Gen. Heleno fala que o Congresso está chantageando o presidente, mas a mídia quer calar o mensageiro

Publicado em 20/02/2020 17:54
2826 exibições
Entrevista com Antônio Fernando Pinheiro Pedro - Advogado e Vice-Presidente da Associação Paulista de Imprensa
Antônio Fernando Pinheiro Pedro - Advogado e Vice-Presidente da Associação Paulista de Imprensa

Podcast

Gen. Heleno fala que o Congresso está chantageando o presidente, mas a mídia quer calar o mensageiro

Download

‘Não tenho habilitação para dirigir retroescavadeira’, ironiza Bolsonaro (em O Antagonista)

Em sua live desta quinta-feira, Jair Bolsonaro criticou indiretamente Cid Gomes, baleado ao investir com uma retroescavadeira contra um quartel tomado por PMs amotinados em Sobral, no Ceará.

Em um trecho da transmissão, da qual participou Onyx Lorenzoni, o presidente perguntou ao novo ministro da Cidadania:

“Aquele cara lá –não fala o nome dele, não– que subiu no trator e foi empurrar o portão lá com crianças, com mulheres, ele agiu corretamente ou não?’

“Evidente que não, né, presidente? Aí é uma irresponsabilidade, um desequilíbrio, um ato que colocou em risco a vida de muitas e muitas pessoas”, respondeu Onyx.

Mais tarde, Bolsonaro disse que deve passar o Carnaval no Guarujá e que, embora fique em lugares reservados, sempre procura “dar uma fugidinha”.

“Na penúltima vez, eu dei uma fugida de moto lá pela cidade. A imprensa foi logo atrás para saber se eu tinha habilitação ou não”, ironizou o presidente.

“Olha: eu não tenho habilitação para dirigir retroescavadeira, isso eu posso garantir para vocês. Mas motocicleta, eu tenho”, acrescentou.

Deputados registram BO contra Cid Gomes por atentado contra a vida de PMs (Estadão)

Os deputados federais Capitão Wagner (Pros-CE), Major Fabiana (PSL-RJ) e Capitão Alberto Neto (Republicanos-AM) registraram boletim de ocorrência contra o senador licenciado Cid Gomes (PDT) por tentativa de homicídio. A justificativa é de que Cid atentou contra a vida dos policiais militares em Sobral (CE) na última quarta-feira, 19, quando tentou invadir o quartel com um trator e foi baleado.

O BO foi registrado na noite de quarta-feira, no 34º Distrito Policial, em Fortaleza. No documento, Capitão Wagner noticia os crimes cometidos por Cid Gomes de dano ao patrimônio público ao tentar entrar na sede do Batalhão da Polícia Militar de Sobral derrubando o portão com o trator.

O quartel da Polícia Militar estava ocupado por agentes grevistas encapuzados e seus familiares. Depois de ser baleado, Cid foi operado no Hospital do Coração de Sobral e transferido a Fortaleza no início da tarde desta quinta-feira, 20. O Estadoapurou que Cid foi atingido por dois tiros de pistola calibre .40, arma padrão das Polícias Militares, que atingiram a região do tórax. O comando da PM do Ceará está tratando o caso como tentativa de homicídio.

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) criticaram nesta quinta, a paralisação dos policiais militares de Sobral, sob a alegação de que o movimento é "ilegal". A Constituição Federal proíbe a sindicalização e a greve de militares. Antes do episódio envolvendo o senador licenciado, homens que foram identificados como policiais encapuzados circularam pelo centro de Sobral ameaçando comerciantes com armas de fogo para fecharem seus estabelecimentos.

Bolsonaro assina GLO para Fortaleza e volta a defender 'excludente de ilicitude'

O presidente Jair Bolsonaro assinou decreto que institui Garantia da Lei e da Ordem (GLO) em Fortaleza no fim da tarde desta quinta-feira, 20. A informação foi anunciada pelo presidente ao chegar no Palácio da Alvorada. "Acabei de assinar a GLO para Fortaleza. O governador (Camilo Santana) preencheu os requisitos", disse Bolsonaro a jornalistas.

Em seguida, o presidente afirmou que o governo precisa do Parlamento para que seja aprovado o excludente de ilicitude, que acabou ficando de fora do pacote anticrime defendido pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Bolsonaro disse que a medida poderia dar amparo aos militares que irão atuar no Ceará durante operações de GLO.

"Deixo bem claro uma coisa, a gente precisa do Parlamento para que seja aprovado o excludente de ilicitude. Minha consciência fica pesada nesse momento porque tem muito jovem de 20 anos de idade que está na missão (da GLO). É uma missão que se aproxima a uma de guerra", disse o presidente.

"Depois, caso tenha qualquer problema, pode ser julgado por lei de paz. Então, nós temos que dar garantida jurídica, retaguarda jurídica a esses militares das Forças Armadas que estão nessa missão. É irresponsabilidade nós continuarmos fazendo essa operação sem dar essa garantia aos integrantes das Forças Armadas", declarou Bolsonaro.

Sobre o episódio envolvendo o senador Cid Gomes (PDT-CE) - que foi baleado ontem após tentar invadir quartel tomado por policiais amotinados -, o presidente disse que "imagens valem mais do que milhões de palavras".

Ministros do STF consideram ilegal greve de PMs no Ceará

Um dia depois de o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) ser atingido por tiros de pistola durante protesto, ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) criticaram nesta quinta-feira, 20, a paralisação de policiais militares em Sobral (CE), sob a alegação de que o movimento é "ilegal". A Constituição Federal proíbe a sindicalização e a greve de militares.

Para o ministro Ricardo Lewandowski, a situação no Ceará é "preocupante". "É um perigo para as instituições. Não pode nenhuma corporação armada pode fazer greve", disse Lewandowski. "Como ministro do Supremo Tribunal Federal, acho que é extremamente preocupante uma greve de policiais militares ou qualquer corporação armada. É constitucionalmente vedado que corporações armadas façam greve."

Cid Gomes foi atingido por dois tiros de pistola na última quarta-feira, ao tentar romper um bloqueio de policiais grevistas da PM do Ceará com uma retroescavadeira em Sobral, no interior do Estado. O comando da PM do Ceará está tratando o caso como tentativa de homicídio.

Os disparos atingiram a região do tórax do senador, segundo o Hospital do Coração de Sobral, onde Cid foi operado. Em boletim divulgado por volta das 20h de quarta-feira, o hospital disse que o senador respira sem ajuda de aparelhos. De acordo com informações de hoje da assessoria do parlamentar, Cid foi transferido de Sobral para um hospital em Fortaleza, onde passará por mais exames e ficará em observação até alta médica.

Ex-ministro da Justiça e ex-secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, o ministro Alexandre de Moraes endossou as críticas. "O que vem acontecendo no Ceará é inadmissível. Crime de dano ao patrimônio público, destruindo viaturas, tiros", afirmou Moraes.

"Eu não entro no mérito dos fatos porque não estava lá. Mas onde já se viu policial que se queira policial - e eu tenho certeza que no STF não tem ninguém que tem mais admiração pela polícia do que eu -, mas como se pode disparar tiros a esmo, podia ter sido um morticínio (massacre) gigantesco. É ilegal e tem que ter consequências tanto na Justiça comum quanto na criminal", completou Moraes.

Em abril de 2017, o STF decidiu que os policiais civis de todo o País não têm direito à greve. Os ministros também firmaram na época o entendimento de que o exercício do direito de greve é vedado a todos os servidores públicos que atuem diretamente na área de segurança pública.

Cid Gomes chega a Fortaleza transferido de Sobral

O senador Cid Gomes (PDT) foi transferido de Sobral, no interior do Ceará, e chegou a Fortaleza no início da tarde desta quinta-feira, 20. Ele está internado em observação no hospital Monte Klinikum, no bairro Aldeota, área nobre da capital. Cid chegou em uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), de maca, mas aparentando saúde estável.

O senador licenciado foi baleado nesta quarta-feira, 19, ao avançar contra o portão de um quartel onde policiais militares estavam amotinados, em Sobral, distante 270 quilômetros da capital cearense. Os PMs protestam contra proposta de reestruturação salarial.

Cid Gomes chegou a Fortaleza acompanhado do governador Camilo Santana (PT), do prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), do presidente da Assembleia Legislativa, José Sarto (PDT), e do secretário de saúde do Estado, Dr. Cabeto.

De acordo com a assessoria de comunicação de Cid Gomes, há um projétil ainda alojado no corpo do senador e só o boletim médico pode confirmar a retirada por cirurgia. No hospital, ele passará por mais exames e ficará em observação até alta médica.

Fonte:
Notícias Agrícolas/AgenciaEstado

2 comentários

  • Aloísio Brito Unaí - MG

    Acredito que a maioria do povo brasileira te apóia General Heleno. Esse Congresso já não tem nenhuma credibilidade há muitos anos. Todos nós sabemos quem são. Seus líderes então, sem credibilidade nenhuma. Esperneiam mas sabem que a maioria do povo está contra os senhores. Sem mais.

    3
    • EDMILSON JOSE ZABOTT PALOTINA - PR

      Sr. Aloísio, com certeza a grande maioria da população está com o Gen. Heleno, em relação à sua fala denunciando a chantagem que o Congresso está fazendo contra o governo Bolsonaro. O objetivo é intimidar o Presidente, pois na hora em que a casa destes pelegos cairem não vai ter apelação ou acordo que os livrem do inferno. Agora a população brasileira precisa dar total apoio ao Presidente, ao Gen. Heleno e todos seus ministros.... Vamos ver quem vai ter apoio de verdade.

      2
  • Rodrigo Polo Pires Balneário Camboriú - SC

    Grandes esclarecimentos nessa entrevista. Parabéns ao João Batista e ao Fernando Pinheiro Pedro, que conhece muito da história politica brasileira, e nos mostra isso ao recordar Carlos Lacerda, Getúlio Vargas..etc... Fico contente também que amigos tão distintos compartilhem a mesma idéia de que é preciso participar, acompanhar, a reforma administrativa, tributária, e, por que não, a reforma politica, que distancia o eleitor do eleito com seus votos em legenda proporcionais. Quem não luta não tem o direito de reclamar.

    1