Soja: Preços em Chicago estão defasados em relação ao quadro global de oferta e demanda

Publicado em 02/05/2018 11:51 e atualizado em 02/05/2018 17:36
8016 exibições
Para consultor, formação real dos preços para a soja brasileira virá via prêmios - que ainda superam US$ 1,00 sobre as cotações da CBOT - e a demanda intensa pelo produto nacional. Demanda é muito intensa e oferta mundial é cerca de 21 mi de t menor do que a da temporada anterior.
Liones Severo - Consultor de Mercado do SIMConsult

Podcast

Perspectivas para os preços da soja com Liones Severo - Consultor de Mercado do SIMConsult

Download

LOGO nalogo

Em um momento no qual os preços da soja buscam direcionamento no mercado e os produtores vivem momentos de incerteza e indefinição em seus negócios, o Notícias Agrícolas conversou nesta quarta-feira (02) com Liones Severo, consultor de mercado do SIMConsult.

Severo destacou que o mercado físico brasileiro, neste momento, está descolado de Chicago. Os prêmios têm atendido a conveniência dos produtores, com soja sendo vendida de US$11,50/bushel a US$12/bushel. Para ele, o mercado passa por uma transformação e não se sabe o que irá ocorrer daqui em diante.

Com a falta de soja da Argentina, o farelo deve ser, até certo ponto, o foco das altas. Contudo, a soja em grão tem tudo para assumir esse posto por si só, já que ela é a matéria prima e o esmagamento tende a ser maior para atender à demanda internacional.

O mercado de derivativos de Chicago, como observa o consultor, ignora a natureza do produto em muitas de suas negociações, mas o impacto de algumas situações é inevitável nos preços. Os mapas dos Estados Unidos, neste momento, mostram um cenário de seca muito semelhante ao ano de 2012, quando a soja atingiu patamares recordes na Bolsa. Severo não acredita que esse cenário deva se repetir, já que o mercado mudou muito em suas relações, mas que algum impacto deva ocorrer em consequência disso.

Mapas comparativos da seca nos EUA 2012 x 2018

Mapas do Drought Monitor comparam a seca de 2012 - na imagem à direita - com a de 2018

Da parte dos consumidores chineses, ele também destaca que os produtores granjeiros estão cada vez mais tecnificados no país asiático, com uma série de silos modernos e novas pocilgas que devem trazer um novo incremento na demanda por soja, mais especificamente farelo para a alimentação dos suínos. O país, afinal, possui o maior plantel de suínos do mundo .  

Novas pocilgas na China

Novas pocilgas na China

Uma delegação norte-americana também deve conversar em breve com o primeiro-ministro chinês a respeito dos embargos ao grão dos Estados Unidos, mas o consultor pontua que os asiáticos "não podem viver sem essa soja".

Os produtores brasileiros, por sua vez, tendem a esperar um melhor desempenho do mercado climático norte-americano, bem como aguardar o desenvolvimento da safra de milho, sendo a soja restante uma espécie de "poupança" para vender mais adiante e cobrir os custos. No entanto, Severo afirma que trata-se de um bom momento, de bons preços e que algumas vendas poderiam trazer resultados interessantes aos sojicultores brasileiros. 

Tags:
Por: Carla Mendes e Izadora Pimenta
Fonte: Notícias Agrícolas

3 comentários

  • Fabiana Fagundes Barasuol Cruz Alta - RS

    O Brasil é um grande produtor e exportador de commodities. As principais commodities produzidas e exportadas por nosso país são: petróleo, café, suco de laranja, minério de ferro, soja e alumínio. Se por um lado o país se beneficia do comércio destas mercadorias, por outro o torna dependente dos preços estabelecidos internacionalmente. Quando há alta demanda internacional, os preços sobem e as empresas produtoras lucram muito. Porém, num quadro de recessão mundial, as commodities se desvalorizam, prejudicando os lucros das empresas e o valor de suas ações negociadas em bolsa de valores.

    0
  • Eduardo Lima Porto Porto Alegre - RS

    Como sempre o meu amigo Liones Severo nos brinda com uma análise abrangente e, ao mesmo tempo, precisa do cenário. Uma verdadeira aula!

    0
    • CARLO MELONISAO PAULO - SP

      Eu acho que o sr Liones deveria escrever um livro sobre comercialização de commodities----Seria de extrema utilidade para nos' produtores, pois como somos pouco familiarizados no assunto o livro seria bom porque nos permitiria consultar quando quiséssemos aprender

      0
  • Edmundo Taques Ventania - PR

    Excelente entrevista Professor Liones!!! Sempre iluminando o produtor! Não estava logado quando do momento da entrevista do Senhor e perdi de fazer uma pergunta..., se possível, gostaria de saber sobre o mercado de soja convencional, aquecido? preços? demanda/oferta?? Um grande abraço e obrigado

    0
    • LIONES SEVEROPORTO ALEGRE - RS

      Caro Edmundo Taques, agradeço a atenção. A demanda por soja convencional tem aumentado com remuneração adicional ao redor de us$ 60,00 p/t. Entretanto como são mercados especiais não estou em condições de lhe oferecer um cenário completo sobre oferta & demanda global. Toda a produção de soja na China é de soja convencional e destinada ao consumo humano com contrato diferenciado na Bolsa de Dalian e remuneração de 30/40% acima da soja transgênica importada. Havia a expectativa que seria um destino altamente remunerador para a soja convencional, porém algumas empresas embarcaram soja transgênica como convencional e o governo chinês suspendeu a importação deste material. Minha percepção é que esse produto desperta cada vez mais interesse dos consumidores. abraços

      1
    • EDMUNDO TAQUESVENTANIA - PR

      Mais uma vez agradeço Mestre Liones!! Um grande abraço

      0