Safra 2015/16: Clima seco e quente reduz o potencial produtivo da soja em Sinop/MT; replantio é inviável

Publicado em 15/12/2015 16:01
Soja 2015/16: Lavouras na região de Sinop/MT já apresentam redução no potencial produtivo em função das chuvas escassas e das elevadas temperaturas. Recuperação é limitada. Replantio está inviabilizado pelo tempo e pelas previsões, que ainda sinalizam poucas precipitações. Em algumas áreas do estado não chove há quase 30 dias.

O baixo volume de chuvas no Brasil Central, influenciado pelo fenômeno climático El Niño, tem prejudicado as lavouras de soja na região de Sinop (MT). Algumas localidades estão a mais de 30 dias sem chuvas, e mesmo com a necessidade de replantio, os produtores não encontrar um período adequado para realizar a semeadura.

Com a falta de água e altas temperaturas, a plantas não se desenvolvem bem, e já apresentam redução no potencial produtivo. As previsões climáticas indicam que as chuvas só retornaram para a região na última semana de dezembro, e a preocupação agora é se a soja terá condições de se manter até lá.

Segundo o vice-presidente do sindicato rural, Leonildo Barei, nos últimos dias volumes baixos de precipitações chegou ao município o "que mantém a soja em estado vegetativo, mas sofrido, e sem previsão de chuva forte para que as plantas venham a se recuperar. O problema maior é que em algumas áreas não é possível nem a recuperação", declara Barei.

O vice-presidente explica que as lavouras semeadas mais cedo estão em situação mais grave, sendo boa parte delas irrecuperáveis, pois já estão na fase de enchimento de grão. No caso das áreas cultivadas mais tarde, se a chuvas retornarem a região, ainda é possível restabelecer parte do potencial produtivo.

"A maioria das lavouras não recupera, elas mal conseguiram encher o grão, as áreas plantadas dentro do mês de outubro não tem mais o que fazer. E as lavouras cultivadas em novembro a situação é mais critica, porque o estresse hídrico impediu que as plantas saíssem do chão", alerta o vice-presidente.

Diante desse cenário, Barei afirma que mais de 80% das lavouras no Estado estão em condições ruins ou péssimas, e contesta as projeções de safra da Conab que estima 102,5 milhões de toneladas nessa temporada, haja vista os problemas climáticos nas regiões Sul, Centro-Oeste e Matopiba.

Tags:
Por:
João Batista Olivi e Larissa Albuquerque
Fonte:
Notícias Agrícolas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

1 comentário

  • Luis Kurati Recife - PE

    Boa noite João Olivi! Caso continue a estiagem, já tem uma estimativa de quebra na safra brasileira de soja?

    E quanto impactaria na cotação de Chicago que fechou hoje (15/12) @ $ 867,250 cent/bushel... o produtor pode esperar para fixar acima de $ 10.00,00 cent/bushel?

    Obrigado pela atenção.

    2