Apesar da oferta recorde de soja apontada pelo relatório do USDA, crescimento da demanda ajudará manter preços do grão

Publicado em 12/09/2017 17:05
1227 exibições
Diferença entre oferta (sem considerar estoques) e demanda mundial é de pouco mais de 3 milhões de toneladas
Confira a entrevista com Vlamir Brandalizze - Analista de Mercado

LOGO nalogo

Após o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) surpreender e estimar uma safra de soja de 120 milhões de toneladas para os Estados Unidos, o mercado encerrou com 9 a 10 pontos de baixa nos principais vencimentos, levando em consideração outras variáveis apontadas no relatório divulgado pelo órgão.

Vlamir Brandallize, analista de mercado da Brandalizze Consulting, visualiza que as lavouras regulares e o clima favorável, além da área maior de soja, de 36,2 milhões de hectares, justificam os números divulgados pelo USDA. O mercado em si, por sua vez, também levou em consideração fatores como o aumento das exportações da safra velha para 59,5 milhões de toneladas e a diminuição dos estoques finais para 9,4 milhões de toneladas.

Ele avalia que o USDA caminha para números próximos da realidade da demanda e que um mercado abaixo de US$9,50/bushel estimularia o lado comprador, revertendo a pressão de venda. Por sua vez, a demanda também se confirma maior e, como lembra Brandalizze, o USDA ainda não avaliou a demanda brasileira atual, que bateu recorde de exportação no final de agosto e caminha em um bom ritmo no mês de setembro.

Quanto às vendas brasileiras, ele diz que se o produtor deixar para negociar mais adiante, podem ocorrer problemas de falta de caixa, já que há risco de enfrentar a alta dos fretes. O início da colheita nos Estados Unidos tambem pode apresentar impacto para os preços no mercado, tanto fisicamente quanto psicologicamente.

Nos portos, o mercado começou a trabalhar a R$70 pela manhã, quando houveram negócios. Depois, o mercado caiu para a margem de R$68,50 e encerrou o dia trabalhando a R$69,50 com o aumento do dólar em relação ao real.

 

Por: Aleksander Horta e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário