os produtores que se sentiram lesados com esse tipo de ação possam abrir um novo processo para buscar esclarecimentos, mas é importante aguardar para que a documentação seja divulgada.

Apesar de o reconhecimento ter sido feito até o ano de 2006, Sanches aponta que a prática continuou após esse período, com pico em 2011 e 2012. Para ele, deve haver uma nova investigação, já que o endividamento do setor foi "gigantesco".

Ele também salienta a necessidade de reativar o Consecitrus, um conselho que envolve as três principais entidades do setor, cujas propostas foram recusadas pelas indústrias até então, de forma que Sanches aponta para a avaliação de novas ações ou para a criação de um novo modelo de Consecitrus, buscando soluções.

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário