Não se deixem levar pelo pânico criado pela imprensa e pelos especuladores, diz o analista Paulo Moura

Publicado em 03/03/2021 16:46 e atualizado em 03/03/2021 17:33 170 exibições
Tempo & Dinheiro - Com João Batista Olivi

Lira diz que são infundadas especulações sobre furar teto dos gastos

LOGO REUTERS

(Reuters) - O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta quarta-feira que são infundadas as especulações em torno de alguma forma de se furar o teto de gastos e garantiu que as duas Casas do Congresso não votarão matéria com excepcionalidades ao teto.

"Quero deixar claro q/ são infundadas todas as especulações sobre furar o teto", disse Lira no Twitter.

"Tanto o Senado quanto a Câmara votarão as PECs sem nenhum risco ao teto de gastos, sem nenhuma excepcionalidade ao teto. Essas especulações não contribuem para o clima de estabilidade e previsibilidade", acrescentou.

Em momento crítico da crise do coronavírus, Bolsonaro afirma que "criaram pânico"

LOGO REUTERS

BRASÍLIA (Reuters) - No pior momento da pandemia de Covid-19 no país, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que "criaram pânico" em torno da nova doença e voltou a criticar medidas mais restritivas adotadas por governadores para conter a disseminação do vírus.

Bolsonaro disse ainda, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, que seu pronunciamento, quando ocorrer, tratará da pandemia e das vacinas, e aproveitou para defender a atuação no processo de imunização.

"Criaram pânico, né? O problema está aí, lamentamos. Mas você não pode entrar em pânico. Que nem a política, de novo, do fique em casa. O pessoal vai morrer de fome, de depressão?", disse a um dos apoiadores.

As declarações de Bolsonaro ocorrem após o Brasil ter registrado na terça-feira recorde de mortes por Covid-19 em um único dia, com 1.641 novos óbitos, elevando o total desde o início da pandemia para 257.361. Mais de 10,6 milhões de pessoas já foram infectadas pelo novo coronavírus.

Mesmo um órgão federal, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), destacou, em nota técnica publicada na terça-feira, que a rápida aceleração da pandemia verificada desde janeiro resultou no pior cenário de ocupação de leitos de UTI para Covid-19 em vários Estados e capitais do país, com 19 unidades da Federação apresentando taxas de ocupação de leitos superiores a 80%.

Nesta quarta-, Bolsonaro aproveitou a conversa com apoiadores para atacar a imprensa, afirmando que ignorá-la é a "maneira" de "pensar em coisas sérias". O presidente disse ainda que "para a mídia, o vírus sou eu".

"Se você ler a imprensa, você não consegue viver. Então, faz o que eu faço: cancelei desde o ano passado todas as assinaturas de jornais e revistas", afirmou.

Se STF autorizar, tenho plano pronto para pandemia, diz Bolsonaro

Diz que hoje não tem “autoridade”; “Estou pronto para botar meu plano” (no Poder360)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 4ª feira (3.mar.2021) que tem um plano pronto para conter a pandemia de covid-19 no Brasil. Deu a declaração depois de visita à residência oficial do embaixador do Kuwait, em Brasília. Comentava a sugestão dada por secretários de saúde para impor um toque de recolher nacional.

A jornalistas, o presidente reclamou de ter sido convocado pelos representantes locais para dirigir uma medida nacional apenas 1 ano depois do início da pandemia e ironizou: “Agora? 1 ano depois? Lembraram de mim 1 ano depois? Estão sendo pressionados pela população que não aguenta mais ficar em casa e que tem que trabalhar por necessidade”.

“Se eu puder decidir, tenho o meu plano, o meu projeto pronto para botar em prática no Brasil. Agora preciso de autoridade. Se o Supremo Tribunal Federal achar que pode dar o devido comando dessa causa a um poder central, que eu entendo ser legítimo e meu, eu estou pronto para botar o meu plano [em prática]”, disse. Perguntado, o presidente não quis dar mais detalhes.

O plenário do STF  acolheu em 15 de abril de 2020, por unanimidade, ação apresentada pelo PDT contra vários dispositivos da Medida Provisória 926 de 2020, que atribuiu à Presidência da República a centralização das prerrogativas de isolamento, quarentena, interdição de locomoção e de serviços públicos e atividades essenciais durante a pandemia.

Os autores da ação alegaram que a MP esvaziava a competência e a responsabilidade constitucional de Estados e municípios para executar medidas sanitárias, epidemiológicas e administrativas relacionadas ao combate ao novo coronavírus.

RECURSOS PARA ESTADOS

Bolsonaro também afirmou nesta 4ª feira que governadores pediram ao governo federal mais recursos para conter os efeitos da pandemia de covid-19 e abrir novos leitos de UTI (unidade de terapia intensiva) em seus Estados. O chefe do Executivo disse a jornalistas que a União fará “o que for possível para preservar vidas”.

“Ontem os governadores pediram mais recursos. Vou conversar com Pazuello. Ele não é dono da chave do cofre, mas o que for possível fazer, a gente vai fazer para preservar vidas”, declarou.

Nós aqui não nos furtamos a liberar recursos para isso, agora foi liberada uma quantidade enorme de recursos no ano passado, não quero culpar ninguém de nada, nem desconfiar ninguém de nada, mas foram recursos vultuosos que grande parte do problema poderia ter solucionado”, disse o presidente. E completou: “Agora veio uma 2º onda, uma cepa nova que ninguém esperava isso aí.” 

Governo deve apurar “interesses” que obrigam importar diesel, diz Bolsonaro

Fala em aumentar capacidade de refino; Diz que haverá nova alta no petróleo (no Poder360)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 4ª feira (3.mar.2021) que terá de investigar supostos interesses que obrigam o Brasil a importar óleo diesel e consequentemente a refinar menos petróleo.

“Eu lamento informar, mas parece que nós poderíamos estar refinando mais e há algum interesse, que temos que apurar se é verdadeiro ou não, em refinar menos para nos obrigar a importar o óleo diesel”, disse o presidente a jornalistas na residência do embaixador do Kuwait em Brasília.

Segundo Bolsonaro, essa prática encareceria o produto final, ou seja, o preço do combustível no Brasil.

Para contextualizar a suposição, o presidente afirmou que a refinaria do país de um dos embaixadores presentes no encontro tem operado apenas com 70% de sua capacidade e que isso poderia acontecer no Brasil.

Bolsonaro disse aos jornalistas que poderá haver uma nova alta no preço do petróleo nas próximas semanas. Afirmou ainda que isso reforça que a troca no comando da estatal foi positiva.

A notícia não muito boa, é no petróleo. Obviamente, eles acham que o preço ainda não está muito adequado, pode ser que teremos uma alta no petróleo nas próximas semanas, complica pra gente”, disse. E completou: “Isso reforça o nosso interesse em, efetivamente, mudar o presidente da Petrobras”.

Bolsonaro afirmou mais uma vez que não interferiu nem interferirá na Petrobras, mas que o general Joaquim Silva e Luna, indicado para o comando, poderá ajudar a combater cartéis e fraudes.

“Nós queremos não interferir – como nunca interferimos, isso nunca existiu não falei ‘desfaz esse reajuste, não quero reajuste na semana que vem’. Agora a Petrobras pode colaborar com outros órgãos no combate a cartéis, adulteração de combustível e a questão de diversificarmos o máximo possível das refinarias”, disse.

Fonte:
Notícias Agrícolas/Poder360

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário