Colheita da safrinha de milho chega a 25% em Ponta Porã (MS) e confirma quebra de 40% na produtividade

Publicado em 28/07/2016 11:35 e atualizado em 28/07/2016 13:44
624 exibições
Rendimento médio gira em torno de 60 sacas do grão por hectare, contra as 100 scs/ha colhidas no ano anterior. Além do clima, ataque de percevejo nas lavouras também contribuiu para a redução na produtividade. Preços voltaram a subir e saca é cotada ao redor de R$ 39,00 na localidade. Porém, muitos produtores fizeram negócios antecipados entre R$ 20,00 e R$ 22,00/sc.

Em Ponta Porã (MS), a colheita do milho já está completa em 25% da área semeada nesta temporada e a perspectiva é de uma quebra de 40% na produtividade das lavouras. Isso porque, o desenvolvimento das plantações também foi afetado pelo clima bastante irregular nesta safra. O rendimento médio está próximo de 60 sacas por hectare, contra uma média de 100 sacas por hectare dos anos anteriores.

“Além disso, o ataque das pragas nas plantas, especialmente os percevejos e as lagartas também contribuíram para um rendimento menor. E nesse instante, os trabalhos nos campos têm ocorrido de maneira mais lenta, já que os produtores estão deixando o milho secar bem nas lavouras”, destaca o técnico agrícola da região, João Pedro Roma.

Por outro lado, os preços da saca do cereal voltaram a subir na região. Nas últimas semanas, o valor chegou a R$ 32,00 a saca, porém, essa semana, as cotações já retornaram ao patamar de R$ 39,00. “Com isso, os produtores estão cautelosos, vão segurar o produto e vender mais adiante”, completa o técnico agrícola.

Ainda assim, é preciso ressaltar que muitos agricultores fizeram contratos antecipados para a segunda safra. E os valores dos contratos estão abaixo dos praticados atualmente no mercado, já que muitas negociações foram realizadas entre R$ 20,00 a R$ 22,00 a saca.

Safra 2016/17

Os produtores rurais da localidade já se preparam para a nova safra de verão. “Os agricultores já compraram praticamente tudo para a temporada 2016/17, estão bem organizados. E a perspectiva é que a semeadura da soja comece mais cedo esse ano”, finaliza Roma.

Por Fernanda Custódio
Fonte Notícias Agrícolas

Nenhum comentário