Além de correção técnica, alta da soja em Chicago teve suporte de clima desfavorável nos EUA e dólar

Publicado em 06/07/2018 17:59 e atualizado em 08/07/2018 14:04
6640 exibições
Com início da guerra comercial EUA X China, mercado pondera impacto das taxações e muda rumo das negociações
Marlos Correa - Analista Insoy Commodities

Podcast

Entrevista com Marlos Correa - Analista Insoy Commodities sobre o Fechamento de Mercado da Soja

Download

Soja surpreende e fecha com mais de 4% de alta na Bolsa de Chicago (por CARLA MENDES, do NA)

Em mais uma semana que parecia perdida para os preços da soja, o mercado na Bolsa de Chicago mudou de mão e fechou o pregão desta sexta-feira (6) com alta de quase 40 pontos entre os contratos mais negociados. Dessa forma, as cotações conseguiram acumular altas de mais de 1% no balanço semanal, para o julho/18 fechar nos US$ 8,74 e o o agosto/18 nos US$ 8,77 por bushel. O novembro/18 voltou a se aproximar dos US$ 9,00 e ficou em US$ 8,94. 

As altas surpreenderam consultores e analistas, uma vez que seria neste 6 de julho a data limite para o início da vigoração das tarifações de China e Estados Unidos, efetivando o início de uma guerra comercial que, até então vinha sendo trabalhada somente nos discursos e ameaças. 

E foram estas ameçadas, ainda segundo os executivos, que vinham sendo amplamente precificadas pelo mercado ao longo dos últimos meses e, na medida em que os preços registram mínimas severas na CBOT, atraíram uma importante recompra de posições por parte dos fundos investidores. Os preços alcançaram patamares beirando as mínimas de uma década.

Como explicou o consultor de mercado Carlos Cogo, da Carlos Cogo Consultoria Agroeconômica, o mercado teria ainda "sobreprecificado" essa guerra comercial, levando os preços a patamares muito baixos. "E tudo o que pe exagero precisa ser corrigido", explica, sinalizando a possibilidade de uma retomada - mesmo que leve - das cotações na medida em que as informações comecem a ser digeridas e os negócios, acomodados. "Teremos que avaliar os reflexos do sim ou do não". 

É consenso entre os analistas e consultores, portanto, que o mercado buscou, nesta sexta-feira ao subir mais de 4% em Chicago, confirmar o conhecido movimento do "vender no boato e comprar no fato". 

"Acredito que o mercado sobe nesse momento porque estava muito pressionado e, enfim, chegou a hora da verdade. A China esperou que os EUA dessem o primeiro tiro nesta guerra, por isso - apesar de fuso horário 12 horas a frente de Washington - eles esperaram os EUA executarem o primeiro movimento", disse o economista e analista de mercado Camilo Motter, da Granoeste Corretora de Cereais.

As incertezas, no entanto, ainda são muito grandes e os chineses seguem buscando alternativas para uma possibilidade de ter de migrar boa parte de sua demanda para outro fornecedor que não os EUA, além dos já tradicionais, especialmente o Brasil. 

Informações apuradas pela consultoria internacional AgResource Mercosul (ARC) mostraram que o governo da China se reuniu, nos últimos dias, com as maiores esmagadoras do país para alertá-las sobre a possibiilidade de uma redução de suas importações de soja em grão na casa de 15% a 20% no próximo ano comercial, o que daria cerca de 15 a 20 milhões de toneladas a menos, se confirmado esse intervalo.

Em contrapartida, como explica a analista de mercado Andrea Cordeiro, da Labhoro Corretora, além dessa correção técnica, o mercado norte-americano também começa a processar a possibilidade de que a América do Sul passe à necessidade de importar soja dos EUA para atender a demanda chinesa em sua totalidade, o que também acaba sendo um fator positivo para as cotações, mesmo que ainda esteja na especulação. 

A Argentina, neste ano, já realizou algumas compras por lá após uma de suas mais sérias quebras por conta do clima. 

Ao mesmo tempo, embora ainda como um fator secundário, as condições de um tempo mais seco no Meio-Oeste americano também ajudaram nesse movimento intenso de alta desta sexta-feira. De acordo com informações do Drought Monitor - sistema americano que monitora a seca no país - cerca de 40% a 50% do país continua a sofrer com o tempo seco nas últimas 16 semanas. 

Essa tendência poderia, inclusive, se manter pelos próximos dias, segundo as previsões do NOAA, o serviço oficial de meteorologia norte-americano para os meses de julho, agosto e setembro, o que poderia indicar uma temporada de calor mais intenso e chuvas mais restritas nas próximas semanas. 

"Na safra dos Estados Unidos, o desenvolvimento segue favorável, no entanto com a chegada de um padrão negativo à saúde vegetal da soja e do milho no Cinturão Agrícola. Chuvas abaixo da média e com níveis desconfortáveis para o bom progresso reprodutivo são o cenário para esta primeira metade de julho. Além do mais, as temperaturas médias são elevadas para o mesmo período de poucas precipitações", explica a AgResource Mercosul (ARC).

Temps AGR

Chuva AGR

Mapas mostram temperaturas e chuvas esperadas para os próximos 10 dias - Fonte: AgResource Mercosul

Mercado Brasileiro

Na mesma semana em que as cotações na Bolsa de Chicago subiram mais de 1%, os prêmios para a soja brasileira voltaram a dispararar e acumularam um ganho muito intenso. A posição julho subiu 24,57% e o setembro, 14%, e assim ficaram em, respectivamente, US$ 2,18 e US$ 2,28 sobre as cotações praticadas na CBOT. E esse tem sido o mais importante fator de sustentação para as cotações nacionais. 

Os preços da soja nos portos do Brasil voltaram a testar a casa dos R$ 90,00 por saca e a retomada estimulou novos negócios no país. Em Paranaguá, terminando a semana, o produto disponível ficou em R$ 89,50, com alta de 0,56%, e a referência março/19 registrou uma escalada de 9,88% para ficar em R$ 90,00. No terminal de Rio Grande, altas de 4,12% para a soja disponível, que ficou em R$ 88,50, e de 3,96% para R$ 89,20 no indicativo para agosto/18. 

O dólar, nesta sexta-feira, foi o fiel da balança para os preços da soja, vindo na contra-mão das altas em Chicago, como tradicionalmente acontece, e do ganho dos prêmios. Ainda assim, a moeda americana encerrou a semana sendo cotada a R$ 3,8687.

"A moeda (norte-americana) continua se valorizando fortemente contra o real, mostrando que o mercado vem testando a autoridade monetária", escreveu a Rico Investimentos em relatório.

Leia mais:

>> Dólar fecha em queda após bater R$ 3,95, com cena externa e de olho no BC

Guerra tarifária já estava no preço, o clima não... Resultado: preços em alta 

Por (AgResources)

A Guerra Tarifária foi efetivada nesta sexta-feira. Os Estados Unidos iniciaram a implementação de taxas sobre 800 produtos chineses, enquanto que o país asiático está tributando os principais produtos agrícola dos Estados Unidos.

No entanto, a reação do Mercado trouxe clareza de que toda a pressão de baixa criada desde o início do embate político “chino-americano” foi exageradamente vendida pela especulação. A baixa estava precificada.

Agora, com preços da soja já em patamares considerados subvalorizados, a tendência foi definida como altista numa reação de compra sobre as previsões climáticas negativas para todo os Estados Unidos.

Além do mais, as exportações da soja norte-americana não têm sido tão decepcionantes como o esperado, uma vez que a China não adiciona novas compras do grão estadunidense.

Nesta última semana, foram vendidas 930 mil toneladas, mesmo com os chineses cancelando 366 mil toneladas, para um total líquido de 561.

CLIMA - AMÉRICA DO NORTE

Quase nenhuma variação foi observada nos mapas climáticos atualizados nesta sexta. Mas nas projeções de longo prazo, o cenário continua árido para o Cinturão Agrícola americano, principalmente sobre Illinois, Iowa e Indiana.

Estes três estados são responsáveis por quase metade da produção sojicultora dos Estados Unidos.

A importância das variações meteorológicas para estes estados chaves são de extrema significância para um resultado produtivo saudável, em nível nacional.

No geral, o mês de julho continua trazendo chuvas escassas, bem abaixo da média para o período, além de temperaturas acima da média normal.

Produtores do Cinturão se preocupam com a saúde vegetal de suas plantações.

Na próxima semana a ARC estará novamente em campo para um novo tour de safra! 

Fonte: NA/AgResources

1 comentário

  • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

    E a queda de hoje se deve a que??? ou é inverdade o que esta colocado sobre a subida da sexta???? Com a palavra o autor da matéria...

    1