HOME VÍDEOS NOTÍCIAS METEOROLOGIA FOTOS

Greening: Pesquisa inédita mostra porque poda simples não é eficaz no combate da principal doença da citricultura

Publicado em 03/01/2022 16:51 1221 exibições
Silvio Lopes - Pesquisador Científico do Fundecitrus
Resultados mostram que doença tem evoluído mais lentamente em regiões de verões mais quentes e de invernos mais frios em São Paulo e no Triângulo Mineiro

Podcast

Entrevista Silvio Lopes - Pesquisador Científico do Fundecitrus sobre as Pesquisa inédita do Fundecitrus sobre greening

Logotipo Notícias Agrícolas

Uma pesquisa conduzida no Fundecitrus avaliou o impacto da temperatura na velocidade de translocação da bactéria causadora do greening dentro de uma planta de citros. Os resultados da pesquisa ajudam a entender porque não é possível curar uma planta doente apenas removendo os ramos amarelados –  sintomas da doença – e também porque o greening tem evoluído mais lentamente em regiões de verões mais quentes e de invernos mais frios do estado de São Paulo e Triângulo Mineiro.

A bactéria analisada foi a Candidatus Liberibacter asiaticus (CLas). Descobriu-se que ela se move a uma velocidade média de 2,9 a 3,8 cm por dia. A essas velocidades, uma árvore de, por exemplo, 3 metros de altura, é colonizada dos ramos até as raízes pela bactéria em cerca de 80 a 100 dias. Como esse tempo é mais curto que o tempo necessário para o aparecimento dos sintomas nos ramos da planta infectada, que é de pelo menos 4 meses depois do momento da transmissão da bactéria pelo psilídeo, quando os ramos ficam amarelados, a bactéria já está nas raízes, de onde ela irá invadir qualquer ramo que surja da planta podada ou não. É bom lembrar que plantas menores serão colonizadas pela bactéria em tempo ainda mais curto.

Quanto ao impacto da temperatura, observou-se que a translocação é mais rápida na faixa de temperatura entre 18 e 30 °C, e mais lenta nas faixas de 8 a 20 e de 24 a 38 °C. Por meio de modelagem estatística, estimou-se que 25,7 °C é a temperatura de maior velocidade de translocação.

Leia mais:

+ Agricultura de SP está na batalha para reduzir incidência do greening

+ Fundecitrus produz publicação especialmente dedicada ao greening devido ao agravamento da doença no cinturão citrícola de SP e MG

+ Fundecitrus: Hora de virar jogo contra o greening é agora e produtor precisa avaliar se continua na atividade e se atentar com urgência ao manejo de controle

+ Fundecitrus: Seca prolongada e geada tiram 30 milhões de caixas de laranja da safra 2021/22

 

Contribuições importantes para o controle do greening

A pesquisa traz contribuição em três aspectos importantes para o controle do greening. O primeiro aspecto explica porque não é possível curar uma planta com greening por meio da poda ou termoterapia da copa da planta – esta planta doente deve ser eliminada, porque, com o tempo, irá produzir cada vez menos, e, mais importante, se não for eliminada, continuará servindo de fonte de contaminação das plantas sadias na vizinhança.

O segundo tem a ver com o método usado e os resultados obtidos na pesquisa, que podem ajudar nos testes de novos produtos contra a bactéria – um produto que reduza ou impeça a multiplicação e translocação da bactéria dentro da planta poderá impedir que ela fique doente.

O terceiro tem a ver com a busca de locais com menor risco para iniciar novos plantios de citros – a informação de que em certas faixas de temperatura a bactéria se transloca mais lentamente é mais um dado que o produtor pode usar no momento de escolher uma área ou região, tambem não se esquecendo de que quanto mais distante o local escolhido estiver de pomares abandonados e áreas urbanas, ainda menos arriscado o novo investimento será.

Pela contribuição trazida por esta pesquisa, o artigo contendo os resultados acima foi considerado artigo de destaque do mês de outubro de 2021 pelo editor da Revista Phytopathology, da Sociedade Norte Americana de Fitopatologia.

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário