Expectativas para crescimento da economia mundial se deterioram após ataque dos EUA ao Irã, avalia Dumas Damas

Publicado em 06/01/2020 14:58 e atualizado em 06/01/2020 17:13
2601 exibições
Retaliações iranianas e respostas norte-americanas podem redefinir geopolítica global
Roberto Dumas Damas - Economista e Professor do Insper

Podcast

Entrevista com Roberto Dumas Damas - Economista e Professor do Insper sobre a geopolítica e mercado financeiro

Download

LOGO nalogo

Após o ataque norte-americano que matou o comandante iraniano Qasem Soleimani, os mercados de commodities entraram em parafuso. O aumento das tensões entre Estados unidos e Irã fizeram com que os investidores recuassem, no aguardo de uma resposta ao ataque que teve como alvo o 2º maior representante iraniano. Soleimani era comandante da Guarda Revolucionária do Irã e foi peça fundamental na criação de milícias em países do Oriente Médio.

Após sua morte, o governo iraniano prometeu retaliação aos EUA e é exatamente na forma de como essa resposta deve ocorrer que poderá mudar a geopolítica global. Para Roberto Dumas Damas, economista e professor do Insper, poderão ocorrer desde ataques a bases americanas no Oriente Médio até a atividades terroristas na Europa ou na América do Norte. "Quando essas retaliações acontecerem, os Estados Unidos precisarão se posicionar, ainda mais se for um ataque em solo de algum país aliado", supôs o economista.

Um possível ataque que não for respondido à altura poderia alterar a geopolítica global, explica Dumas Damas, já que isso pode demonstrar falta de interesse americano em proteger seus aliados que compõem a OTAN.  "Estamos aqui no mundo das suposições, mas são cenários que precisam ser avaliados", disse o economista.

De qualquer forma, a já frágil economia global inicia o ano de 2020 com perspectivas piores que o final de 2019. Diante disso, o Brasil tem que tomar uma posição de neutralidade e defender seus próprios interesses econômicas, recomendou.

Veja também:

>> Após susto com ataque, preços de soja e demais commodities devem se recompor, analisa Ênio Fernandes

CENÁRIOS-Da guerra à diplomacia, Irã avalia resposta ao assassinato de Soleimani

LOGO REUTERS

Por Parisa Hafezi

DUBAI (Reuters) - Os líderes do Irã prometeram vingar o assassinato pelos Estados Unidos do general Qassem Soleimani, comandante da Força Quds da Guarda Revolucionária.

Aqui estão algumas das opções de Teerã:

PODER MILITAR

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, e o presidente dos EUA, Donald Trump, falam duramente, mas nenhum deles sinalizou interesse em uma guerra total, embora a possibilidade de confronto militar não possa ser descartada.

Se Khamenei defender moderação, ele pode parecer fraco dentro de seu país e entre representantes regionais. Portanto, ele pode optar por retaliação em pequena escala.

Karim Sadjadpour, membro sênior do Carnegie Endowment for International Peace, disse que Khamenei precisa calibrar cuidadosamente a reação. "Uma resposta fraca arrisca perder respeito, uma resposta excessiva pode colocar em risco seu poder."

Um relatório da Agência de Inteligência de Defesa dos EUA em dezembro afirmou que o Irã depende de três principais capacidades militares --seu programa de mísseis balísticos, forças navais que podem ameaçar a navegação na região produtora de petróleo do Golfo e milícias aliadas em países como Síria, Iraque e Líbano.

O Irã diz ter mísseis guiados com precisão, mísseis de cruzeiro e drones armados capazes de atingir as bases militares dos EUA no Golfo e chegar a Israel, arqui-inimigo do governo iraniano.

Teerã ou seus representantes podem atacar navios petroleiros no Golfo e no Mar Vermelho, usando rotas de petróleo e outras trocas comerciais que ligam o Oceano Índico ao Mediterrâneo através do Canal de Suez.

BLOQUEIO DO ESTREITO DE HORMUZ

O Irã não pode fechar legalmente o Estreito de Ormuz unilateralmente, porque parte está nas águas territoriais de Omã. No entanto, os navios passam pelas águas iranianas, que estão sob a responsabilidade da Marinha da Guarda Revolucionária Islâmica.

Teerã poderia usar mísseis, drones, minas e lanchas para enfrentar os Estados Unidos e seus aliados no estreito, por onde passa um quinto da produção mundial de petróleo. Qualquer interrupção pode elevar os preços do petróleo acentuadamente.

TÁTICAS ASSIMÉTRICAS E ALIADOS

O Irã transmitiu armas e conhecimentos técnicos aos aliados. Os houthis do Iêmen usaram mísseis e drones fabricados no Irã para bombardear aeroportos na Arábia Saudita.

Os Estados Unidos e a Arábia Saudita acusam o Irã de atacar navios petroleiros perto do Estreito de Ormuz no ano passado e dizem que Teerã estava por trás de ataques a instalações de petróleo sauditas. Teerã nega.

Milícias apoiadas pelo Irã no Iraque têm atacado bases onde estão localizadas as forças dos EUA. Em junho, o Irã derrubou um drone norte-americano com um míssil terra-ar, deixando os dois lados à beira de um conflito direto.

LONGO ALCANCE DO IRÃ

O Irã e seus aliados podem projetar poder além da região.

Em 1994, um membro do movimento libanês Hezbollah fez um ataque com bomba no edifício da Sociedade de Ajuda Mútua Judaica Argentina em Buenos Aires, matando 85 pessoas. A Argentina culpou o Irã e o Hezbollah pelo ataque. Eles negam qualquer responsabilidade.

A Argentina também culpou o Hezbollah por um ataque à embaixada de Israel em Buenos Aires em 1992, que matou 29 pessoas.

DIPLOMACIA

Os líderes iranianos já mantiveram a porta aberta à diplomacia para alcançar os objetivos, especialmente quando sua economia foi esmagada pelas sanções dos EUA.

"O Irã e a América trabalharam juntos no passado, no Afeganistão, no Iraque e em outros lugares. Eles têm interesses e inimigos em comum. Um confronto militar será caro para ambos os lados. Mas a diplomacia pode resolver muitos problemas e é uma opção", disse um diplomata regional sênior.

(Reportagem adicional de Babak Dehghanpisheh)

Por: Carla Mendes e Ericson Cunha
Fonte: Notícias Agrícolas

1 comentário

  • Fernando Cardoso Gonçalves Santiago - RS

    Eu vejo como a mente viaja e como é possível perceber que nada é tão simples. O professor, divagou... mas apenas isso é preciso perceber que os atores estão em uma guerra há anos. O próprio Presidente Trump publicou em suas redes sociais, que a execução da eliminação do principal terrorista no mundo foi uma ação para TERMINAR com a guerra e não para iniciar com ela. E mais, junto com o Major-General havia outro que lhe assessorava e o sistema teocrático levou um duro golpe na sua estrutura. Isso quer dizer, que os iranianos, poderão, sim, fazer bobagem daqui em diante. Mas nada dessas hipóteses faladas pelo entrevistado ocorrerão.

    2
    • Rodrigo Domingues Franz Piratini - RS

      Exato! Um aditivo ao seu texto Fernando, além disso a guerra serve pra desestabilizar economicamente países que vem crescendo em concorrência econômica com os EUA, e mostrar poderio de fogo contra o terrorismo. A decisão de Trump é extremamente estratégica, matando alguns "coelhos" com uma cajadada só!

      1