Produção de milho brasileira poderia ser entre 5 e 10% maior com controle mais efetivo de pragas

Publicado em 22/09/2020 10:31 e atualizado em 22/09/2020 14:41 774 exibições
Julio Borges - Presidente do Sindiveg
Dados do Sindiveg apontam que país poderia ultrapassar as atuais 100 milhões de toneladas anuais de milho efetuando um controle melhor de pragas e doenças. Por outro lado, produção poderia ser 40% menor do que a atual se nenhum tipo de controle fosse feito

Podcast

Produção de milho brasileira poderia ser entre 5 e 10% maior com controle mais efetivo de pragas

Download

LOGO nalogo

Segundo dados da Conab, o Brasil deve encerrar a safra 2019/20 com 102,503 milhões de toneladas de milho, mas este volume poderia ser até 10% maior, chegando em 112,753 milhões de toneladas, caso o controle de pragas e doenças fosse realizado de uma maneira mais efetiva.

Essa é a estimativa do Sindiveg (Sindicato Nacional da Indústria de Produtos Para Defesa Vegetal), que ainda aponta que a produção poderia ser 40% menor do que a atual, perdendo 41 milhões de toneladas  e sendo de apenas 61,5 milhões de toneladas caso nenhum controle de pragas fosse efetivado nas lavouras.

O presidente do Sindiveg, Júlio Borges, destaca que este controle deve ser feito de maneira planejada e preventiva. As primeiras ações devem acontecer antes mesmo de a safra chegar, já na seleção das sementes utilizadas e se estender sempre de maneira preventiva.

“O cuidado preventivo é crucial para não deixar que nem as doenças e nem os insetos causem danos. Uma vez que o dano foi causado sempre haverá impacto na sua produtividade”, diz Borges.

A liderança ressalta ainda a importância de o produtor realizar todos os seus manejos dentro das orientações de profissionais qualificados e dentro das quantidades recomendadas, não adiantando utilizar mais produtos do que o necessário.

Confira a íntegra da entrevista com o presidente do Sindiveg no vídeo.

Por:
Guilherme Dorigatti
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário